Guia Improvável da Copa do Brasil 2014

A Copa do Brasil nunca foi uma competição comum. Cheia de surpresas, boas histórias e detalhes alternativos, ela não merece, portanto, um guia comum. Foi com esse raciocínio que o Última Divisão projetou uma maneira improvável de apresentar a edição de 2014 da Copa do Brasil.

A ideia é fugir do óbvio e encontrar o que há de diferente. Para fazer isso o primeiro passo é olhar para onde ninguém costuma olhar: nos times ditos “pequenos” é que está a grandeza do verdadeiro futebol. Pesquisamos esse rico material e apresentamos a seguir no Guia Improvável, que tem também uma navegação (adivinhe!) improvável: acesse seus assuntos preferidos pelo índice abaixo ou desça a barra de rolagem, com as opções de ver as tradicionais fichas à esquerda enquanto lê os diferentes textos. Divirta-se!

ÍNDICE





Saiba mais sobre os times que importam (pra gente, é claro!)

ABC-RN

abc

– ABC Futebol Clube (Série B)
– Sede: Natal (RN)
– Títulos: 1 Série C (2010) e 52 Estaduais
– Melhor CdB: 2000 (8as)
– Em 2013: 3º no Campeonato Potiguar, 8º na Copa do Nordeste, 3ª fase na Copa do Brasil e 14º lugar na Série B
– Palpite UD: Pode surpreender

América-RN

america rn

– América Futebol Clube (Série B)
– Sede: Natal (RN)
– Títulos: 1 Copa do Nordeste (1998) e 33 Estaduais
– Melhor CdB: 2000 (8as)
– Em 2013: Vice no Campeonato Potiguar, 1ª fase da Copa do Nordeste, 2ª fase da Copa do Brasil, 13° lugar na Série B
– Palpite UD: Fará figuração

América-MG

America_MG
– América Futebol Clube (Série B)
– Sede: Belo Horizonte (MG)
– Títulos: 1 Série B (1997), 1 Série C (2009), 1 Copa Sul-Minas (2000) e 15 Estaduais
– Melhor CdB: 1998 (8as)
– Em 2013: 8º lugar no Campeonato Mineiro, 3ª fase da Copa do Brasil e 9º lugar na Série B
– Palpite UD: Pode surpreender

ASA-AL

asa

– Agremiação Sportiva Arapiraquense (Série C)
– Sede: Arapiraca (AL)
– Títulos: 7 Estaduais
– Melhor CdB: 2013 (3ª fase)
– Em 2013: Semifinalista no Campeonato Alagoano, vice da Copa do Nordeste, 3ª fase da Copa do Brasil e 20º lugar na Série B (lanterna)
– Palpite UD: Corre por fora

Bahia de Feira-BA

bahia-de-feira

– Associação Desportiva Bahia de Feira (-)
– Sede: Feira de Santana (BA)
– Título: 1 Estadual (2011)
– Melhor CdB: 2012 (2ª fase)
– Em 2013: 6º no Campeonato Baiano e campeão da Copa Governador do Estado da Bahia
– Palpite UD: Fará figuração

Barbalha-CE

barbalha_n
– Barbalha Futebol Clube (-)
– Sede: Barbalha (CE)
– Títulos: 1 Estadual da 3ª Divisão (2007), 1 Copa Fares Lopes (2013)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Vice no Campeonato Cearense da Segunda Divisão e campeão da Copa Fares Lopes
– Palpite UD: Fará figuração

Boavista-RJ

boavistasc

– Boavista Sport Club (Série D)
– Sede: Saquarema (RJ)
– Títulos: 1 Estadual da 2ª Divisão (2006)
– Melhor CdB: 2012 (1ª fase)
– Em 2013: 6º no Campeonato Carioca e vice na Copa Rio
– Palpite UD: Pode surpreender

Botafogo-PB

botafogo pb

– Botafogo Futebol Clube (Série C)
– Sede: João Pessoa (PB)
– Títulos: 1 Série D (2013) e 26 Estaduais
– Melhor CdB: 2011 (2ª fase)
– Em 2013: Campeão Paraibano e campeão da Série D
– Palpite UD: Pode surpreender

Bragantino-SP

bragantino

– Clube Atlético Bragantino (Série B)
– Sede: Bragança Paulista (SP)
– Títulos: 1 Série B (1989), 1 Série C (2007), 1 vice na Série A (1991) e 1 Estadual (1991)
– Melhor CdB: 2008 e 2013 (2ª fase)
– Em 2013: 11º no Estadual, 2ª fase na Copa do Brasil e 12º na Série B
– Palpite UD: Corre por fora

Brasília-DF

Brasília-DF

– Brasília Futebol Clube (-)
– Sede: Brasília (DF)
– Títulos: 8 Metropolitanos
– Melhor CdB: 2010 (1ª fase)
– Em 2013: Vice no Campeonato Brasiliense, 1ª fase na Série D
– Palpite UD: Pode surpreender

Brasiliense-DF

brasiliense

– Brasiliense Futebol Clube (Série D)
– Sede: Taguatinga (DF)
– Títulos: 1 Série B (2004), 1 Série C (2002) e 8 Metropolitanos
– Melhor CdB: 2002 (vice-campeão)
– Em 2013: Campeão Brasiliense e 9º lugar no Grupo A da Série C (rebaixado)
– Palpite UD: Pode surpreender

Caldense-MG

caldense

– Associação Atlética Caldense (-)
– Sede: Poços de Caldas (DF)
– Títulos: 1 Estadual (2002)
– Melhor CdB: 2003 (2ª fase)
– Em 2013: 6º lugar no Campeonato Mineiro
– Palpite UD: Pode surpreender

CENE-MS

CENE

– Clube Esportivo Nova Esperança (-)
– Sede: Campo Grande (MS)
– Títulos: 5 Estaduais
– Melhor CdB: 2004 e 2006 (2ª fase)
– Em 2013: Campeão Sul-Matogrossense
– Palpite UD: Fará figuração

Chapecoense-SC

chapecoense

– Associação Chapecoense de Futebol (Série A)
– Sede: Chapecó (SC)
– Títulos: 4 Estaduais
– Melhor CdB: 2008, 2010 e 2012 (2ª fase)
– Em 2013: Vice-campeão Catarinense e vice da Série B
– Palpite UD: Corre por fora

CRB-AL

crb

– Clube de Regatas Brasil (Série C)
– Sede: Maceió (AL)
– Títulos: 1 Copa do Nordeste (1975), 27 Estaduais
– Melhor CdB: 2006 e 2013 (2ª fase)
– Em 2013: Campeão Alagoano, 1ª fase da Copa do Nordeste, 2ª fase da Copa do Brasil e 10º na Série C
– Palpite UD: Pode surpreender

CSA-AL

csa

– Centro Sportivo Alagoano (-)
– Sede: Maceió (AL)
– Títulos: 37 Estaduais
– Melhor CdB: 1992 (8º lugar)
– Em 2013: Vice-campeão Alagoano, 1ª fase da Copa do Brasil e da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Cuiabá-MT

cuiaba-novo

– Cuiabá Esporte Clube (Série C)
– Sede: Cuiabá (MT)
– Títulos: 4 Estaduais
– Melhor CdB: 2011 e 2012 (1ª fase)
– Em 2013: Campeão Matogrossense, 1ª fase da Copa do Brasil e da Série C
– Palpite UD: Fará figuração

Desportiva-ES

desportiva Ferroviária

– Associação Desportiva Ferroviária Vale do Rio Doce (-)
– Sede: Cariacica (ES)
– Títulos: 17 Estaduais
– Melhor CdB: 1990, 1993, 1995, 1997, 2001 e 2009 (1ª fase)
– Em 2013: Campeão Capixaba e 3º na Copa Espírito Santo
– Palpite UD: Fará figuração

Duque de Caxias-RJ

duque_caxias

– Duque de Caxias Futebol Clube (Série C)
– Sede: Duque de Caxias (RJ)
– Títulos: 1 Copa Rio (2013)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Campeão da Copa Rio, 13º no Campeonato Carioca e 15º na Série C
– Palpite UD: Fará figuração

Flamengo-PI

flamengo pi

– Esporte Clube Flamengo (-)
– Sede: Teresina (PI)
– Títulos: 17 Estaduais
– Melhor CdB: 2001 (8as)
– Em 2013: Semifinalista do Campeonato Piauiense, Campeão da Copa Piauí
– Palpite UD: Fará figuração

Goianésia-GO

goianesia

– Goianésia Esporte Clube (-)
– Sede: Goianésia (GO)
– Títulos: 1 Estadual da Segunda Divisão (1985)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Terceiro lugar no Campeonato Goiano, 1ª fase da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Grêmio Barueri-SP

gremio barueri

– Grêmio Barueri Futebol Ltda. (Série D)
– Sede: Barueri (SP)
– Títulos: 1 Estadual da 2ª Divisão-A2 (2006), 1 Estadual da 3ª Divisão-A3 (2005)
– Melhor CdB: 2011 (8as)
– Em 2013: 1ª fase da Série A2 Paulista e da Copa do Brasil; rebaixado na Série C
– Palpite UD: Fará figuração

