E o VAR? Série C entra em reta final da 1ª fase com muitas polêmicas de arbitragem

Miguel Schincariol/ItuanoFC
236

A 13ª rodada da Série C 2021 teve muitas polêmicas e escancarou de vez a necessidade do VAR na competição, não somente para a Segunda Fase como prometido pela CBF, mas desde o começo do campeonato. Lances capitais de pênalti nos jogos de Jacuipense x Santa Cruz e Ituano x Paraná, e de impedimentos, como no jogo entre Volta Redonda x Paysandu, podem ajudar a definir o futuro dos times nesta reta final de campeonato.

Leia também:

Sabemos que o VAR não descarta o erro, não é uma solução divina como já vimos em diversas situações no Brasil, mas limita bastante os equívocos e traz uma certa transparência nas decisões. Dinheiro para a utilização desde o começo do campeonato a CBF tem, basta olhar os balanços de lucro da entidade.

Publicidade

Com polêmicas de lado, o campeonato entra em sua fase decisiva para os 20 times. Faltam só 5 rodadas e é hora dos times e dos torcedores pegarem o papel ou a calculadora. Cada ponto conquistado ou perdido conta e nós deixamos no final do resumo de cada jogo os próximos três confrontos dos times, facilitando uma leitura da sequência das equipes.

 

GRUPO A 

Botafogo (PB) 1 x 2 Floresta (CE)

O jogo que abriu a rodada colocava frente a frente o líder e o oitavo colocado, mas se enganou quem pensou que o o Botafogo jogando em casa iria para cima da equipe visitante. O Floresta tomou conta do primeiro tempo e anulou completamente o adversário, saiu na frente com Alison de cabeça, e poderia ter feito mais se não fosse o goleiro Lucas salvando o Belo.

Na segunda etapa, o Floresta recuou e o Botafogo se jogou para o ataque. De tanto pressionar eles conseguiram o empate: Tsunami cobrou falta, Tony deu rebote e Clayton encheu o pé para empatar. Mas não durou muito tempo o empate: três minutos depois, Jô cruza na área e a bola toca na mão de Juba. Pênalti para o Floresta, que Fábio Alves cobrou, colocando números finais na partida.

  • Próximos confrontos do Botafogo-PB: Altos (F); Tombense (C); Manaus (F).
  • Próximos confrontos do Floresta: Paysandu (F); Altos (C); Tombense (F).

 

Ferroviário (CE) 0 x 0 Tombense (MG)

O resultado placar pode até enganar quem não assistiu, mas a verdade é que não era um jogo para terminar sem gols, principalmente do Ferroviário. O time cearense foi para cima do Tombense e só não conseguiu os três pontos porque o pé dos jogadores estava completamente descalibrado. Junte a isso a grande atuação do goleiro Felipe (aquele ex-Santos), que fez boas defesas, e temos basicamente o resumo do jogo.

Chama atenção a forma retranqueira, por vezes até na base do anti-jogo, da equipe mineira nesses últimos dois jogos fora de casa. A impressão é de que o técnico Rafael Guanaes e equipe entram na partida para não perder, o que é diferente de buscar a vitória. Pode até ser que essa postura funcione por um tempo, mas sabemos que não dá certo a longo prazo. E, como dizem, a bola pune (às vezes).

  • Próximos confrontos do Ferroviário: Jacuipense (C); Volta Redonda (F); Paysandu (C).
  • Próximos confrontos do Tombense: Manaus (C); Botafogo-PB (F); Floresta (C).

 

Manaus (AM) 2 x 0 Altos (Pi)

As boas ações do jogo ficaram guardadas para o 2º tempo. Na etapa inicial tivemos uma partida bastante brigada e com chances escassas para os dois lados; foi o famoso bate-rebate em que a bola não sai do meio-campo.

Nos 45 minutos finais, sim, tivemos emoção e elas aconteceram muito pelas substituições feita por Paulinho Kobayashi e Evaristo Piza. O Altos fez uma substituição na sua formação e colocou 3 zagueiros e liberou mais a turma da frente. Com isso, o time ficou mais com a bola e começou a chegar com mais perigo ao gol. O Manaus respondeu colocando Vitinho, jogador bastante agudo pelas pontas.

Quem se deu melhor foi o Manaus, que equilibrou a partida e conseguiu abrir o placar com Gilson. Já no final do jogo, João Diogo decretou os números finais. Vitória justa e mais três pontos para o Gavião do Norte, que cresceu demais em produção com a chegada de Evaristo Piza. O Altos até melhorou no 2º tempo, mas faltou qualidade na criação das jogadas, não é todo dia que Manoel e Betinho vão conseguir resolver o jogo para a equipe piauiense.

  • Próximos confrontos do Manaus: Tombense (F); Jacuipense (F); Botafogo-PB (C).
  • Próximos confrontos do Altos: Paysandu (F); Floresta (F); Tombense (F).

