Série C atinge 200 gols, tem motorista de ônibus perdido e 2 goleiros expulsos na mesma partida

Miguel Schincariol/Ituano FC
304

A beleza da Série C está em seu equilíbrio entre a modernidade e o futebol alternativo, por isso nós sempre reafirmamos: tem coisa que só acontece na Série C. Nesta 10ª rodada as partidas entre Paraná x Ypiranga e Ituano x Criciúma se tornaram históricas por motivos diferentes.

Leia Mais:

Na primeira partida citada tivemos o gol de nº 200 da competição na cabeçada de Vinícius Moura, do Paraná, mas antes disso vimos o Waze do Ypiranga dar tela preta, deixando o motorista do Ypiranga perdido em terras paranaense. O time gaúcho inclusive acabou chegando atrasado para o início da partida.

Publicidade

O jogo entre Ituano x Criciúma, importantíssimo para o caminho dos dois times na competição, também será lembrado por outro fato curioso: já nos acréscimos, com a partida paralisada, o goleiro Gustavo, do Criciúma, ficou irritado e partiu para cima dos jogadores do Ituano. Pegorari, goleiro do Ituano, viu a confusão armada e decidiu entrar no meio, resultado: um goleiro expulso de cada lado. Sem substituições, os dois times tiveram que improvisar jogadores no gol, enquanto o volante Igor Henrique assumiu a meta pelo Ituano e ainda fez algumas defesas, o lateral Claudinho foi defender o gol do Criciúma e ainda tomou um gol.

 

GRUPO A

VOLTA REDONDA 2 X 1 ALTOS

O primeiro tempo teve um Volta Redonda com mais posse de bola, mas com muitos erros de conclusão (chute e passe), enquanto o Altos ficou muito recuado, esperando o adversário tomar a iniciativa. O 1º gol do Volta Redonda aconteceu depois que o goleiro Mondragon espalmou para o meio da área, com Emerson Júnior completando. Um dos artilheiros do Brasil no ano, Manoel empatou para o Altos após cobrança de falta do Netinho — um dos raros momentos em que o Altos atacou no primeiro tempo.

No segundo tempo, após boa troca de passes, MV bateu cruzado para dar números finais bem no comecinho, aos 2 minutos. A partir de então o jogo não teve mais grandes emoções e o Altos, quando tinha a bola, trocava passes tranquilamente no campo defensivo como se estivesse satisfeito com o placar.

A notícia ruim para o Voltaço foi a substituição do meia Luciano Naninho, que caiu de mau jeito e teve que sair de maca. Ele até tentou voltar, mas não conseguiu. Após a partida, o técnico do Altos, Marcelo Vilar, foi demitido e Paulinho Kobayashi foi contratado.

 

FERROVIÁRIO 0 X 0 BOTAFOGO-PB

Tivemos um primeiro tempo de poucas emoções. O time de casa, Ferroviário, tentou ir para cima do Botafogo-PB, mas sem muita criatividade. O Botafogo-PB chegou mais nas bolas paradas, mas teve os melhores lances.

Para o segundo tempo, o Ferroviário mudou a marcação, fechou mais os espaços do Botafogo-PB no meio de campo — antes o Belo tinha mais liberdade para chegar na área do Ferrão —, e contou com retornos importantes de Clayton e Welton.

O Ferroviário terminou a partida com as melhores chances e só não ganhou a partida pelas boas defesas que o goleiro Lucas do Botafogo-PB realizou.

 

PAYSANDU 1 X 0 TOMBENSE

A partida começou com o Paysandu buscando mais o ataque enquanto a Tombense saía em velocidade para contra-atacar. Dois fatores logo no começo da partida, porém, mudaram o contexto do jogo: a forte chuva que chegou em Belém e a expulsão infantil do meia Ratinho, que tomou dois amarelos em dois minutos e foi expulso — isso com só 16 minutos de partida.

No 11 x 10, os papéis se inverteram e o Tombense acabou, até pela superioridade numérica, ficando mais com a bola. Faltou, no entanto, criar as chances para a finalização. No segundo tempo o time de Tombos voltou com tudo, mas deixou espaços atrás. Foi por esses buracos que o Papão conseguiu o gol marcar o seu gol. Marlon partiu em velocidade e serviu Diego Matos, sozinho, que abriu o placar.