Guarani-SP

guarani

– Guarani Futebol Clube (Série C)
– Sede: Campinas (SP)
– Títulos: 1 Série A (1978), 1 Série B (1981) e Estadual da 2ª Divisão-A2 (1949)
– Melhor CdB: 1989, 1999, 2004, 2006, 2010 (8as)
– Em 2013: Rebaixado no Estadual, 1ª fase da Copa do Brasil e da Série C
– Palpite UD: Pode surpreender

Horizonte-CE

horizonte
– Horizonte Futebol Clube (-)
– Sede: Horizonte (CE)
– Títulos: 1 Estadual da 2ª Divisão (2007)
– Melhor CdB: 2011 (8as)
– Em 2013: 6º no Cearense
– Palpite UD: Fará figuração

Interporto-TO

interporto

– Interporto Futebol Clube (-)
– Sede: Porto Nacional (TO)
– Títulos: 2 Estaduais (1999, 2013)
– Melhor CdB: 1999 (1ª fase)
– Em 2013: Campeão Tocantinense
– Palpite UD: Fará figuração

J.Malucelli-PR

j malutelli

– J. Malucelli Futebol S.A. (-)
– Sede: Curitiba (PR)
– Títulos: 1 Série C-Módulo Verde e Branco (2000), 1 Estadual da 2ª Divisão (1998)
– Melhor CdB: 2010 (8as)
– Em 2013: 5º no Paranaense, 1ª fase da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Joinville-SC

joinville

– Joinville Esporte Clube (Série B)
– Sede: Joinville (SC)
– Títulos: 1 Série C (2011), 12 Estaduais e 1 Recopa Sul-Brasileira (2009)
– Melhor CdB: 2013 (2ª fase)
– Em 2013: 6º no Catarinense e na Série B, 2ª fase da Copa do Brasil, Campeão Copa SC
– Palpite UD: Pode surpreender

Juazeiro-BA

juazeiro

– Juazeiro Social Clube (-)
– Sede: Juazeiro (BA)
– Títulos: 2 Estaduais da 2ª Divisão (1996, 2010)
– Melhor CdB: 2002 (1ª fase)
– Em 2013: 4º no Baiano
– Palpite UD: Fará figuração

Lagarto-SE

lagarto

– Lagarto Futebol Clube (-)
– Sede: Lagarto (SE)
– Títulos: Nenhum
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: 7º no Sergipano e 3º na Copa Governador do Estado
– Palpite UD: Fará figuração

Lajeadense-RS

lajeadense

– Clube Esportivo Lajeadense (Série D)
– Sede: Lajeado (RS)
– Títulos: 2 Estaduais da 2ª divisão (1959, 1979)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Vice-campeão Gaúcho, 1ª fase da Série D e da Copa FGF
– Palpite UD: Fará figuração

Londrina-PR

londrina

– Londrina Esporte Clube (-)
– Sede: Londrina (PR)
– Títulos: 1 Série B (1980) e 3 Estaduais (1962, 1981, 1992)
– Melhor CdB: 1993 (4as)
– Em 2013: 3º no Paranaense, 8ªs da Série D
– Palpite UD: Pode surpreender

Maranhão-MA

maranhao

– Maranhão Atlético Clube (-)
– Sede: São Luís (MA)
– Títulos: 15 Estaduais
– Melhor CdB: 2000 (3ª fase)
– Em 2013: Campeão Maranhense, Vice-campeão da Copa São Luís e 1ª fase da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Mixto-MT

mixto_n

– Mixto Esporte Clube (-)
– Sede: Cuiabá (MT)
– Títulos: 24 Estaduais
– Melhor CdB: 1989 e 2001 (2ª fase)
– Em 2013: Vice-campeão Mato-grossense, 1ª fase da Copa do Brasil e 4as da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Nacional-AM

nacional_am

– Nacional Futebol Clube (Série D)
– Sede: Manaus (AM)
– Títulos: 41 Estaduais
– Melhor CdB: 2013 (8as)
– Em 2013: Vice-campeão Amazonense, 8as da Copa do Brasil
– Palpite UD: Pode surpreender

Náutico-RR

nautico_rr

– Náutico Futebol Clube (Série D)
– Sede: Caracaraí (RR)
– Títulos: 2 Estaduais (1968 e 2013)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Campeão Roraimense, 1ª fase da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Naviraiense-MS

naviraiense

– Clube Esportivo Naviraiense (-)
– Sede: Naviraí (MS)
– Títulos: 1 Estadual (2009)
– Melhor CdB: 2013 (2ª fase)
– Em 2013: Vice-campeão Sul-Matogrossense
– Palpite UD: Pode surpreender

Novo Hamburgo-RS

novo_hamburgo

– Esporte Clube Novo Hamburgo (-)
– Sede: Novo Hamburgo (RS)
– Títulos: 2 Copas FGF (2005 e 2013)
– Melhor CdB: 2006 (1ª fase)
– Em 2013: 4as da Taça Farroupilha-2º turno do Gaúcho, Campeão Copa FGF
– Palpite UD: Fará figuração

Paragominas-PA

paragominas

– Paragominas Futebol Clube (-)
– Sede: Paragominas (PA)
– Títulos: 1 Estadual (2013)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Campeão Paraense, 1ª fase da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Paraná-PR

parana

– Paraná Clube (Série B)
– Sede: Curitiba (PR)
– Títulos: 2 Série B (1992 e 2000), 7 Estaduais
– Melhor CdB: 1995, 1996, 1998, 2002 (4as)
– Em 2013: 4º no Paranaense, 8º na Série B, 1ª fase da Copa do Brasil
– Palpite UD: Pode surpreender

Parnahyba-PI

Parnahyba Sport Clube

– Parnahyba Sport Club (-)
– Sede: Parnaíba (PI)
– Títulos: 12 Estaduais
– Melhor CdB: 2004, 2006 e 2007 (1ª fase)
– Em 2013: Campeão Piauiense, 1ª fase da Copa do Brasil e da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Paysandu-PA

payssandu

– Paysandu Sport Club (Série C)
– Sede: Belém (PA)
– Títulos: 1 Copa dos Campeões (2002), 1 Copa Norte (2002), 2 Séries B (1991 e 2oo1) e 45 Estaduais
– Melhor CdB: 1991, 1993 e 2012 (8as)
– Em 2013: Campeão Paraense, 3ª fase da Copa do Brasil e rebaixado na Série B
– Palpite UD: Corre por fora

Plácido de Castro-AC

placido

– Plácido de Castro Futebol Club (-)
– Sede: Plácido de Castro (AC)
– Títulos: 1 Estadual (2013)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Campeão Acreano, 4as da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Potiguar-RN

potiguar-mossoro-novo
– Associação Cultural e Desportiva Potiguar (-)
– Sede: Mossoró (RN)
– Títulos: 2 Estaduais (2004 e 2013)
– Melhor CdB: 2006 (2ª fase)
– Em 2013: Campeão Potiguar e da Copa Cidade de Natal, 1ª fase da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Princesa do Solimões-AM

princesa

– Princesa do Solimões Esporte Clube (Série D)
– Sede: Manacapuru (AM)
– Títulos: 1 Estadual (2013)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Campeão Amazonense
– Palpite UD: Pode surpreender

Remo-PA

remo

– Clube do Remo (-)
– Sede: Belém (PA)
– Títulos: 1 Série C (2005), 42 Estaduais
– Melhor CdB: 1991 (semifinal)
– Em 2013: 3º no Paraense e 1ª fase da Copa do Brasil
– Palpite UD: Pode surpreender

Resende-RJ

resende

– Resende Futebol Clube (-)
– Sede: Resende (RJ)
– Títulos: 1 Taça Guanabara-Turno Estadual (2009)
– Melhor CdB: 2013 (2ª fase)
– Em 2013: 5º no Carioca, 8as da Série D e 2ª fase da Copa do Brasil
– Palpite UD: Fará figuração

Rio Branco-AC

rio_branco

– Rio Branco Football Club (Série C)
– Sede: Rio Branco (AC)
– Títulos: 1 Copa Norte (1997) e 43 Estaduais
– Melhor CdB: 1993, 1995 e 1997 (8as)
– Em 2013: Vice-campeão Acreano, e 1ª fase da Série D e Copa do Brasil
– Palpite UD: Pode surpreender

Rondonópolis-MT

rondonopolis

– Rondonópolis Esporte Clube (-)
– Sede: Rondonópolis (MT)
– Títulos: 1 Copa Mato Grosso (2013)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: 6º no Matogrossense e Campeão da Copa Mato Grosso
– Palpite UD: Fará figuração

