Girão da Série C #06: Surpresas, decepções e prognóstico para a próxima fase

Gustavo Oliveira/Londrina EC
339

A Série C chegou ao final da primeira fase e hoje vamos fazer um raio-x de tudo que rolou no campeonato. Tá pronto? Então chega mais!

Leia mais:

Mas calma! Antes de tudo, vamos só fazer um adendo. Horas antes de entrar em campo, o meia Celsinho, do Londrina, recebeu a notícia de que seu pai havia falecido. Mesmo assim, o jogador decidiu permanecer para jogar, entrou no jogo, sofreu o pênalti e acabou fazendo o segundo gol do Londrina na partida contra o Volta Redonda.

Publicidade

Vale a homenagem. A partida terminou 2 a 2.

Logo de cara: quem apresentou o melhor futebol?

É difícil apontar o melhor futebol, até porque ele passa por diversos critérios. Em determinado momento, o Brusque se destacou, o Ypiranga deu mostras também de bons momentos, assim como Remo e Vila Nova. Mas o Santa Cruz foi o mais constante. Não que seja um time brilhante, que empolgue em todo jogo, mas é seguro, com padrão de jogo e teve um desempenho mais estável no grupo.

 

Surpresas positivas

Vamos fazer vários destaques. Começando pelo Grupo A, nós destacamos aqui Manaus e Jacuipense, mesmo não se classificando para o quadrangular final. As duas equipes estreantes na Série C deram trabalho para os times de maior expressão no grupo e mostraram que podem brigar para subir ano que vem.

Para isso, o Manaus precisa de alguns reforços, principalmente nos setores de zaga e meio campo. O melhor desempenho no Gavião perpassa também por mais paz no ambiente. As brigas internas do começo do campeonato, quanto o técnico Fajardo foi demitido de forma amadora, provavelmente contribuíram para a não-classificação.

Pelos lados do Jacuipense, é necessário também reforçar o elenco, mas o time já conta com uma base e um bom treinador, que deu padrão de jogo a equipe e tirou proveito da qualidade dos jogadores. Foram alguns tropeços que deixaram o Jacupa de fora do Quadrangular.

No Grupo B, os destaques ficam para Ypiranga, que terminou líder – e, excluindo as oscilações que o time passou, apresentou um futebol bem encaixado e com um contra-ataque rápido. O outro destaque positivo é o Brusque, que apesar do desempenho patético no 2º turno, fez uma primeira metade de campeonato memorável. Recém-promovido, chegar ao quadrangular final, por si só, já é um grande resultado.

Quem ficou devendo?

Nesta categoria, temos muitos times para destacar! Começando pelo Grupo A temos a dupla da paraibana: Treze e Botafogo obtiveram desempenhos pífios, campanhas dignas de rebaixamento para ambos, o que só não aconteceu por conta administração desastrosa da JB Sport no Imperatriz. Caso isso não tivesse ocorrido, o rebaixamento da dupla era bem provável. Outro time que não jogou bem no campeonato foi o Paysandu, que mesmo classificado, não empolga e deixa sérias dúvidas para a próxima fase.

No pelo Grupo B, vários clubes tiverem um desempenho abaixo: o Volta Redonda começou empolgando e depois da venda do Saulo Mineiro caiu demais, o Criciúma mesmo com um time bom acabou brigando para não cair, o Tombense fez um péssimo 1º Turno, reagiu no 2º e acabou não se classificando pela própria incompetência, uma  vez que o time precisava de uma vitória em casa na última rodada contra o já rebaixado e lanterna do grupo, o Boa Esporte. Inclusive, o Tombense não conseguiu derrotar nem o Boa e nem o São Bento (os dois rebaixados do grupo) durante o campeonato.

Palpites para o Quadrangular Final

Se o Chama o Var hoje tivesse que apostar em que irá subir, ficaríamos com: Santa Cruz e Ituano; Remo e Londrina. Lembrando que esses palpites se baseiam no desempenho dos clubes durante o campeonato. Pode ser que a partir dessa 1ª rodada tudo mude. E vocês, concordam conosco?


Gostou do texto? Então, faz o seguinte: procure a gente nas redes sociais: Twitter e Instagram. E tem também o nosso podcast, com episódio novo toda terça-feira!

 

Comentários