8ª rodada da Série C tem a pior média de gols do campeonato

John Wesley/Paysandu
110

Se você gosta de bola na rede, provavelmente a 8ª rodada da Série C não foi das melhores. Com 13 gols em 10 jogos, essa foi a rodada com o menor número de gols até aqui na competição. O contraste em comparação com a rodada anterior é gritante: a média caiu de 2,5 gols por jogo para 1,3. Seria uma resposta dos próprios times ao número de gols tomados?  Fato é que a velha máxima do “1 a 0 é goleada” imperou, principalmente no disputado Grupo A.

Leia Também:

Parece também que essa 8ª rodada serviu como um começo de divisor de águas nos dois grupos. A distância, ainda que pequena, começa a ser aberta entre os times do G4 e os que vão lutar para não cair no Grupo A. Pelos lados do Grupo B, alguns resultados anteriores chegaram a alçar novos competidores ao G4, mas essa rodada reafirmou os que já estão disputando, além de decretar um provável rebaixamento do Oeste.

 

Publicidade

Grupo A

Jacuipense 0 x 0 Botafogo-PB

O jogo foi fraco na primeira etapa e teve o Jacupa com mais chance de marcar, mas não podemos dizer que foram chances perigosas. O ponta Thiaguinho fez uma boa partida e merece um destaque aqui, até por ele ser o único jogador que parecia se esforçar um pouco mais. No segundo tempo o jogo melhorou um pouco, mas não muito. O Botafogo-PB até chegou em lance de bola na trave, com Willian Machado desviando chute de Esquerdinha, mas foi muito pouco em geral.

 

Santa Cruz 0 x 1 Tombense

O Santa Cruz segue o seu calvário na Série C e vem até aqui fazendo uma campanha desastrosa. Com o revés diante do Tombense, o clube chegou à 5ª derrota na competição e vê o Floresta, primeiro time acima da zona de rebaixamento, abrindo 6 pontos de vantagem. O desempenho no jogo contra o Tombense, entretanto, não foi dos piores.

O Cobra Coral começou pressionando a partida e chegou a criar chances, principalmente pelo lado esquerdo do ataque. O problema foi o gol tomado aos 38 minutos: Ruben, de pênalti, abriu o placar para o Tombense. Com isso, o lado mental do Santa Cruz, já abalado pelas cobranças e o medo de rebaixamento, novamente trabalhou contra o próprio time. Nem mesmo a superioridade numérica foi suficiente para o time pernambucano empatar a partida. Muitos erros de passes curtos, muita afobação e uma derrota a mais na tabela.

O Tombense, agora vice-líder da competição, fez o seu jogo. Sabia que o adversário viria pressionado, então escolha foi de se defender primeiro. Passado os 10 minutos de jogos, o time mineiro igualou a disputa e teve mais organização para atacar. Ao fazer o seu gol, novamente se postou bem no contra-ataque e basicamente ficou esperando o jogo acabar. Dentro do que se propôs, foi uma boa atuação do Tombense.

 

 

Paysandu 1 x 1 Altos

Em uma rodada de poucos bons jogos, o confronto entre Paysandu e Altos foi gostoso de assistir, principalmente no 1º tempo. O Papão tentou fazer valer o mando na Curuzu e começou dominando a partida, principalmente porque jogou bem pelas laterais, mas faltou qualidade na criação. O Altos, que entrou no jogo com uma proposta bem defensiva, encaixou um contra-ataque mortal e de muita qualidade aos 33 minutos, abrindo o placar com Lucas Campos.

O segundo tempo do jogo voltou no mesmo esquema da primeira etapa, mas com uma piora no nível técnico. O Paysandu já não conseguia mais chegar tanto ao gol e o Altos renunciou de vez a qualquer aspiração ofensiva. O gol de empate foi sair aos 20 minutos, com Danrlei, depois de uma jogada estranha que terminou com o chute de Diego Matos. No rebote, o atacante que foi contratado para a Série C e quase não tinha jogado deixou sua marca.