Sampaio Corrêa-MA

sampaio_correa_n

– Sampaio Corrêa Futebol Clube (Série B)
– Sede: São Luís (MA)
– Títulos: Série B (1972), Série C (1997), Série D (2012), Copa Norte (1998) e 30 Estaduais
– Melhor CdB: 2000, 2004, 2010, 2011 (2ª fase)
– Em 2013: 6º no Maranhense, Vice da Série C, 1ª fase da Copa do Brasil e Campeão da Copa São Luís
– Palpite UD: Pode surpreender

Santa Cruz-PE

santa_cruz

– Santa Cruz Futebol Clube (Série B)
– Sede: Recife (PE)
– Títulos: Série C (2013), 27 Estaduais
– Melhor CdB: 1990, 1991, 1994, 1997, 2004, 2005, 2010 (8as)
– Em 2013: Campeão Pernambucano, Campeão da Série C, 2ª fase da Copa do Brasil e 4as da Copa do Nordeste
– Palpite UD: Pode surpreender

Santa Rita-AL

santa rita

– Associação Atlética Santa Rita (-)
– Sede: Boca da Mata (AL)
– Títulos: 3 Estaduais da 2ª divisão (2007, 2009, 2013)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Campeão Alagoano da Segunda Divisão
– Palpite UD: Pode surpreender

Santos-AP

santos-ap

– Santos Futebol Clube (Série D)
– Sede: Macapá (AP)
– Títulos: 2 Estaduais (2000 e 2013)
– Melhor CdB: 2000 e 2001 (1ª fase)
– Em 2013: Campeão Amapaense
– Palpite UD: Fará figuração

São Bernardo-SP

sao_bernardo

– São Bernardo Futebol Clube (-)
– Sede: São Bernardo do Campo (SP)
– Títulos: 1 Estadual da 2ª divisão-Série A-2 (2012)
– Melhor CdB: 2013 (1ª fase)
– Em 2013: 12º lugar no Paulista, 1ª fase da Copa do Brasil, Campeão da Copa Paulista
– Palpite UD: Pode surpreender

São Luiz-RS

sao_luis_ijui

– Esporte Clube São Luiz (-)
– Sede: Ijuí (RS)
– Títulos: Nenhum
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: 3º lugar no Gaúcho
– Palpite UD: Fará figuração

Sergipe-SE

sergipe

– Club Sportivo Sergipe (-)
– Sede: Aracaju (SE)
– Títulos: 33 Estaduais
– Melhor CdB: 1992 (8as)
– Em 2013: Campeão Sergipano, 8as da Série D
– Palpite UD: Fará figuração

Tombense-MG

Tombense_fc

– Tombense Futebol Clube (Série D)
– Sede: Tombos (MG)
– Títulos: 2 Estaduais da 2ª divisão (2002 e 2006)
– Melhor CdB: Nunca disputou
– Em 2013: Semifinalista do Mineiro
– Palpite UD: Pode surpreender

Treze-PB

treze

– Treze Futebol Clube (Série D)
– Sede: Campina Grande (PB)
– Títulos: 1 Série B (1986), 12 Estaduais
– Melhor CdB: 2005 (4as)
– Em 2013: Vice-campeão Paraibano, 4as da Série C
– Palpite UD: Pode surpreender

Tupi-MG

tupi

– Tupi Football Club (Série C)
– Sede: Juiz de Fora (MG)
– Títulos: 1 Série D (2011)
– Melhor CdB: 2004 (2ª fase)
– Em 2013: 5º no Mineiro, 3º na Série D e 1ª fase da Copa do Brasil
– Palpite UD: Pode surpreender

Vilhena-RO

vilhena

– Vilhena Esporte Clube (-)
– Sede: Vilhena (RO)
– Títulos: 4 Estaduais
– Melhor CdB: 2006, 2009, 2010, 2011 (1ª fase)
– Em 2013: Campeão Rondoniense
– Palpite UD: Fará figuração

Villa Nova-MG

villa_nova

– Villa Nova Atlético Clube (-)
– Sede: Nova Lima (MG)
– Títulos: 1 Série B (1971) e 5 Estaduais
– Melhor CdB: 2007 (2ª fase)
– Em 2013: 3º no Mineiro e 1ª fase da Série D
– Palpite UD: Fará figuração



Como estes times chegaram aqui?

Por Igor Nishikiori

Copa_Sadia_do_Brasil_2014-1Tem coisas que a gente sempre ouve falar da Copa do Brasil. Uma delas é que é a única competição verdadeiramente nacional, que conta com clubes de todos os estados do País. E de fato é verdade.

Todos os campeões estaduais de 2013 estarão no torneio em 2014. Estes torneios servem como uma espécie de eliminatória para a Copa do Brasil, por isso são tão importantes para os clubes menores. Em alguns casos, vencer o Estadual é a única maneira de entrar no torneio, como acontece no Amapá, em Rondônia, em Roraima e no Tocantins. Há ainda os casos do Acre e do Espírito Santo, que disputam entre si uma preliminar para saber quem terá o direito de entrar na primeira fase.

A verdade é que cada estado tem sua cota de times classificados para o torneio e as federações a preenchem segundo seus próprios critérios. Em São Paulo, por exemplo, a Portuguesa entrou por ter vencido a Série A-2 2013, a segundona do Paulistão, enquanto que o São Bernardo se garantiu após levantar o caneco da Copa Paulista, competição tampão que acontece no 2° semestre.

Nesta edição tivemos ainda alguns casos inusitados como o do Treze, que se classificou após a Copa Paraíba ser adiada por ter apenas três clubes inscritos, o que contraria as regras da CBF. Assim, a vaga ficou para o vice-campeão estadual de 2013, no caso, o time de Campina Grande. A mesma coisa aconteceu em Minas Gerais, onde a Taça MG também foi cancelada por falta de quórum e, por isso, as vagas restantes acabaram distribuídas de acordo com a classificação no Estadual.

Mas, sem dúvida, o caso mais surreal foi o do Lagarto, que ganhou a vaga após o River Plate, vice no Campeonato Sergipano de 2013, pedir afastamento por dois anos por causa de problemas financeiros, em outubro do ano passado.

Além dos 70 representantes das federações estaduais e dos seis clubes brasileiros que disputam a Copa Libertadores e entram direto nas oitavas-de-final do torneio, a CBF ainda tem direito a indicar 10 equipes. Para isso, utiliza seu ranking histórico, que neste ano presenteou Palmeiras, Bahia, Ponte Preta, Avaí, Figueirense, América-MG, Guarani, ASA-AL, Grêmio Barueri e Bragantino com uma vaga no principal torneio eliminatório do país.


Para saber o critério de classificação de cada time, recomendamos a Wikipedia, que tem um bom resumo sobre isso. :)

Os debutantes: times de todas as regiões do Brasil estreiam na Copa

Por Diego Freire
Plácido de Castro
Campeão Acreano, Plácido de Castro é um dos 13 estreantes desta edição da Copa do Brasil

A primeira vez ninguém esquece. Que o digam os torcedores de Santo André e Paulista de Jundiaí, campeões da Copa do Brasil nas primeiras edições que disputaram, respectivamente em 2004 e 2005. Faltou pouco para o Brasiliense sentir a mesma alegria, com um vice na estreia pelo torneio, em 2002. Histórias assim enchem de esperança as treze equipes que debutam na competição neste ano – embora seja difícil acreditar em uma potencial surpresa entre elas.

Os novatos vêm das cinco regiões do Brasil: quatro do Norte (Plácido de Castro-AC, Náutico-RR, Paragominas-PA e Princesa do Solimões-AM), três do Nordeste (Santa Rita-AL, Barbalha-CE e Lagarto-SE) e dois do Sul (Lajeadense-RS e São Luiz-RS), Sudeste (Duque de Caxias-RJ e Tombense-MG) e Centro-Oeste (Goianésia-GO e Rondonópolis-MT).

Deles, o mais modesto é o cearense Barbalha, recém-promovido da terceira divisão estadual e que jamais disputou a elite (na verdade, foi rebaixado nas três últimas vezes que disputou a segundona). Graças à abrangência da Copa do Brasil, o clube, que leva o nome da sua cidade, encravada no sertão, disputará seu primeiro jogo interestadual contra o Cuiabá-MT.

Outros estreantes medirão forças, logo na primeira fase, com equipes mais tradicionais, que disputaram as Séries A ou B do Brasileiro em anos recentes. São os casos de Lagarto (que enfrenta o Santa Cruz), Princesa do Solimões (Brasiliense), Náutico-RR (Ponte Preta) e Santa Rita (Guarani), Paragominas (ASA), Goianésia (Grêmio Barueri), Rondonópolis (CRB) e Lajeadense (Bragantino). Completando a lista, o São Luiz-RS joga com o Nacional-AM, grande surpresa da Copa do Brasil de 2013, enquanto Tombense e Duque de Caxias duelam, respectivamente, contra Treze e Caldense.

