Como seria a Conference League da CONMEBOL?

Montagem/UD
3.240

Por William Tales Silva

Nesta semana, terá início a tão aguardada fase de mata-mata da Champions League 2020/21, assim como acontece com a Europa League. E, pela última vez, teremos o segundo semestre da temporada europeia dedicado a apenas duas competições continentais.

A partir da temporada 2021/22, será disputada a Europa Conference League, também conhecida como a “Série C da UEFA”. Como a Champions e a Europa League estão cada vez mais elitizadas (a última vez que uma equipe de fora das cinco grandes ligas foi campeã continental foi em 2003/04 e 2010/11, respectivamente, sendo ambos títulos do Porto), a Conference surge como um oportunidade de protagonismo para os clubes da periferia europeia, que já não conseguem, há décadas, ter relevância em nível continental.

Publicidade

A prova disso é a distribuição de vagas do novo torneio, que oferece espaço a apenas uma equipe de cada uma das cinco grandes ligas europeias, e, mesmo assim, são vagas para o play-off. A Premier League, por exemplo, não vai oferecer vaga à Conference League. O representante inglês será definido pelo título da Copa da Liga, que nem é a Copa mais prestigiada do país, posto ocupado pela FA Cup, que, por sua vez, dá vaga na Europa League.

É claro que, pelo formato paraquedas das competições europeias, a Conference League ainda recebe os terceiros colocados dos grupos e alguns eliminados nos playoffs da Europa League, além dos primeiros eliminados da fase preliminar da Champions League. Nestes casos (principalmente por meio dos terceiros colocados da Europa League), podemos ter equipes fortes e/ou tradicionais das cinco grandes ligas que acabaram tropeçando precocemente, mas isso tende a ser exceção, e não a regra.

E, como bem sabemos, quase tudo que a UEFA cria, vira moda e é adotado em outras confederações, como a CONMEBOL. Alguns exemplos disso são a Liga das Nações, copiada pela CONCACAF, a classificação do campeão do segundo torneio continental para a edição seguinte da principal competição, copiada pela CONMEBOL, que também decidiu adotar o chaveamento em grupos para a Copa Sul-Americana, inspirada na Europa League. Sendo assim, acho importante traçarmos alguns paralelos e projetarmos como pode vir a ser a Conference League sul-americana, ou a “Liga da Conferência”, como irei chamá-la por aqui.

Primeiro, é fundamental reiterar o que já foi dito acima: o terceiro torneio continental não é feito para dar ainda mais espaço aos clubes das grandes ligas! Se na Europa as grandes ligas são a espanhola, a inglesa, a francesa, a alemã e a italiana, aqui na América do Sul claramente são as do Brasil e da Argentina, que são os únicos países com direito a sete e seis vagas, respectivamente, para a Libertadores. Portanto, projetei o formato de distribuição de vagas da seguinte forma:

  • 16 equipes eliminadas na primeira fase da Copa Sul-Americana

A partir da temporada de 2021, a Sul-Americana será disputada em fase de grupos, porém, terá uma fase preliminar em que quatro equipes de cada país (com exceção de Brasil e Argentina) se enfrentam em confrontos internos e definem dois classificados de cada nação. Para a Liga da Conferência, então, se classificariam os 16 eliminados dessa pré-Sul-Americana, que seriam dois representantes de Bolívia, Chile, Peru, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Equador e Colômbia.

  • 2 melhores equipes de Brasil e Argentina ainda sem vaga continental (uma de cada)

Apesar de não serem o foco do torneio, Brasil e Argentina precisam estar representados até mesmo para manter o caráter continental do torneio. No entanto, acredito que devam receber apenas uma vaga, cada, que seria distribuída ao melhor colocado da liga nacional ainda sem vaga na Libertadores ou na Copa Sul-Americana. Em condições normais, este seria o 13º do Brasileirão e do “Argentinão”.

  • 8 eliminados na segunda fase da Libertadores

Como os quatro eliminados da terceira fase da Libertadores se classificam para a Sul-Americana, nada mais justo que os oito eliminados na segunda fase avancem para a Liga da Conferência — aqui, sim, há espaço para que equipes tradicionais de Brasil e Argentina caiam para o terceiro torneio continental.