 

JACUIPENSE 1 x 1 FLORESTA

O jogo foi bastante equilibrado, com um tempo de domínio para cada time. O Floresta jogou sozinho no primeiro tempo, fez um gol de pênalti com Fábio Alves e teve mais chances de aumentar o placar. O Jacuipense neste primeiro tempo foi mero espectador na partida.

O segundo tempo já começou com o Primão, do Floresta, entrando na partida e levando vermelho direto por atingir o adversário com cotovelo no rosto (é o que tá na súmula). Com um a mais, o Jacupa tomou o controle do jogo e chegou ao empate com Bambam. O Floresta se segurava como dava pra não levar a virada.

Já que o placar estava empatado, o Jacuipense, o rei do empate na Série C, resolveu também que deveria empatar também no número de jogadores em campo. No final do jogo, Danilo Rios levantou demais o cotovelo e acertou o rosto do Jô e levou um vermelho direto. Importante dizer que não houve agressão no rosto, mas o VAR chega somente na 2ª fase.

 

SANTA CRUZ 1 X 2 MANAUS

O Manaus foi superior do começo ao fim do jogo e aproveitou as falhas individuais da defesa do Santa para fazer os seus gols. O primeiro saiu com o estreante Denilson, logo aos 9 minutos, depois de um belo cruzamento.

Como de costume, o Santa Cruz acabou piorando após tomar o gol e voltou ainda mais perdido para o segundo tempo, muito por conta das mudanças do técnico Roberto Fernandes, que novamente colocou vários atacantes e esvaziou o meio-campo. O resultado foi mais um gol do Manaus com Rafhael Lucas. O infindável Pipico até tentou reviver as esperanças do Santa Cruz e descontou de cabeça, mas a vitória já estava decretada.

Ao final, chamou atenção outra substituição do técnico Roberto Fernandes, que acabou colocando o atacante Roni, deixou somente 20 minutos em campo e foi substituído. É importante também relembrar que o Bob Fernandes, como costumam chamar ele, é um dos menos culpados pelo destino trágico que vem se apresentando desde o começo do ano, mas algumas coisas devem ir para a conta dele.

 

GRUPO B

MIRASSOL 2 X 1 OESTE

Estreando no comando do Oeste, João Brigatti viu uma repetição do que vem acontecendo com o Oeste na competição. Com apenas 4 gols marcados, já contando com o deste jogo, o time tem bastante dificuldade para sair jogando e erra passes simples. Engana-se, no entanto, quem pensou que o Mirassol ganharia o jogo de forma fácil, até porque o time não passa por uma grande fácil no setor ofensivo e peca na velocidade da troca de passes, problema que o técnico Eduardo Batista também observou na primeira etapa.

Após a conversa no vestiário, os donos da casa voltaram com mais ímpeto ofensivo e abriram o placar no começo, aos 2 minutos, com Luisão. Se houve melhores no ataque, a defesa começou a pecar, dando muito espaço pelas pontas. Foi justamente em uma bola enfiada pela esquerda que Léo Ceará empatou para o Oeste.

Faltou ao time visitante sustentar o placar. Na jogada seguinte ao gol, Ricardo Luz (ex-Remo) cruzou na cabeça do atacante Macena, decretando a vitória do Mirassol. O Oeste ainda criou duas chances para empatar, mas o time novamente pecou na qualidade de finalização. Sorte para o Mirassol, que mereceu vencer, mas deu muita chance para o azar.

 

FIGUEIRENSE 2 X 1 NOVORIZONTINO

O técnico Jorginho começou o jogo com um time diferente em relação ao que enfrentou o Criciúma: Krobel na lateral direita, Vinicius Kiss (saiu machucado) como volante e Giva no ataque, deixando um time mais ofensivo, principalmente pelos lados. Foi em uma dessas bolas que o meia Bassani abriu o placar. O Novorizontino, time que sabe “sofrer”, acabou não conseguiu acertar a marcação e nem sair em contra-ataque, tentando só se defender na primeira etapa.

Ciente dos problemas o técnico Léo Condé, do Novorizontino, acertou a marcação da equipe nas bolas enfiadas e deu menos espaço pelas pontas, mas não foi o suficiente para ajudar na parte ofensiva da equipe, tanto que o gol de empate foi sair em uma confusão na área, após uma bola enfiada. Guilherme Queiroz mandou para dentro após uma péssima saída do goleiro Rodolfo Castro.

