Ascensão meteórica e elenco “importado”: O que Guus Hiddink pode esperar de Curaçao

0 10.777

Se os amantes do futebol da pequena e bela ilha de Curaçao já estavam com altas expectativas de classificação para sua primeira Copa do Mundo em 2022, no Catar, a ideia ganhou ainda mais força com a chegada do vitorioso técnico holandês, Guus Hiddink. O treinador de 73 anos assinou contrato com a seleção da pequena ilha caribenha até a próxima Copa. Outra novidade é que o também ex-jogador Hedwiges Maduro será conselheiro de Hiddink.

O holandês assumirá o comando técnico da seleção caribenha em primeiro de setembro já com olhos nos quatro jogos pela frente válidos pela primeira rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo.

Em mais de 35 anos como treinador, teve em seu recheado currículo passagens marcantes por seleções: comandou a seleção holandesa por duas vezes, incluindo na Copa de 1998; levou a Coreia do Sul até as semifinais da Copa de 2002; a Austrália na Copa de 2006; e fez história com a Rússia na Eurocopa 2008.

No âmbito dos clubes, treinou o PSV, Fenerbahçe, Valencia, Real Madrid, Real Betis. Chelsea, FK Anzhi (Rússia). Em sua galeria de títulos estão uma UEFA Champions League e Mundial de Clubes com o Real Madrid; uma Supertaça da Turquia, uma FA Cup, cinco campeonatos holandeses e quatro copas da Holanda com o PSV.

Leia também:

O defensor Bryan Anastatia, de 28 anos, joga pelo atual campeão da Liga MCB, Jong Holland. O jogador, que fez parte dos convocados para a Liga das Nações, disse que ficou surpreso com o apontamento de um novo treinador, principalmente pelo fato do antecessor, Remko Bicentini, estar fazendo um ótimo trabalho e alcançando bons resultados. Mas o jogador acredita que a chegada de um nome de peso no cenário internacional ao comando técnico, como o de Guus Hiddink, trará grandes contribuições para a seleção nacional.

“Não é segredo para ninguém que ele está entre os melhores treinadores do mundo por tudo que ele conquistou com clubes e seleções. Acredito que ele contribuirá muito por este país em muitos aspectos”, afirma.

98124717 3267602606607464 5802626655142805504 O
Bryan Anastatia no Jong Holland (Concacaf)

Com muita experiência e conhecimento para transmitir, chega a uma seleção de Curaçao que ganha cada vez mais notoriedade internacional. Mas a história da ilha como país independente é curta e sua ascensão no futebol ocorreu de forma muito rápida.

Curaçao tornou-se país em 10 de outubro de 2010 quando as Antilhas Holandesas foram dissolvidas. Em março de 2011, apareceu na lista de membros da FIFA como sucessor da antiga Antilhas Holandesas, herdando seu histórico futebolístico. No ranking FIFA de 18 de maio de 2011, ocupavam a 152° posição. A melhor marca foi em 2017, quando Curacao assumiu a 68° posição. Atualmente permanece na 80° posição.

 

Projeto holandês

A mudança na seleção de Curaçao teve início com a nomeação do reconhecido artilheiro holandês Patrick Kluivert, que dirigiu a seleção em 2015 e 2016. O principal legado foi atrair jogadores nascidos em solo europeu para representar o país caribenho. Ele foi o responsável por construir a base para que o país desenvolvesse seu futebol a nível de seleção.

Seu substituto, o também ex-jogador holandês Remko Bicentini, conseguiu o primeiro título relevante do país, a Copa do Caribe de 2017, e qualificou a ilha para três Copas Ouro seguidas (2017, 2019 e 2021) — um feito inédito.

1240
Patrick Kluivert deu início ao projeto ambicioso de Curaçao

No ano que vem Guus Hiddink terá sua primeira prova de fogo com a participação na Copa Ouro de 2021. A classificação veio após o segundo lugar no Grupo D, junto com Haiti e Costa Rica, na Liga A da Liga das Nações da Concacaf (desempenho de uma vitória, dois empates e uma derrota). Na edição de 2019, deixaram para trás Honduras e El Salvador na fase de grupos e caíram nas quartas-de final para os finalistas EUA por 1 a 0.