MEMÓRIA UD

Do amadorismo ao topo: o incrível feito do 15 de Mano Menezes

Foto: José Doval
Olha a desenvoltura de Mano Menezes no time de Campo Bom

Se o UD já existisse em 2004, seria difícil eleger o fato alternativo do ano (recentemente, aliás, relembramos as incríveis zebras daquela temporada). Na Copa do Brasil, torneio no qual os pequenos sempre brilham, não faltaram feitos do tipo, que vão desde o Santo André campeão até o Palmas levando o futebol tocantinense às quartas de final. Uma história, porém, é insuperável: equipe tradicionalmente amadora, sem sequer ter calendário para o segundo semestre, o 15 de Novembro de Campo Bom-RS foi semifinalista e fez o artilheiro do torneio, comandado por um futuro treinador da Seleção.

Quem hoje considera Mano Menezes um técnico retranqueiro se esquece do momento que alavancou sua carreira. Até então acumulando passagens apenas por pequenos do Sul, ele montou no 15 um padrão de jogo diferente do “futebol peleador” típico do interior daquela região.

Sob sua tutela, a equipe, que vinha de dois vice-campeonatos gaúchos seguidos, rompeu as fronteiras estaduais e surpreendeu o Brasil com um ataque ofensivo, liderado por Dauri, que marcou oito gols na competição e foi o artilheiro ao lado do botafoguense Alex Alves. Em 2013, aos 40 anos, Dauri ainda teve fôlego para defender um time amador da capital catarinense, o Triunfo.

De onde veio, para onde foi – Fundado em 1911, o “Quinzão”, como é conhecido localmente, permaneceu mais de 90 anos no amadorismo até tentar a sorte entre profissionais. Em pouco tempo, chegou ao sucesso com uma fórmula pragmática e “pés no chão”: montar equipes fortes para o primeiro semestre e abdicar de torneios mais valorizados – mas teoricamente deficitários – no restante do ano para investir em estrutura e elenco. Em 2004, em um momento de baixa para os mal administrados Grêmio e Inter, o caipira nanico contava com nomes conhecidos como Patrício e Perdigão e acabou sendo o melhor representante do Estado na Copa do Brasil.

Na campanha, superou Portuguesa Santista, Vasco (com direito a vitória por 3 a 0 em São Januário), Americano-RJ e Palmas-TO. Na semifinal, o “Quinzão” chegou a abrir 4 a 1 no Pacaembu, mas cedeu dois gols ao Santo André no fim. Depois, foi eliminado com uma derrota por 3 a 1 no Olímpico, em Porto Alegre, já que seu estádio, o Sady Arlindo Schmidt, tinha capacidade máxima de 3 mil pessoas.

Após seu ápice, o 15 voltou a ser vice do Estadual em 2005 e teve outros lampejos até ver sua fórmula falhar em 2007, quando foi rebaixado. Sem patrocínio e longe da elite, retornou ao amadorismo e permaneceu nessa condição por cinco anos. Em 2013, quando Mano Menezes ainda era treinador da Seleção e protagonizava manchetes esportivas, o clube que o lançou ao sucesso voltou ao futebol profissional, discreto, na segundona gaúcha. (DF)


Os ascendentes: Verdão, Bolívia e Santinha querem coroar o ressurgimento

Por Marcio Hasegava

Equipes com tradição no futebol regional e nacional, Chapecoense, Sampaio Corrêa e Santa Cruz patinaram bastante na últimas décadas, mas ressurgiram com força nos últimos anos. Baseados na força de sua torcida, chegam em 2014 como equipes a serem respeitadas. Mas fica a dúvida: será que esse retrospecto todo ajudará na campanha da Copa do Brasil, título inédito para os três?

A Chapecoense, que tem dois títulos estaduais e três acessos nacionais nos últimos seis anos, foi fundada em 1973 e desde então vem mostrando força no futebol catarinense. Com 41 anos de história, o Verdão do Oeste só não conquistou títulos na década de 80. Nos anos 1970, 90 e 2000, foram três títulos estaduais, quatro vices e um acesso na Série C. A virada para 2010, porém, foi horrível: naquele ano, a equipe foi rebaixada no Catarinense e só não disputou a segunda divisão estadual porque o Atlético de Ibirama anunciou sua desistência da elite para o ano seguinte. A permanência, porém, foi proveitosa para a Chapecoense, que, no ano seguinte, conquistou o tetra estadual e dois anos depois foi terceira colocada na Série C, conseguindo o acesso. Em 2013, o time só não foi páreo para outro time alviverde, o Palmeiras, e acabou como vice-campeã da Série B (a mesma campanha que obteve no Estadual, superado pelo Criciúma), conseguindo nova ascensão, desta vez para a elite.

Sampaio Correa
Bolívia Querida comemorou algumas conquistas nos últimos anos e está de volta a Série B

O Sampaio Corrêa, detentor de três títulos estaduais e dois acessos nacionais nos últimos quatro anos, é um dos grandes times do Norte/Nordeste desde quando foi criado, em 1923. Maior campeão de seu estado, com 41 títulos, o time de faturou títulos estaduais em todas as décadas desde os anos 1930. A sua relevância também se expandiu Brasil afora: foi campeão da Série B em 1972 e da Série C em 1997. Essa história toda, porém, não foi suficiente para evitar um péssimo início de milênio: rebaixado para a Série C em 2002, o time não conquistou nenhum Campeonato Maranhense de 2004 a 2009 e ainda caiu para a Série D neste período. A partir de 2010, porém, os torcedores da Bolívia Querida voltaram a sorrir: o time quebrou o jejum de seis anos e voltou a ser campeão estadual (que logo se tornaria um tricampeonato) e conquistou o título da Série D em 2012, tornando-se a primeira equipe brasileira com títulos em três divisões nacionais. A boa fase continuou em 2013, quando a equipe foi vice na Série C e voltará a disputar a Segundona nesta temporada.

Por fim, o Santa Cruz, que acumula dois acessos nacionais e um tricampeonato estadual em três anos, foi o primeiro time nordestino a alcançar as semifinais do Campeonato Brasileiro desde que passou a ter este nome e ostenta 27 títulos estaduais. Esse currículo, porém, não impediu que a Cobra Coral vivesse a pior fase de sua história a partir de 2006. Naquele ano, a equipe foi rebaixada com a pior campanha da Série A. Aquele foi o prenúncio de anos difíceis: no ano seguinte, o time caiu para a Série C, campanha tão medíocre que levou a equipe a “estrear” a recém-criada Série D. A partir de 2011, porém, levado por sua fanática torcida, o time começou uma reação tão fulminante que só deve parar quanto o time estiver novamente na rota das glórias: o Santinha voltou a conquistar o Estadual, quebrando o jejum de cinco anos sem a taça, e foi vice-campeão da Série D. Apesar de não ter ido bem na Série C em 2012, a experiência ajudou a equipe na conquista do bicampeonato estadual naquele ano e da Série C no ano seguinte. O ano de 2013, aliás, foi praticamente perfeito para o Santa Cruz, que também chegou ao tricampeonato estadual.

A zebra: embalado por Arena, Nacional-AM quer voltar a surpreender


ZEBRAS ANO A ANO

Por Allan Brito
EDIÇÃO – ZEBRA / ATÉ ONDE FOI? / O QUE APRONTOU?
1989 – Vitória / 4as / Eliminou o Vasco
1990 – Goiás / Final / Eliminou Cruzeiro e Atlético-MG
1991 – Criciúma / Campeão / Venceu o Grêmio na final
1992 – CSA / 4as / Eliminou o Vasco
1993 – Londrina / 4as / Eliminou o Inter-RS
1994 – Linhares / Semi / Eliminou o Flu
1995 – Paraná / 4as / Eliminou o Inter-RS
1996 – Paraná / 4as / Eliminou o Botafogo
1997 – Ceará / 4as / Eliminou Flu e Santa Cruz
1998 – Paraná / 4as / Eliminou Flu e Atlético-MG
1999 – Juventude / Campeão / Venceu o Botafogo na final
2000 – Portuguesa / 8as / Eliminou o Grêmio
2001 – Fortaleza / 4as / Eliminou Inter-RS e Bahia
2002 – Brasiliense / Final / Bateu Atlético-MG, Flu e Náutico
2003 – Remo / 8as / Eliminou o Inter-RS
2004 – Santo André / Campeão / Bateu o Flamengo na final
2005 – Paulista / Campeão/ Venceu o Flu na final
2006 – Ipatinga / Semis / Bateu Santos, Botafogo e Náutico
2007 – Figueirense / Final/ Eliminou Botafogo e Náutico
2008 – Sport / Campeão / Venceu o Corinthians na final
2009 – Americano / 8as / Eliminou o Botafogo
2010 – Atlético-GO / Semi / Bateu Palmeiras, Bahia e S. Cruz
2011 – Avaí / Semis / Eliminou Botafogo e São Paulo
2012 – Vitória / 4as / Eliminou o Botafogo
2013 – Luverdense / 8as / Eliminou o Bahia

Por Diego Freire

O temor da moderna Arena Amazônia se tornar um “elefante branco” é tamanho que a prefeitura de Manaus chegou a considerar utilizar o estádio como um centro para triagem de presidiários depois da Copa do Mundo. O destino de uma instalação esportiva tão moderna em uma cidade onde jogos são deficitários é incerto, mas ao menos na última edição da Copa do Brasil o torcedor manauara pôde ser orgulhar do futebol local, que viu o Nacional-AM desbancar duas equipes da Série A e chegar até as oitavas de final.