 

Volta Redonda 1 x 0 Floresta

O primeiro tempo foi bem equilibrado e com leve vantagem do Floresta, mas quem saiu na frente foi o Volta Redonda. Aos 43 minutos, o meia Luciano Naninho, que já havia errados muita coisa na partida, finalmente fez uma bela jogada e chutou cruzado para Diego Cardoso. Ele conseguiu fazer o gol meio de ombro, meio de costas.

Na segunda etapa o Floresta foi com tudo para cima do Volta Redonda, que tentava se defender e não conseguia acertar muitos contra-ataques ou mesmo ficar com a bola. O problema para o Floresta é que Vinícius Dias estava inspirado e não deixou passar nem 5G. Foi o melhor da partida disparado.

 

Ferroviário 1 x 0 Manaus

As duas equipes começaram a partida com problemas distintos a serem resolvidos. De um lado o Ferroviário, que jogando em casa precisava marcar gols e tinha que melhorar a qualidade das finalizações e passes perto do gol. Do outro o Manaus, pior visitante da Série C 2021, que precisava melhorar a sua defesa.

A partir da prévia, tivemos um partida com as duas equipes fazendo o que era esperado: Ferroviário com a bola e tentando atacar e o Manaus se segurando um pouco mais para não dar tantos espaços e levar o gol. Ao final do jogo, o Ferrão saiu com os três pontos de forma justa, foi o time mais levou perigo ao gol adversário. O Manaus saiu derrotado da partida, mas com uma atuação um pouco mais sólida, principalmente se levarmos em conta o 2º tempo do Gavião do Norte.

O único gol da partida foi marcado pelo meia Reinaldo, aos 25 minutos. Ele recebeu um belo passe de Wesley Dias e desceu o dedo de fora da área. A bola ainda teve o capricho de bater na trave e entrar, deixando o lance mais bonito.

 

GRUPO B

São José 1 x 0 Oeste

Se não foi brilhante, o confronto dos desesperados teve bastante movimentação. O time da casa, aproveitando o gramado sintético do Passo d’areia, ficava mais com a bola enquanto o Oeste tentava se defender e contra-atacar com rapidez pelas pontas. A tônica do primeiro tempo basicamente foi essa. Sem grandes chances, mas de intensidade.

O segundo tempo foi de um jogo mais calmo. Ainda que os dois times mantivessem a mesma ideia do começo do jogo, a intensidade foi caindo com o passar do tempo, tanto que o gol salvador do Zeca saiu aos 45 minutos do 2º tempo. Depois de uma disputa de cabeça, a bola sobrou na entrada da área para Everton Bala, que chutou rasteirinho no canto, dando uma vitória justa ao São José e que recolocou o time fora da zona de rebaixamento.

Por falar no Z2, a situação do Oeste também vai se tornando insustentável. A 6 pontos do Paraná, primeiro time a não cair, o Oeste tem muitas dificuldades ofensivas — defensivas também, mas marcar gols tem sido até aqui o maior desafio — e caiu em um grupo bastante competitivo. Não tenho dúvidas de que esse último jogo do turno pode ser definidor para o time paulista.

 

Mirassol 2 x 0 Criciúma

O Mirassol conseguiu uma vitória importante contra o ex-líder do grupo, mas se engana quem pensa que o placar explica o jogo. Com a partida sendo jogada às 11h, a intensidade e a qualidade do jogo não foram das melhores, mas podemos destacar a estrela do goleiro Edson Mardden, que estreou na meta do Mirassol e já defendeu o seu primeiro pênalti com o manto do clube.

Tivemos também um lance incomum, mas o lateral Helder conseguiu a façanha de pisar na linha na hora de cobrar lateral e tomar uma reversão. Os dois gols do time da casa ficaram por conta de Rafael Silva, de pênalti, e Guilherme Paraíba. Mesmo não sendo uma atuação muito boa, a vitória tem que ser muito comemorada por Eduardo Batista e seus comandando. Pelo lado do Criciúma, começa-se a acender uma luz amarela, de atenção. Perder fora de casa não é incomum, mas são duas derrotas seguidas, uma com boa atuação e nessa última partida jogando mal.