 

Histórico em Eliminatórias para a Copa

Em seus dez anos de existência como Curaçao, a seleção participou até agora das Eliminatórias para as Copas de 2014 e 2018. Para o Mundial no Brasil, a ilha ficou muito distante da sonhada vaga: caiu na 1° fase de grupos em um grupo com Antígua e Barbuda (1°), Haiti (2°) e Ilhas Virgens Americanas (4°).

Na qualificação para a Copa do Mundo de 2018 na Rússia, Curaçao melhorou e foi eliminada apenas na terceira fase ante El Salvador com duas derrotas por 1 a 0. Antes dessa fase passou por Montserrat (4 a 3 no agregado) e por Cuba (pelo quesito gol fora após o empate a um gol).

A reviravolta para a seleção de Curaçao foi nas Eliminatórias de 2016 para a Copa do Caribe do ano seguinte. Dos seis jogos disputados, teve apenas um derrota diante de Barbados pela vantagem mínima de 1 a 0. Jogadores como Leandro Bacuna, Felitciano Zschusschen, Gino Van Kessel, Gevaro Nepomuceno e Rangelo Janga fizeram parte de um ataque que balançou muito as redes adversárias.

A conquista da Copa do Caribe em 2017, com uma bela vitória por 2 a 1 contra os jamaicanos, com dois gols do atacante Elson Hooi, garantiu a ele o primeiro título do país e uma vaga na Copa Ouro daquele ano. Mas na competição, o país perdeu todos os três jogos da fase de grupos por 2 a 0 contra Jamaica, El Salvador e México.

 

Principais jogadores

Como mencionado anteriormente, Kluivert foi o grande responsável por trazer jogadores importantes para a seleção de Curaçao e alguns outros foram chegando com os anos. Vamos aos principais:

Eloy Room (Goleiro – Columbus Crew)

Ef8zvyevaae5lm1

Eloy Room nasceu em Nijmegen, na Holanda, e passou pela base de clubes como NEC e Vitesse, clube no qual subiu para a equipe profissional. Depois passou por Go Ahead Eagles, retornou ao Vitesse para vencer a Copa da Holanda temporada 2016/17 e chegou em agosto de 2017 ao PSV, onde foi campeão holandês na temporada 2017/18. No ano passado, foi anunciado como jogador do Columbus Crew, dos Estados Unidos, clube que defende até hoje.

Apesar de ter um jogo pela seleção Sub-20 da Holanda, optou por representar Curaçao. A estreia do goleiro foi em 11 de junho de 2015 contra Cuba pelas Eliminatórias da Copa da Rússia. Desde então soma 34 aparições pela seleção principal. Além das eliminatórias, jogou amistosos, duas Copa Ouro, no título da Copa do Caribe de 2017 e na Liga das Nações.

 

Darryl Lachman (Zagueiro – Sem clube)

158493

O zagueiro de 30 anos Darryl Lachman nasceu em Amsterdam e começou sua carreira nas categorias de base de Ajax e FC Groningen, mas foi no PEC Zwolle que teve seu melhor momento na temporada 2012/13 que conquistou a segunda divisão e a copa da Holanda. Depois passou por FC Twente, Sheffield Wed, SC Cambuur e Willem II. Atualmente está sem clube e a última equipe defendida foram os israelitas do Hapoel Raanana. Também conta com aparições pela seleção holandesa Sub-20.

Foi chamado pela primeira vez por Kluivert em 28 de março de 2015. Soma 31 internacionalizações distribuídos entre amistosos, duas Copa Ouro, apuração para a Copa de 2018, no título da Copa do Caribe de 2017 e na Liga das Nações. Sua estreia foi contra Montserrat pelas eliminatórias marcando um gol na partida de volta.

 

Leandro Bacuna (Meio-campo – Cardiff City)

Mercado Da Bola Cardiff Leandro Bacuna

Nascido em Groningen, na Holanda, participou das categorias de base do time que leva o nome da cidade. Juntou-se ao grupo principal em 2009 e em 2013 foi contratado pelo Aston Villa. Depois transferiu-se para o Reading e hoje está no Cardiff City, do País de Gales.