Coritiba (derrotado por 4 a 1 em Manaus) e Ponte Preta (derrotada duas vezes por 1 a 0, inclusive em Campinas), além de Águia de Marabá, ficaram no caminho do Leão, que só parou diante do Vasco. A campanha histórica abrilhantou o ano do centenário de um time, que, nos anos 70, graças a uma parceria com o Atlético-MG, teve no elenco Toninho Cerezo e Paulo Isidoro quando ainda eram jovens promessas.

Atualmente, a situação é outra. A base que surpreendeu no ano anterior não foi mantida e o começo de temporada foi irregular, com eliminação diante do Fast na semifinal do primeiro turno estadual, e classificação apertada contra o Plácido de Castro-AC no primeiro confronto da Copa Verde. Se o elenco não empolga, pelo menos a torcida do Naça terá a honra de participar do primeiro jogo oficial da Arena Amazônia, marcado para o confronto de volta entre Nacional e Remo nas quartas da Copa Verde. Na ida, em Belém, os dois clubes empataram por 1 a 1.

Os ausentes: Luverdense e Salgueiro ficaram de fora. Farão falta?

Por Marcio Hasegava

Grandes surpresas da última edição da Copa do Brasil, Luverdense e Salgueiro não conseguiram a classificação para a competição em neste ano e verão o torneio apenas pela televisão em 2014. Dois dos três intrusos nas oitavas de final da última temporada – ao lado do Nacional-AM, que vai jogar neste ano –, o clube do Mato Grosso e a equipe de Pernambuco farão falta?

No caso do Luverdense, a resposta é: talvez, mas pouco provável. Com a melhor campanha da primeira fase do Campeonato Matogrossense – 21 pontos em oito jogos (um impressionante desempenho de sete vitórias e apenas uma derrota em oito partidas) –, o time de Lucas do Rio Verde certamente poderia sonhar em avançar pelo menos pela primeira fase, mas provavelmente não passaria da seguinte.

Pelo estado, estão classificados Cuiabá, Mixto e Rondonópolis. Caso estivesse no lugar do primeiro, o Luverdense (que está na semifinal do Estadual) enfrentaria o Barbalha – que estreia no torneio –, um adversário contra o qual a equipe teria totais condições de se impor, mas logo enfrentaria o vencedor entre Remo e Internacional. No lugar do Mixto, o Luverdense – que chegou a vencer o Corinthians no ano passado – enfrentaria o Santos logo na estreia, ou seja, é o único confronto em que o time já sairia com uma desvantagem considerável. Já se estivesse no lugar do Rondonópolis, enfrentaria o CRB e provavelmente o São Paulo, quando o sonho de repetir a vaga nas oitavas se tornaria bem mais complicado.

Já para o Salgueiro, a resposta seria a mesma: talvez. Apesar de ter sido o líder do primeiro turno do Campeonato Pernambucano – fase que não tem os times que disputaram a Copa do Nordeste –, o time perdeu bastante o rendimento com a entrada de Sport, Náutico e Santa Cruz. Dos 36 pontos conquistados em 16 jogos, o time tem apenas oito pontos em seis jogos no hexagonal final.

Caso estivesse no lugar do Sport, o time poderia sonhar até mesmo com a reedição das oitavas, pois teria na estreia o fraco Brasília, com o Paysandu ou Maranhão na segunda fase. As chances seriam mais difíceis no lugar de Santa Cruz, pois teria o Lagarto-SE na estreia e depois Botafogo-PB ou Goiás, na segunda fase. No lugar do Náutico, a luta seria bem mais equilibrada: o time enfrentaria o Sergipe na estreia e ainda enfrentaria o vencedor de América-RN x Boavista.

Os improvisados: 25 clubes trocaram de treinador na véspera da estreia

Por Marcio Hasegava
Quintino Barbosa
Quintino Barbosa é um dos técnicos que caiu de para-quedas na Copa do Brasil

Sabe-se lá se por falta de planejamento, disputas internas ou puro desespero, o fato é que não são poucos os clubes que trocaram seus treinadores a poucas semanas da Copa do Brasil. Desde o começo de fevereiro, nada menos que 25 técnicos assumiram alguma equipe nova. Um nome que quase entrou nesta lista foi o de Márcio Fernandes, do Guarani-SP, que foi contratado no final do ano passado e por pouco não voltou para seu antigo time, o chinês Shanghai Shenxin.

Por outro lado, uma das equipes do torneio conta com o treinador que está há mais tempo num mesmo clube no País. Roberto Carlos comanda desde fevereiro de 2011 o Horizonte-CE. Logo atrás dele está Claudio Tencati, que completa três anos à frente do Londrina em abril. Para completar, a Copa do Brasil 2014 também terá o curioso caso de um técnico que trabalha em dois clubes ao mesmo tempo. Quintino Barbosa treinou o Juazeirense na primeira fase do Campeonato Baiano e em seguida assumiu o Bahia de Feira de Santana. Mas na última sexta-feira (7), o Juazeirense anunciou o retorno de Barbosa em meio a um acordo entre as diretorias. De segunda a quarta, ele estará com o Bahia e de quinta, sexta e sábado, ele comanda seu novo e ex-clube, que distam cerca de 400 km.

Confira abaixo a lista de técnicos que assumiram o cargo em fevereiro*:

  • América-MG: Moacir Júnior, desde 13/02/2014
  • ASA-AL: Beto Almeida, desde 06/02/2014
  • Bahia de Feira- BA: Quintino Barbosa, desde 21/02/2014
  • Brasília-DF: Luiz Carlos Carioca, desde 10/02/2014
  • Brasiliense-DF: João Carlos Cavalo, desde 24/02/2014
  • CRB-AL: Eduardo Souza, desde 05/03/2014
  • Cuiabá-MT: Luciano Dias, desde 05/02/2014
  • Duque de Caxias-RJ: Sérgio Farias, desde 12/02/2014
  • Flamengo-PI: Daniel Frasson, desde 11/02/2014
  • Grêmio Barueri-SP: Kleiton Lima, desde 28/02/2014
  • Interporto-TO: Roberto Oliveira, desde 08/03/2014
  • Juazeiro-BA: Aldo França, desde 09/02/2014
  • Lagarto: Léo Goiano, desde 04/03/2014
  • Maranhão: Arnaldo Lira, desde 02/03/2014
  • Mixto-MT: Ary Marques, desde 25/02/2014
  • Náutico-RR: Decio de Abreu (Esquerdinha), desde 09/03/2014
  • Parnahyba: Fernando Tonet, de 27/02/2014
  • Potiguar: Ubirajara Veiga, desde 07/03/2014
  • Resende-RJ: Aílton Ferraz, desde 21/02/2014
  • Rio Branco-AC: Edmilson Correia (Tangará), desde 16/02/2014
  • Santa Rita-AL: Luciano Silva, desde 20/02/2014
  • São Luiz-RS: Alessandro Telles, desde 03/03/2014
  • Tombense-MG: Rogério Lourenço, desde 11/02/2014
  • Tupi-MG: Paulo Campos, desde 24/02/2014
  • Villa Nova-MG: Walter Murilo, desde 18/02/2014

*Lista checada no dia 9 de março de 2014.

10 mascotes improváveis que desfilarão na Copa do Brasil

Por Allan Brito

Info: Para ampliar (um pouco mais) as imagens dos mascotes, basta clicar sobre elas. :D

Você sabe de quem são os 11 apelidos mais curiosos desta edição?

Por Allan Brito

O Última Divisão quer ser íntimo dos clubes da Copa do Brasil, por isso foi descobrir os apelidos deles. A maioria é conhecido por suas cores ou mascotes, mas alguns fogem do óbvio. Listamos os mais curiosos desta edição e desafiamos você a descobrir antes de clicar em cima dos nomes de cada um dos apelidos. Será que alguém gabarita?

Tremendão

BAHIA DE FEIRA DE SANTANA-BA
Será que Erasmo Carlos sabe disso?


Belo

BOTAFOGO-PB
Diz a lenda que o apelido nasceu da vibração de um gol do então conselheiro do time Antônio de Abreu e Lima. O fanático gritou tantas vezes o adjetivo que acabou pegando.