Para vencer o jogo, o Figueirense contou com os braços arreganhados do Lepo, que acabou cometendo o pênalti. Com intenção ou não, o juiz marcou e Bruno Paraíba definiu a vitória para o time da casa, que teve a sua melhor atuação nesta Série C.

 

SÃO JOSÉ 4 X 2 BOTAFOGO-SP

Tivemos uma chuva de gols neste jogo. Melhor para o São José que deu um baile no Botafogo-SP durante quase todo o jogo e contou com uma péssima atuação de Igor Bohn, goleiro do time visitante. O Zeca abriu o placar com Cláudio Maradona, de falta. O segundo demorou um pouco mais, foi sair só nos acréscimos, com um belo gol de Crystopher, que chutou do meio da rua e encobriu o goleiro.

A segunda etapa começou exatamente como terminou a primeira, Gabriel Lima cruzou e o zagueiro Yan Victor desviou contra. Para completar, Cláudio Maradona deixou mais um. 4×0, goleada que ia ajudando o São José no saldo de gols.

Com o placar definido, o time gaúcho se encolheu e deixou o Botafogo-SP chegar e marcar os gols de honra. O primeiro saiu após um lindo lançamento de rosca de Rafael Tavares para Neto Pessoa. O segundo saiu em uma jogada de escanteio, com uma cabeçada de Bruno Santos. O São José ainda quis complicar mais ainda a partida, tendo o volante Marco expulso, mas não tinha havia mais tempo.

 

PARANÁ 1 X 1 YPIRANGA

A partida nem começou e já teve um momento curioso: o motorista do ônibus do Ypiranga se perdeu no caminho e o time acabou chegando atrasado na Vila Capanema. Em campo, o Ypiranga não precisou de muito esforço para abrir o placar e a tradicional blitz inicial rendeu mais um gol para o canarinho. Kanu subiu com Rômulo e a bola foi pro gol — era pra ser contra, mas na súmula o tento foi dado para Kanu.

Após o gol, o Paraná teve mais a bola, mas se tornou aquela posse improdutiva, sem nem chutar ao gol do Deivity, enquanto o Ypiranga pouco se esforçava para aumentar o placar. No intervalo, o treinador do Paraná Sílvio Criciúma deu uma chacoalhada no time, que voltou totalmente diferente.

Várias chances foram criadas e, entre erros de finalização e defesas do goleiro Deivity, o placar continuou inalterado. O placar parecia definido, até que nos acréscimos Alex Murici achou Vinícius Moura na área e empatou a partida. O empate veio, mas os problemas internos do Paraná continuam a mil.

https://twitter.com/Podchamaovar/status/1422726402974097409

 

ITUANO 3 X 0 CRICIÚMA 

A partida começou com o Ituano tomando a iniciativa e logo aos 8 minutos Jiménez acertou um chutaço de fora da área e abriu o placar. Depois do gol o Ituano recuou e não criou tantas chances no primeiro tempo, enquanto o Criciúma tinha dificuldades de articular jogadas e consequentemente levar perigo ao gol do Ituano.

No intervalo Paulo Baier mexeu na equipe e o Criciúma voltou para a segunda etapa buscando mais o gol e criando mais chances mas continuava esbarrando na falta de pontaria e na zaga do Ituano. Depois de uma pressão sem sucesso do Criciúma a partida voltou a ficar morna até que na reta final Fernandinho aproveitou contra-ataque para aumentar o placar.

Nos acréscimos o lance mais bizarro de todos, Gustavo e Pegorari começaram a discutir, trocaram empurrões e foram expulsos da partida, isso mesmo, ou dois goleiros foram expulsos. Como os dois técnicos já haviam feitos as 5 substituições, Igor Henrique e Claudinho foram os escolhidos para assumir as metas. Igor passou zerado mas Claudinho teve tempo de levar um gol de Fernandinho em cobrança de pênalti.


Curtiu o texto? Então comenta aí. Não esquece de seguir o Chama o VAR, temos Twitter, Instagram e TikTok. Mas não é só isso, aproveita e se inscreve no nosso canal do YouTube para assistir nossas lives semanais sobre a Série C e vem de play nos nosso episódios semanais de podcast. Todos os Clubismo da Série C você encontra no Chama o VAR.

Comentários