Leandro Bacuna debutou pela seleção de Curaçao em 24 de março de 2016 contra Barbados em partida válida pelas eliminatórias para a Copa do Caribe. Soma 30 jogos e 11 gols marcados. Defendeu o país caribenho também em amistosos, na Copa do Caribe,
na Copa Ouro 2019 e foi o capitão na Liga das Nações. Ele joga junto com o irmão, Juninho Bacuna, pela seleção.

 

Juninho Bacuna (Meio-campo – Huddersfield Town)

Dgicgelw4aayczx

O jogador foi formado pelo clube de sua cidade natal, Groningen FC, e subiu para time principal na temporada 2014/15 na qual conquistou a Copa da Holanda. Bacuna defendeu a Holanda nas categorias Sub-18, Sub-20 e Sub-21. Em 2018, transferiu-se para o Huddersfield Town, da Inglaterra. Foi chamado por Remko Bicentini para disputar a liga das nações 2019/2020. O jogador de 23 anos deu duas assistências e ajudou seu país a garantir vaga na Copa Ouro 2021.

Além desses quatro, cabe citar ainda o lateral Cuco Martina (Fayenoord – Holanda); e os atacantes Gino Van Kessel (Olympiakos Nicosia – Chipre); Elson Hooi (ADO Den Haag – Holanda) e Gevaro Nepomuceno (Oldham United – Inglaterra).

 

Possíveis reforços

A chegada de Guus Hiddink será um chamativo para que outros jogadores holandeses com ancestrais de Curaçao se juntem a seleção, ainda mais com chance de conquistar uma vaga na Copa.

A conta no Twitter, CONCACAF Dominicana, especializada em futebol da República Dominicana e do Caribe, fez um levantamento sobre quais jogadores dos Estados Unidos, Inglaterra e Holanda seriam elegíveis para representar países Caribenhos.

https://twitter.com/CONCACAFDOMINI/status/1280511647291932673

A lista de Curação é encabeçada pelo habilidoso e promissor atacante Tahith Chong, que está emprestado ao Werder Bremen pelo Manchester United. O jogador de 20 anos nasceu na ilha caribenha, mas foi formado nos Países Baixos.

Outros jovens que aparecem nessa lista são o atacante Sontje Hansen, 18, e os gêmeos Jurrien e Quinten Timber, 19, os três são jogadores da base do Ajax; o lateral esquerdo Tyrell Malacia, 20, e o lateral direito Lutsharel Geertruida, 19, ambos do Fayenoord; Armando Obispo, zagueiro de 21 anos, que está no Vitesse por emprestimo do PSV; o lateral direito Sherel Floranus, 21, do Heerenveen, Giovanni Troupée, lateral esquerdo de 22 anos do Twente FC; Shurandy Sambo, 18, do PSV, Kevin Felida, meia campo do Den Bosch (2° divisão holandesa), e Quincy Hogesteger, ponta esquerda de 19 anos, da segunda divisão da Holanda.

Esses jogadores ainda são jovens e em sua maioria fazem parte das seleções de base da Holanda. Não optariam por Curaçao por agora, uma vez que ainda sonham em defender a Laranja.

Os atacantes Richairo Zivkovic, 23, do Changchun Yatai FC, da China, e Jurgen Locadia, centroavante do FC Cincinnati, dos Estados Unidos, de 26 anos, são mais prováveis de aparecerem nas próximas convocações de Hiddink.

 

Status de colônia

Novos jogadores europeus na seleção significa ainda menores chances de um jogador que atua em Curaçao sonhar com a Copa do Mundo. O futebol no país é semi-profissional e não há o interesse de melhorar o futebol local para que os jogadores possam seguir uma carreira e reforçar a seleção. Alguns poucos saem para tentar a sorte na Holanda em clubes, na maioria das vezes, amadores.