  • 6 classificados pela pré-Conferência

Como todo torneio continental que se preze, a Liga da Conferência também merece ter uma fase preliminar. O formato deste, na minha opinião, é o que mais permite invencionismos e politicagens diversas made in CONMEBOL. Porém, deixo aqui minha sugestão: os oito melhores colocados das competições nacionais (sem contar Brasil e Argentina) ainda sem vaga continental se enfrentam em mata-mata. Os quatro classificados avançam para a fase de grupos, e os quatro derrotados vão para a repescagem, valendo mais duas vagas.

 

A Liga da Conferência 2021

Mas é claro que vocês não querem apenas uma sugestão de formato, então montei também uma hipótese de como poderia ser a primeira edição da Liga da Conferência, caso ela estreasse já em 2021. No entanto, precisei definir alguns critérios para isso. Primeiramente, as colocações das equipes em suas respectivas ligas foram verificadas no dia 10 de fevereiro, cabendo um ou outro ajuste pensando em como a criação deste terceiro torneio continental poderia afetar a Sul-Americana.

Portanto, algumas vagas para Libertadores e Sul-Americana ainda estão em aberto na vida real, mas já as preenchi com a “situação de momento” apenas para que tenhamos um esboço do que pode vir a ser a “Série C da América do Sul”. Já para definir os classificados e eliminados nos play-offs da Libertadores e da Sul-Americana apenas segui o ranking de clubes da CONMEBOL. Os melhores ranqueados avançam, os piores caem para a Liga da Conferência.

 

  • 16 equipes eliminadas na primeira fase da Copa Sul-Americana:

    • As equipes em negrito avançam para a Liga da Conferência;
    • O número ao lado de cada clube representa a posição dele no ranking da CONMEBOL;
    • Aqueles que não aparecem no ranking recebem a pontuação “NR” (não ranqueado).

Guabira (BOL) 172 x 161 Nacional Potosí (BOL)

Palmaflor (BOL) NR x 38 Jorge Wilstermann (BOL)

Cobresal (CHI) 118 x 222 Deportes Antofagasta (CHI)

Universidad de Chile (CHI) 41 x 101 O’Higgins (CHI)

Deportes Tolima (COL) 63 x 42 Deportivo Cali (COL)

La Equidad (COL) 99 x 171 Deportivo Pasto (COL)

Macará (EQU) 160 x 25 Emelec (EQU)

Aucas (EQU) 195 x NR Guayaquil City (EQU)

12 de Octubre (PAR) 180 x 50 Nacional (PAR)

Guaireña (PAR) NR x 217 River Plate (PAR)

Univ. Técnica Cajamarca (PER) 174 x 122 Sport Huancayo (PER)

Carlos Mannucci (PER) NR x 71 Melgar (PER)

Montevideo Wanderers (URU) 76 x 45 Defensor Sporting (URU)

Rentistas (URU) 250 x 187 Cerro Largo (URU)

Metropolitanos (VEN) NR x NR Academia Puerto Cabello (VEN)*

Aragua (VEN) 217 x 115 Mineros de Guayana (VEN)

*A Academia Puerto Cabello estava mais bem colocada no “Venezuelão”, então presumi que se classificaria para a Sul-Americana

 

  • 2 melhores equipes de Brasil e Argentina ainda sem vaga continental (uma de cada):

Seguindo o princípio de resolver o incerto via ranking da CONMEBOL, computei o Grêmio como campeão da Copa do Brasil, por estar a frente do Palmeiras no ranking. Com isso, o Brasileirão abriria o G8, derrubando a última vaga da Sul-Americana para o Sport, 14º colocado. Então, o primeiro sem vaga continental seria o Fortaleza, que está em 15º.

Já no “Argentinão”, a 13ª posição também está dando vaga à Copa Sul-Americana, já que o atual campeão do torneio, o Defensa y Justicia, está em sexto no campeonato. Portanto, o 14º colocado, Estudiantes de La Plata, avança para a Liga da Conferência.

 

  • 8 eliminados na segunda fase da Libertadores:

PRIMEIRA FASE

Liverpool (URU) 165 x 112 Universidad Católica (EQU)

Univ. César Vallejo (PER) 130 x 58 Caracas (VEN)

Royal Pari (BOL) 164 x 34 Guaraní (PAR)

 

SEGUNDA FASE

Universidad Católica (EQU) 112 x 14 Libertad (PAR)

Fluminense (BRA) 39 x 222 Ayacucho (PER)

Peñarol (URU) 8 x 29 Bolívar (BOL)

Unión Española (CHI) 61 x 15 San Lorenzo (ARG)

Corinthians (BRA) 23 x 75 Deportivo Lara (VEN)

Caracas (VEN) 58 x 27 Junior Barranquilla (COL)

Palestino (CHI) 62 x 20 Independente Del Valle (EQU)

Guaraní (PAR) 34 x 7 Atlético Nacional (COL)

 

  • 6 classificados pela pré-Conferência:

Novamente, seguindo o ranking da CONMEBOL, sem realizar sorteio de chaveamentos, os eliminados foram os representantes da Venezuela e do Uruguai.