 

Figueirense 0 x 0 Botafogo-SP

A partida começou animada, com o atacante Walter, do Botafogo, fazendo um gol logo aos 5 minutos de jogo (mas que não valeu). O trio de arbitragem marcou um impedimento duvidoso. Foi um primeiro tempo movimentado, com boas chances criadas para os dois lados, mas faltando aquela qualidade do último passe ou da definição. Como vem acontecendo nessa Série C, no segundo tempo o ritmo foi caindo com o passar dos minutos e as chances se tornaram mais escassas.

Esse empate ajuda o Figueirense a se afastar mais da zona de rebaixamento, mas não coloca o time na briga pelo acesso à Segunda Fase. É preciso mais de Jorginho e elenco para que o time consiga engrenar uma sequência de bons resultados. O time paulista está na dele, ainda não perdeu fora de casa e de quebra ficou a 3 pontos da liderança e 1 do G4. Eu sempre repito que pelo elenco que tem em mãos, o Botafogo-SP poderia e deveria apresentar um desempenho melhor, mas ele acaba sendo competitivo a partir da forma de Argel Fuchs comandar.

 

Ituano 2 x 1 Ypiranga

O jogo começou a mil por hora e com 8 minutos o placar já estava empatado em 1 a 1. Quirino abriu para o Ypiranga em uma jogada toda estranha, um bate-rebate que magicamente sobra no pé do artilheiro da Série C, com 6 gols marcados. O Mazolismo não deixou barato e o Ituano empatou logo em seguida com Igor Henrique. A partir disso esperávamos um jogo de muitos gols, certo? Errado, parece que ambos os times ficaram com medo de tomar mais um gol e a intensidade caiu muito.

O gol da vitória do Ituano saiu cedo, aos 4 minutos do segundo tempo, com João Victor, depois uma bela jogada trabalhada do Ituano, com direito a corta luz. E ficou assim: o Ypiranga tentando atacar sem organização e o Ituano se defendendo e contando os minutos para o jogo acabar.

Longe de ser um futebol vistoso, o Ituano chegou a 5ª vitória seguida e pode, caso ganhe, chegar a um recorde de 19 anos atrás, emendando seis vitórias consecutivas. O Ypiranga continua líder, mesmo com a derrota, mas viu a sua vantagem diminuir.

 

Paraná 0 x 2 Novorizontino

A vida do torcedor paranista não está fácil. A vitória contra o Mirassol, na rodada anterior, certamente deu uma injeção de ânimo no clube, mas o efeito era previsivelmente passageiro por conta das atuações em geral. O Paraná novamente ficou com a bola e tentou criar, mas o time esbarra na falta de opções táticas e técnicas para apresentar alguma coisa melhor. O Novorizontino, pelo seu lado, deu dois chutes ao gol no primeiro tempo, um de Michel Douglas, aos 17 minutos para abrir o placar, e outro que acertou o travessão.

Na segunda etapa tivemos a mesma dinâmica da primeira: Paraná com mais bola, sem criação, dependente de bola parada e o Novorizontino chegando com perigo em poucos momentos. O time paulista acertou mais uma vez bola na trave e também fez mais um gol, dessa vez com Danielzinho, aos 37 minutos. Apesar de não ter feito os gols, destaque para Cléo Silva, o melhor da partida com duas assistências e uma bola na trave. Após a partida, o técnico Maurílio Silva foi demitido.

Vale também citar a entrada dura de Vinícius Moura no Cléo Silva. Carrinho por trás, sem acertar a bola. Era para vermelho direito, mas a árbitra Thayslane de Melo Costa deixou barato dando amarelo.


Curtiu o nosso texto? Então nos siga nas redes sociais! Temos também um encontro marcado toda terça, às 20h30, com uma live em nosso canal do YouTube, passando a limpo tudo o que rolou na rodada da Série C  (clique aqui para conferir a live sobre a 8ª rodada). Mas é só isso? Não, temos também entrevista a cada 15 dias com os protagonistas do campeonato e toda sexta tem nova edição do nosso podcast. No Chama o VAR temos todos os clubismos da Série C, vem com a gente que você fica bem informado!

Comentários