Dos 30 jogadores que foram chamados para as quatro partidas da Liga das Nações, cinco jogavam em Curaçao e nenhum deles entrou em campo. No meio dos convocados, um deles, o meia de 31 anos Shannon Carmelia, joga pelo FC Lienden, terceira divisão da Holanda, jogou por CSD Barber e Jong Holland, clubes tradicionais na ilha.

Curacao 201617
Jogadores locais tem pouco espaço na seleção de Curaçao

A Federação de Futebol de Curaçao não faz ao menos concentração com apenas jogadores locais para verificar potenciais talentos para a seleção principal. A Federação Jamaicana de Futebol, por exemplo, realiza camping com os jogadores locais regularmente o que dá aos atletas que se destacam na Liga Jamaicana a oportunidade de mostrar serviço e agradar ao treinador Theodore Whitmore para então ser chamado para os jogos oficiais.

 

Caminho até Catar

Na última quarta-feira (19) em Zurique, na Suíça, foi realizado o sorteio das Eliminatórias da Concacaf para a Copa do Mundo do Catar. A Concacaf tem três vagas e meia (três avançam diretamente enquanto o quarto colocado passará por repescagem contra o vencedor das eliminatórias da Oceania) que serão decididas em três rondas.

A primeira ronda terá os países da 6° a 35° posições no ranking da Concacaf divididas em seis grupos de cinco. Os jogos serão realizados entre outubro e novembro deste ano e terá El Salvador, Canadá, Curaçao, Panamá, Haiti e Trinidade e Tobago como os cabeças de chave, respectivamente, dos grupos A a F. Cada país jogará quatro partidas: duas dentro e duas fora de casa.

Confira todos os grupos na imagem:

Concacaf
Mundial 2022: primeira fase das Eliminatórias da Concacaf

Curaçao é cabeça de chave do Grupo C que terá ainda Guatemala, São Vicente e Granadinas e Ilhas Virgens Britânicas.

A seleção da Guatemala tenta recuperar depois de ter sido banida por quase dois anos após escândalos de corrupção da Federação e não teve dificuldade na Liga C da Liga das Nações num grupo com Porto Rico e Anguilla. São Vicente e Granadinas chegou à última rodada da Liga das Nações brigando pela vaga na Copa Ouro com Suriname, que se classificou para a Copa Ouro 2021.

Especula-se ainda que a seleção cubana, de forma inédita, poderá contar com seus melhores jogadores que atuam fora do país o que significará um salto de qualidade na equipe em relação ao que foi apresentado na Copa Ouro de 2019 e na Liga das Nações. Ilhas Virgens Britânicas é, de longe, a seleção mais fraca.

Apesar de ser um grupo, até certo ponto, equilibrado, Curaçao deve confirmar o favoritismo e terminar em primeiro do grupo avançando, assim, para a segunda fase. Nesta etapa, os primeiros colocados de cada grupo se enfrentam para decidirem as três vagas para o octogonal final.

Jogos em data FIFA em Março de 2021:

  • 1° Grupo A x 1° Grupo F
  • 1° Grupo B x 1° Grupo E
  • 1° Grupo C x 1° Grupo D

Caso confirmem os favoritismos, Curacao terá um duro duelo contra o Panamá, presente na última Copa do Mundo, antes de disputar o octogonal final.

Os vencedores dos duelos juntam-se a México, Estados Unidos, Costa Rica, Jamaica e Honduras, que são os cinco melhores classificados da Concacaf, para a briga pelas vagas para a Copa. Os jogos desta fase têm início em junho de 2021 e seguem até março de 2022. Cada time enfrentará o outro em jogos dentro e fora.

Concacaf2
Mundial 2022: fase final das Eliminatórias da Concacaf

Caso se classifique ao Mundial, Curaçao será o quinto país caribenho na maior competição de seleções do mundo. Cuba (quartas-de-final, 1938), Haiti (1974), Jamaica (1998) e Trinidad e Tobago (2006) são as nações da região que marcaram presença em mundial.

Anastasia diz que o grupo C é um grupo bom. “Para classificarmos temos de dar tudo de nós em campo para alcançarmos bons resultados e espero que sejamos os primeiros do grupo”, comenta.