Deportivo Cali (COL) 42

Sportivo Luqueño (PAR) 86

Blooming (BOL) 109

Cienciano (PER) 110

Huachipato (CHI) 116

Técnico Universitario (EQU) 211

Yaracuyanos (VEN) 262

Deportivo Maldonado (URU) NR

Para sortear o chaveamento, deixei os melhores ranqueados pela CONMEBOL como cabeças de chave, com uma única exceção: os classificados de Brasil e Argentina. Acredito que a confederação iria aproveitar esse espaço para fazer politicagem, dando uma vantagem competitiva aos dois gigantes do continente, já que eles receberam poucas vagas no torneio. O Estudiantes seria cabeça de chave mesmo sem essa medida, mas o Fortaleza, não. Os potes seguintes também foram definidos com base no ranking, sem exceções.

CABEÇAS DE CHAVE

  1. Guaraní (PAR)
  2. Bolívar (BOL)
  3. Estudiantes (ARG)
  4. Deportivo Cali (COL)
  5. Caracas (VEN)
  6. Unión Española (CHI)
  7. Palestino (CHI)
  8. Fortaleza (BRA)

POTE 2

  1. Deportes Tolima (COL)
  2. Deportivo Lara (VEN)
  3. Montevideo Wanderers (URU)
  4. Sportivo Luqueño (PAR)
  5. O’Higgins (CHI)
  6. Blooming (BOL)
  7. Cienciano (PER)
  8. Universidad Católica (EQU)

POTE 3

  1. Huachipato (CHI)
  2. Macará (EQU)
  3. Deportivo Pasto (COL)
  4. Guabira (BOL)
  5. Univ. Técnica Cajamarca (PER)
  6. 12 de Octubre (PAR)
  7. Técnico Universitario (EQU)
  8. Aragua (VEN)

POTE 4

  1. Deportes Antofagasta (CHI)
  2. Ayacucho (PER)
  3. Rentistas (URU)
  4. Palmaflor (BOL)
  5. Carlos Mannucci (PER)
  6. Metropolitanos (VEN)
  7. Guayaquil City (EQU)
  8. Guaireña (PAR)

No sorteio, mantive todos os grupos com quatro países distintos, sem confrontos nacionais na fase de grupos:

GRUPO A

Deportivo Cali (COL)

Montevideo Wanderers (URU)

Técnico Universitario (EQU)

Metropolitanos (VEN)

GRUPO B

Estudiantes (ARG)

Cienciano (PER)

Aragua (VEN)

Guayaquil City (EQU)

 

GRUPO C

Palestino (CHI)

Sportivo Luqueño (PAR)

Deportivo Pasto (COL)

Palmaflor (BOL)

GRUPO D

Guaraní (PAR)

O’Higgins (CHI)

Univ. Técnica Cajamarca (PER)

Rentistas (URU)

 

GRUPO E

Bolívar (BOL)

Universidad Católica (EQU)

Huachipato (CHI)

Guaireña (PAR)

GRUPO F

Fortaleza (BRA)

Blooming (BOL)

12 de Octubre (PAR)

Carlos Mannucci (PER)

GRUPO G

Caracas (VEN)

Deportes Tolima (COL)

Guabira (BOL)

Deportes Antofagasta (CHI)

GRUPO H

Unión Española (CHI)

Deportivo Lara (VEN)

Macará (EQU)

Ayacucho (PER)

 

Para as oitavas de final, seguindo o padrão estabelecido para a Sul-Americana de 2021, se classificariam apenas os primeiros colocados de chave. Os outros oito classificados seriam os segundos colocados da fase de grupos da Sul-Americana, que, por sua vez, não simulei o chaveamento pois seria muito precipitado.

Mas o que achou da “Liga da Conferência”? Acredita que a CONMEBOL vai adotar a ideia? Gostaria de assistir a esses jogos? Deixe seu comentário!

Comentários