Massa Bruta ou Linguiça Mecânica

BRAGANTINO-SP
O primeiro apelido é mais antigo e retrata a fama dos jogadores do time, sempre muito fortes. O outro, mais recente, destaca o produto mais comum em Bragança Paulista, interior de São Paulo.


O Clube que Sabe Fazer Amigos

DESPORTIVA-ES
É com certeza o apelido mais fofo da Copa do Brasil!


Tricolor da Manchester Catarinense

JOINVILLE-SC
A curiosidade ficou por conta de cidade, que é comparada com Manchester por ter vivido um surto de grande crescimento entre as décadas de 50 e 80, assim como a cidade inglesa.


Periquito Atômico

LAGARTO-SE
O apelido curioso gera um “clássico” divertido no Sergipe, quando o Lagarto enfrenta o Estanciano. É o Periquito Atômico contra o Canarinho do Piauitinga!


Demolidor de Cartazes

MARANHÃO-MA
O time ficou conhecido assim por quebrar hegemonias de clubes adversários.


Noia

NOVO HAMBURGO-RS
O apelido gera piadas com o significado da gíria “noia”, ou seja, uma pessoa que abusa das drogas.


Time Macho

POTIGUAR-RN
Será que clube de Mossoró aceitaria ter um gay no elenco?


Bolívia Querida

SAMPAIO CORRÊA-MA
As cores do uniforme do time foram escolhidas por acaso, quando pilotos do avião Sampaio Corrêa usaram vermelho, verde e amarelo. Elas coincidiram com a bandeira da Bolívia, por isso surgiu o apelido.


O Mais Querido

REMO-PA, ABC-RN, FLAMENGO-PI, SERGIPE-SE E SANTA CRUZ-PE
Cinco times e nenhuma modéstia: Remo, ABC, Flamengo-PI, Sergipe e Santa Cruz se autoproclamam “O Mais Querido”. Quem será o mais-mais?


Jogadores ‘AQUELE’ fazem a festa no interior do Brasil

Por Allan Brito

A Copa do Brasil está cheia de times de pouca tradição e não tem graça ver tantos jogadores desconhecidos em campo. Certo? Errado, muito errado. Quem vê a competição sabe que é possível encontrar vários jogadores com fama nacional em times improváveis. Em alguns lugares são montados até verdadeiros “esquadrões alternativos”.

Neste ano, não é diferente: na Copa do Brasil você poderá descobrir, por exemplo, onde estão algumas eternas promessas, como Celsinho (ex-Portuguesa), Tchô (ex-Atlético-MG) e Tartá (ex-Fluminense) e Tiago Luís, AQUELE, ex-“Messi brasileiro” do Santos.

Paulo Almeida
Paulo Almeida agora veste outro preto e branco

Além disso, também é possível encontrar vários veteranos que insistem em não largar o osso. Mesmo perto da aposentadoria, os jogadores ainda têm paixão pelo futebol e aceitam jogar em times menores, o que gera momentos especiais. Só na primeira fase teremos, por exemplo, o reencontro de Paulo Almeida com o Santos, clube que o revelou. O centroavante Leandrão é outro que também vai encarar seu ex-time, o Inter.

Já nas segundas eliminatórias ainda podemos ver o lateral Baiano duelar contra o Santos, o atacante Obina contra o Bahia, enfim, bons reencontros. Além disso, existem outros jogadores que já alcançaram a fama sem nem saírem dos seus times. É o caso, por exemplo, de Yago Pikachu e Flávio Caça-Rato, ídolos de Paysandu e Santa Cruz, que merecem muita reverência.

O radar do Última Divisão detectou alguns conhecidos que estarão em campo pela Copa do Brasil nesta temporada. Tente não usar a expressão AQUELE.

Eduardo Ramos e Leandrão
Pelo Remo, jogarão os conhecidos Eduardo Ramos e Leandrão

HORIZONTE-CE
Siloé (A, ex-Inter e Santa Cruz)
Jajá (A, ex-Cruzeiro, Vitória e Caxias)

REMO-PA
Leandrão (A, ex-Inter, Botafogo, Vitória e Ponte Preta)
Eduardo Ramos (M, ex-Corinthians, Goiás, Grêmio e Náutico)

MIXTO-MT
Paulo Almeida (V, ex-Santos e Corinthians)

CSA-AL
Sérvulo (G, ex-América-RN e Atlético-MG)
Diego Clementino (A, ex-Grêmio, Cruzeiro e Botafogo)

Lenilson
Lenílson vai ser o cérebro do Botafogo-PB na CdB

BOTAFOGO-PB
Warley (A, ex-Palmeiras, Grêmio, São Paulo)
Lenílson (MA, ex-São Paulo e Atlético-MG)
Carlos Frontini (A, ex-Santos)

J.MALUCELLI-PR
Bruno Batata (A, ex-Coritiba, Oeste e Brondby-ING)

PARANÁ-PR
Lúcio Flávio (M, ex-Botafogo)
Brinner (Z, ex-Botafogo)

Obina-America-MG
Obina seguirá sendo melhor que o Eto’o no América-MG

AMÉRICA-MG
Obina (A, ex-Flamengo, Palmeiras e Atlético-MG)
Magrão (V, ex-Palmeiras, Corinthians e Inter)
Tchô (M, ex-Atlético-MG),
Leandro Guerreiro (V, ex-Cruzeiro)

ABC-RN
Somália (V, ex-Botafogo)

GUARANI-SP
Fumagalli (M, ex- Sport, Vasco, Corinthians e Santos)

RESENDE-RJ
Marcel (M, ex-Palmeiras, Grêmio e Corinthians)

Celsinho
Celsinho, o R10 genérico, é o destaque do Londrina

LONDRINA-PR
Celsinho (A, ex-Portuguesa)

VILLA NOVA-MG
Mancini (M, ex-Atlético-MG, Roma, Inter de Milão-MG e Bahia)

PAYSANDU-PA
Yago Pikachu (LD)

BRAGANTINO-SP
André Astorga (Z, ex-Santos)

Flamengo PI
Tuta, AQUELE, foi tentar a sorte no Flamengo do Piauí

FLAMENGO-PI
Tuta (A, ex-Palmeiras, Flamengo e Grêmio)

MARANHÃO-MA
Neto Alagoano (A, ex-Corinthians e Noroeste)

PARAGOMINAS-PA
Aleílson (A, ex-Flamengo, Bahia e Gavião Kyikatejê)

GOIANÉSIA-GO
Paulo Musse (G, ex-Vitória)
Nonato (A, ex-Bahia)
Romerito (M, ex-Sport, Goiás e Santo André)

LAJEADENSE-RS
Eduardo Martini (G, ex-Grêmio e Avaí)
Márcio Marabá (M, ex-Flamengo)

Fernando Henrique
Fernando Henrique, o goleiro, agora é do Diabo

AMÉRICA-RN
Fernando Henrique (G, ex-Fluminense e Ceará)
Andrey (G, ex-Grêmio, Cruzeiro, Portuguesa e Criciúma)
Raí (LD, ex-Portuguesa)
Tiago Dutra (V, ex-Grêmio e Villareal-ESP)

CHAPECOENSE-SC
Willian Arão (M, ex-Corinthians)
Zé Vitor (V, ex-São Paulo)
Tiago Luís (A, ex-Santos)
Rodrigo Gral (A, ex-Grêmio e Sport)

Wellington Saci
Wellington Saci vai pular no Joinville

JOINVILLE-SC
Wellington Saci (LE, ex-Corinthians e Goiás)
Tartá (M, ex-Fluminense)
Marcelo Costa (M, ex-Grêmio, Palmeiras e Goiás)
Jael (A, ex-Portuguesa e Flamengo)

SANTA CRUZ-PE
Oziel (LD, ex-Goiás)
Luciano Sorriso (V, ex-Figueirense)
Flávio Caça-Rato (A)

SÃO BERNARDO-SP
Luciano Castán (Z, ex-Santos e Paraná)
Erick Flores (meia, ex-Flamengo)

BOAVISTA-RJ
Getúlio Vargas (G, ex-Flamengo)

zeroberto
Zé Roberto agora joga no time de Luiz Estevão

BRASILIENSE-DF
Fábio Braz (Z, ex-Vasco)
Baiano (LD, ex-Palmeiras, Santos e Boca Juniors)
Zé Roberto (MA, ex-Botafogo, Vasco, Inter e Schalke 04)
Romarinho (A, ex-Vasco)

CRB-AL
Paulo Sérgio (LD, ex-Grêmio e Palmeiras)
Denílson (A, ex-Pohang Steelers-COR)

DUQUE DE CAXIAS-RJ
Andrade (G, ex-Flamengo, Fluminense, Vasco e Olympique de Marselha)
Lenon (V, ex-Flamengo)
Alex Terra (A, ex-Fluminense e Ponte Preta)
Rodrigo Dinamite (A, ex-Vasco)

SAMPAIO CORRÊA-MA
Arlindo Maracanã (LD, ex-Fluminense, Vasco e Avaí),

INTERPORTO-TO
Fábio Bala (ex-Fluminense, Grêmio, Avaí e Sampaio Correa)

LAGARTO-SE
Nadson (A, ex-Vitória e Corinthians)

Anderson Pico
Anderson Pico vestirá a camisa do Novo Hamburgo no torneio

NOVO HAMBURGO-RS
Anderson Pico (LE, ex-Grêmio)

SÃO LUIZ-RS
Ademir Sopa (V, ex-São Caetano, Portuguesa e Guarani)

CUIABÁ-MT
Éder (LD, ex-São Paulo e Noroeste)

RIO BRANCO-AC
Adriano Louzada (A, ex-Cruzeiro, Palmeiras, Vitória-BA e Porto-POR)

Mais Caça-Rato, menos Possignolo: a lista definitiva dos nomes estranhos

Por Igor Nishikiori

Zagueirão com nome composto? Atacante que usa o próprio sobrenome ao invés de um apelido? Ora, meu amigo, aqui é Copa do Brasil! E como é de praxe em grandes eventos futebolísticos nacionais, pode ter certeza que não faltam nomes bizarros nesta edição. Olhamos o elenco de todos os times do certame e não foi difícil encontrar os mais curiosos tipos de nomes. Na categoria apelidos, o time com melhores epítetos são do Plácido de Castro-AC, que tem os defensores Gato e Pé de Ferro (aliás, sugestivo nome para um zagueiro) e o volante Dime. Outro time que merece nota é o Parnahyba, que tem Puxa na zaga, Barata na lateral direita, Pitágoras na lateral esquerda e Puxinha no ataque (Puxa e Puxinha, repararam?). Merecem ainda menção honrosa Buda, do Vilhena-RO; Birungueta, do Treze-PB; Formiga, do Brasiliense-DF; Pretão, do Santos-AP; Pink, do Juazeiro; e Panda e Memo, do Santa Cruz.

Já entre os nomes impronunciáveis, o time campeão é o Princesa do Solimões. Se liga no elenco: Raiscifran, Clemilton, Grow, Baé, Rondineli, Deurick, Rithison, Delciney, Edinho Canutãma e Marinelson. Mas é importante citar outras alcunhas memoráveis (especialmente para os locutores das partidas), como Lynneker e Rayro, do ABC-RN; Ilaílson, do Remo; Roallase e Tayron, do Vilhena-RO; Naylhor, do Paraná; Dedoné e Getterson, do J. Malucelli-PR; Thalysson, do ASA-AL; Victor Muribeca, do Sergipe; Lineker, do Paysandu; Weskley, do Barbalha-CE; Gottfried, do Sampaio Corrêa-MA, e João Cleriston, do Rondonópolis-MT.

nomes-yusuke
Yusuke Sudo, o japonês do Tombense-MG

E o que você mais se vê por aí é a velha mistura de nome e apelido. O atacante e ídolo Flávio Caça-Rato, do Santa Cruz, é certamente o mais famoso desta lista. Temos ainda Yago Pikachu, do Paysandu; Edson Veneno, o zagueirão do ASA-AL; Ademir Sopa, do São Luiz-RS, que ainda tem Mauro Ovelha como técnico; Rodrigo Dinamite, do Duque de Caxias-RJ, que é filho do próprio Roberto Dinamite; Clebson Monga, artilheiro do Resende; André Cabeça e Wilian Fazendinha, do Santos-AP; Tiago Azulão, do Tombense-MG; Bruno Chocolate, do Sampaio Corrêa-MA; e o trio André Beleza, Edson Pelezinho e Wilton Pantera, do Goianésia.

Para finalizar, há alguns nomes que não são tão estranhos, mas sim curiosos. No Bragantino, o goleiro se chama Rafael Defendi (sim, este é o sobrenome dele). E há dois estrangeiros que vão travar a língua de muito narradores: o japonês Yusuke Sudo, do Tombense-MG; e o sul-coreano Wonbum Lee, que defende o Tupi-MG.


Quase um time de Romários

Baixinho, deputado, polêmico e cheio de marra. Romário nunca ganhou um título na Copa do Brasil, mas em 2014 terá a chance de ter seu nome marcado no torneio. Dez chances para ser exato. O gênio da grande área é o campeão de homônimos desta edição do torneio.

O xará mais conhecido dele certamente é Romarinho, atacante do Corinthians, que virou ídolo por fazer gols decisivos e ser o carrasco do arquirrival Palmeiras. Outro que tem o ofício de fazer gols é o Romário de São Bernardo, que inclusive faz dupla com Careca, reeditando um ataque dos sonhos dos anos 80/90.

Já no Boavista há nada menos que dois Romários, o lateral esquerdo e o atacante, este último emprestado pelo Vasco, time que consagrou o Baixinho. Enquanto isso, o Náutico conta com um zagueiro, e o Paysandu com um volante de mesmo nome. Para completar a lista, temos ainda dois Romários atacantes: um do Lagarto e outro do Treze-PB; e um defensor: Romário Scherer, do Lajeadense.

E para finalizar, a Copa do Brasil 2014 ainda terá o próprio filho do peixe, Romarinho, de 20 anos, que defende as cores do Brasiliense e que estreará na competição. (IN)


Uma seleção de selecionáveis (ou quase isso)

Um time com reservas e torcida. O número de homônimos famosos nesta Copa do Brasil é tão grande que conseguimos escalar um time de respeito – ao menos no nome, claro. Confira abaixo a escalação completa e veja no infográfico como o time ficaria “em campo”:

G: Dida (Náutico-RR)
D: Edson Pelézinho (Goianésia), Puyol (Novo Hamburgo), Flávio Kaká (Potiguar), Diego Maradona (Horizonte-CE)
M: Van Basty (Brasília), Lineker (Paysandu), Ewerton Maradona (Caldense)
A: Bebeto (Barueri), Careca (São Bernardo) e Romarinho (Brasiliense)

Técnico: Roberto Carlos (Horizonte-CE)

Reservas: Dida (Lagarto), Romário (Paysandu), Denner (Bragantino), Hulk (Juazeiro), Jone Chulapa (Potiguar), Romário (Lagarto), Kaká (Villa Nova), Romário (Treze), Romário (São Bernardo) e Tiago Chulapa (Cuiabá)

Na torcida: Alex Barros (Bragantino), Léo Jaime (Bragantino), Gottfried (Sampaio Corrêa-MA), Junior Xuxa (ABC), He-man (Princesa dos Solimões-AM) e Benhur (São Luiz-RS) (IN)

MEMÓRIA UD

As 10 estatísticas mais improváveis da história da Copa do Brasil

Por Allan Brito e Lucas Mello

1. Cem mil surpreendidos

Mais de 100 mil pessoas viram de perto uma das maiores zebras da Copa do Brasil. A final entre Botafogo e Juventude, na qual o time de Caxias do Sul foi campeão, teve recorde de público que dura até hoje e dificilmente será batido: 101.581 torcedores.

2. Presenças invisíveis

O Espírito Santo já teve mais representantes que Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Ao todo 18 diferentes times capixabas já representaram o estado, contra 17 gaúchos e 14 mineiros e cariocas.

3. Só no nome?

Não é trocadilho: o Vitória é o time que tem mais derrotas na Copa do Brasil. São 43 em 131 jogos.

4. Nem no nome.

Roraima tem apenas duas vitórias na Copa do Brasil. É o estado com menos vitórias na competição, conquistadas pelo Atlético Roraima, em 2003, e pelo Baré, em 2007. Tocantins, Rondônia e Espírito Santo também vão mal e tem apenas sete vitórias

5. Tanto bate até que fura

O Remo está entre os cinco times com mais jogos na Copa do Brasil. Atlético-MG e Vitória lideram a lista, com 23, enquanto Bahia, Remo e Vasco estão empatados logo atrás, com 21.

6. O jogo foi 9+2 a 0

O Caiçara, de Campo Maior-PI, sofreu a maior goleada da história da Copa do Brasil – perdeu por 11 a 0 para o Atlético-MG, em Belo Horizonte. O placar do Estádio Independência até parou de exibir o resultado após 9 a 0, pois só tinha um dígito por clube.

7. Carvoeiro copero, peleador e invicto

O Criciúma está em um seleto grupo de campeões invictos. Apenas Grêmio, Cruzeiro, Flamengo, Corinthians e Palmeiras também conseguiram esse feito.

8. Time das massas

O Ceará fez 5 jogos com público acima de 50 mil na Copa do Brasil. Apenas Cruzeiro e Grêmio superam esse recorde, com 6 jogos.

9. Demorou?

A Copa do Brasil é tão abrangente que só em 2006 aconteceu, pela primeira vez, uma final entre dois clubes do mesmo estado. Flamengo e Vasco fizeram um grande clássico, com título rubro-negro.

10. Copa do Brasil é um atalho mesmo

Flamengo e Cruzeiro são os times que bateram mais adversários antes de conquistar um título. Foram só sete, em 2013 e 2000. Todos outros campeões precisaram de menos do que isso para levantar a taça.


Um pouco sobre aqueles que todo mundo já conhece

Por Julio Simões
Pato no SPFC
“Tô bastante tranquilo e contente em jogar a Copa do Brasil”, diria Pato

“Ué, vocês não vão falar sobre os grandes times? Cadê meu Corinthians nesse guia?” Calma, nobre torcedor, o intuito do Guia Improvável da Copa do Brasil 2014 é valorizar os times que pouco participam de competições nacionais – e que são legais pra caramba. Porém, não esquecemos dos mais tradicionais, aqueles que quase sempre chegam até as fases finais e dão o peso e a importância necessária ao torneio. E nesse ano, o grande destaque é a presença de todos os principais times paulistas já nas primeiras fases da Copa do Brasil, algo que não acontecia desde 2002.

Mais do que isso: este ano, Corinthians, São Paulo, Santos e Palmeiras tratarão a Copa do Brasil como prioridade, ainda que estejam passando por complexas reestruturações. O Corinthians, por exemplo, ainda tenta voltar aos trilhos após a saída de Tite e de alguns dos pilares da conquista da Libertadores e do Mundial em 2012, como Paulinho, Alessandro, Edenílson e Paulo André. Para isso, trouxe de volta Mano Menezes e apostou em poucos e pontuais reforços, como foi o caso de Jadson, trocado por Alexandre Pato junto ao São Paulo. Por azar, o alvinegro caiu em um dos grupos mais complicados do Paulistão e corre o risco de não passar da primeira fase.

Já o time do Morumbi, que também almeja voltar aos bons tempos de títulos nacionais e grandes campanhas internacionais, investiu em vários reforços com grande experiência: além de Pato, chegaram Álvaro Pereira (titular do Uruguai, ex-Inter-ITA), Pabón (colombiano, ex-Valencia-ESP) e Souza (ex-Grêmio). No Paulistão, o time encaixou rápido e vai disputar a segunda fase. O Santos, por sua vez, está se reformulando, mas tem olhado mais para dentro do que para fora. Tanto que contratou só Leandro Damião, Rildo e Lucas Lima (!?), indo buscar novos nomes como Stefano Yuri, Alan Santos, Geuvânio e Gabigol na base campeã da Copa SP de Juniores desta temporada. A julgar pela ótima campanha no Campeonato Paulista, esse jovem time santista pode chegar longe.

O Palmeiras, outro grande paulista na Copa do Brasil, vive um momento especial, já que comemora seu centenário e faz uma grande campanha no Estadual. O time de Gilson Kleina, mantido mesmo contra a vontade de parte de torcida e diretoria, parece empenhado em conquistar títulos e entrar para a história do clube. Com reforços pontuais em todas os setores do campo e a estabilidade de Valdívia, que parece empenhado em ser convocado para a Copa do Mundo, o Palmeiras entra na Copa do Brasil embalado e com vontade de repetir 2012, quando foi campeão. Será que tem fôlego para isso?

Gaúchos e cariocas contra o baixo astral – O ano de 2013 não foi legal para Internacional e Vasco. O primeiro, embora tenha figurado no pelotão de cima, acabou na zona morta (13o. lugar). Já o segundo, bem, acabou rebaixado para a segunda divisão. Por isso, a Copa do Brasil é a grande chance (no caso vascaíno, a única) de chegar a uma competição continental em 2015. A julgar pelos Estaduais, onde os dois vão bem, é provável que façam uma campanha respeitável no torneio nacional.

Falta algo para baianos e goianos – Amparados pela boa campanha feita no ano passado, Vitória-BA e Goiás entram na Copa do Brasil buscando o que deixaram escapar lá atrás: uma vaga em um torneio continental. Os baianos brigaram até o fim, mas terminaram o Brasileiro em quinto e agora entram na Copa do Brasil praticamente classificados para a Copa Sul-Americana (entenda melhor aqui). Os goianos, que terminaram com os mesmos pontos e uma posição abaixo, também buscam a vaga continental, mas para isso terão que superar as saídas de Walter (foi para o Flu), Enderson Moreira (dirige o Grêmio) e Hugo, que inclusive trocou o Goiás pelo Vitória-BA. Mas fica a dúvida: fazer boa campanha no Brasileiro aumenta as chances de título na Copa do Brasil? Eis uma pergunta que Goiás e Vitória-BA responderão em campo.

Quem pode repetir o feito de Felipe? – Qual a semelhança entre Coritiba, Bahia, Sport, Figueirense, Criciúma, Ponte Preta, Portuguesa, Atlético-GO, Náutico, Ceará e Avaí? Todos querem ser o Criciúma de 1991, que, dirigido por um tal Luiz Felipe Scolari, surpreendeu a todos e venceu a Copa do Brasil pela primeira vez.

Naquela ocasião, apesar de ter se classificado como campeão estadual, estava longe de ser apontado como favorito ao título – tal qual todos os clubes supracitados. O próprio Criciúma deste ano, aliás, chega a Copa do Brasil credenciado pelo título estadual de 2013. Será que consegue repetir 1991?

TÁ RUIM, MAS TÁ BOM

Como foi o 2013 dos postulantes a Criciúma 1991

Criciúma — campeão estadual, mas quase caiu na Série A
Coritiba — campeão estadual, mas quase caiu na Série A
Ceará — campeão estadual, mas quase subiu na Série B
Sport — vice estadual e terceiro lugar na Série B
Bahia — vice estadual, mas quase caiu na Série A
Atlético-GO — vice estadual, mas quase caiu na Série B
Náutico-PE — terceiro lugar estadual e rebaixado na Série A
Avaí-SC — terceiro lugar estadual, mas regular na Série B
Figueirense — quarto lugar estadual e na Série B
Ponte Preta — sem título estadual e rebaixado na Série A
Portuguesa — sem título estadual e sacaneada na Série A


E os times da Libertadores?

Flamengo
Título em 2013 = 8as em 2014

Assim como no ano passado, os times que disputam a Copa Libertadores entram na Copa do Brasil a partir das oitavas. Neste ano, os privilegiados são Cruzeiro, Grêmio, Atlético-PR, Botafogo-RJ (que terminaram o Brasileiro 2013 no G4), Flamengo (campeão da última Copa do Brasil) e Atlético-MG (campeão da última Copa Libertadores). Esses times saberão seus adversários após um sorteio, o que impedirá que se enfrentem imediatamente. No ano passado, apenas dois times vindos da competição latina foram longe: Corinthians e Grêmio, que se enfrentaram nas quartas. O time gaúcho passou, mas logo caiu para o Atlético-PR. (JS)

Quando a derrota é o maior prêmio

Ponte Preta
Em 2013, a Ponte Preta provou que perder pode, sim, ser um bom negócio

A CBF é engraçada: até quando tenta ajudar, acaba atrapalhando. A entidade queria premiar o maior número possível de clubes (por questões políticas, claro) e para isso decidiu remanejar as vagas brasileiras na Copa Sul-Americana. No entanto, acabou criando uma situação que, de certa forma, premia a derrota. Isso porque os times classificados entre o 5o. e o 15o. lugar no último Campeonato Brasileiro Série A que forem eliminados até a terceira fase da Copa do Brasil estão imediatamente classificados para o torneio continental (caso todos estes avancem, os quatro primeiros da Série B e os quatro últimos da Série A – nesta ordem – entram na fila).

Em resumo, alguns times vão pensar bem antes de jogar a vida por uma vaga nas oitavas-de-final, já que podem ter caminho mais fácil para a Libertadores a partir do segundo escalão continental. De certa forma, a Ponte Preta é a prova de que isso pode dar certo: no ano passado, o time foi até a final da Sul-Americana (seu primeiro torneio internacional na história) após ter sido eliminado pelo Nacional-AM na terceira fase da Copa do Brasil. É uma “brecha na lei” que, certamente, muitos tentarão aproveitar novamente. Perder, neste caso, pode ser um grande negócio. (JS)

Calma, ainda não acabou!

O Fluminense percebeu que sequer foi citado neste guia e entrou com um recurso para participar. O caso segue no Pleno e temos plena certeza que não vai dar em nada. (JS)


Tabela-CdB

Crédito da tabela: TabeladoBrasileirao.net (clique AQUI e acompanhe os resultados atualizados)




Este material foi produzido por seis colaboradores do Última Divisão. Se você gostou, pedimos que recomende em seu perfil nas redes sociais clicando no botão “Pay with a Tweet or Facebook” abaixo. É uma forma de valorizar o nosso trabalho sem precisar cobrar de fato pelo conteúdo – mas se desejar fazer uma doação de qualquer valor ao site, CLIQUE AQUI.

Obrigado — A direção.
Comentários
Carregando...