 

Volta Redonda 2 x 2 Paysandu

Poderia começar dizendo que esse jogo foi melhor que o do primeiro turno, o que não ajudaria muito já que era muito difícil ter uma partida pior do que aquela. Dessa vez tivemos um jogo de futebol, com dois times jogando e a bola sendo bem cuidada. O primeiro tempo foi mais estudado, com os dois times evitando se expor tanto, mas mesmo assim ainda tivemos alguns lances de perigo. Era tudo tática para não cansar e fazer uma segunda etapa eletrizante.

O Volta Redonda abriu o placar após cobrança de escanteio, com o artilheiro Olávio subindo no quinto andar para cabecear, a bola ainda bateu na trave e nas costas de Victor Souza antes de entrar. Atenção para o Olávio, já são dois jogos e dois gols, baita contratação do Volta Redonda! O Paysandu até conseguiu empatar a partida logo depois com Rildo, mas o gol foi anulado. Grampola estava em posição irregular e mesmo sem encostar na bola correu para o lance — discutível porém marcável.

Chance pra lá, chance pra cá, o Volta Redonda resolve tirar o Olávio para colocar Rafael Tanque em campo, que no primeiro toque na bola fez o segundo gol do Voltaço, com um tiro de cabeça. Tudo indicava que a partida estava definida, mas não à toa que chamam 2 a 0 de placar perigoso. O Papão diminuiu com uma cobrança de falta sensacional de Marcelo, um golaço. E, já nos acréscimos, o Papão conseguiu o empate com Leandro Silva, que cabeceou em cima de Vinícius Dias, mas o goleirão não conseguiu encaixar e tomou um belo frango.

  • Próximos confrontos do Volta Redonda: Santa Cruz (F); Ferroviário (C); Jacuipense (F).
  • Próximos confrontos do Paysandu: Floresta (C); Santa Cruz (C); Ferroviário (F).

 

Jacuipense (BA) 1 x 1 Santa Cruz (PE)

No jogo dos desesperados, o empate teve gostos diferentes para as duas equipes, embora quando olhado para a tabela foi péssimo para as ambos. Falo de gostos diferentes porque o Jacuipense não jogou bem e contou com a sorte (vulgo, incompetência do time adversário) para conquistar esse ponto. É uma equipe esforçada, mas falta qualidade ao elenco. Joga no famoso bola nas pontas e seja o que os deuses do futebol decidirem.

Para o Santa Cruz, o gosto do empate não poderia ser mais azedo. O time dominou o jogo no primeiro tempo, abriu o placar com o Pipico e poderia ter feito mais. Ao voltar para a segunda etapa, escolheu sentar no resultado e cozinhar o jogo, cedendo campo e espaço para o Jacupa.

O Santinha precisou tomar o empate — belo gol do Peixoto inclusive — para voltar a ficar ligado na partida. O time ainda perdeu um gol feito com Pipico, teve outras chances para fazer o segundo gol e reclamou demais de um possível pênalti 1 pelas imagens fica difícil chegar a uma conclusão definitiva, mas o juiz não deu. No último lance, precisou de mais uma intervenção de Jordan para não levar a virada.

  • Próximos confrontos do Jacuipense: Ferroviário (F); Manaus (C); Volta Redonda (C).
  • Próximos confrontos do Santa Cruz: Volta Redonda (C); Paysandu (F); Altos (C).

 

GRUPO B

São José (RS) 1 x 1 Novorizontino (SP)

Boa partida no Passo d’Areia. Um primeiro tempo movimentado, com um Novorizontino ligeiramente superior e que conseguiu abrir o placar aos 35 minutos depois de uma jogada sensacional de Reverson e finalização daquele que não tem carro, não tem teto mas é titular do Novorizontino porque gostam, isso mesmo, Willean Lepo abriu o placar.

A segunda etapa manteve a toada, mas dessa vez quem conseguiu o gol foi o São José. Fábio Rampi empatou de pênalti. A vitória cairia bem para qualquer um mas, o empate foi o mais justo.

  • Próximos confrontos do São José: Paraná (C); Mirassol (F); Figueirense (C).
  • Próximos confrontos do Novorizontino: Criciúma (C); Botafogo-SP (F); Ypiranga (C).

 

Mirassol (SP) 0 x 1 Figueirense (SC)

O jogo da dupla de meio de tabela não foi bom, mas serviu para dar uma esperança ao torcedor do Figueirense. O time catarinense agora tem 19 pontos, mesma pontuação do Botafogo, e três abaixo do Ituano que é quarto. É difícil, mas dá para sonhar.

O primeiro tempo foi muito brigado no meio de campo, com poucos lances de perigo. O forte calor do interior paulista contribuiu para um jogo truncado. Na segunda etapa Andrew cruzou e Rodrigo Bassani completou para abrir o placar. O gol não agitou a partida, que seguiu na mesma toada do primeiro tempo. Melhor para o Figueirense que voltou para Santa Catarina com três pontos e dando mostras de que pode chegar na briga pelo G4.

  • Próximos confrontos do Mirassol: Ituano (F); São José (C); Paraná (F).
  • Próximos confrontos do Figueirense: Ypiranga (C); Ituano (C); São José (F)

 

Paraná (PR) 1 x 1 Ituano (SP)

Os times fizeram dois tempos distintos na Vila Capanema. No primeiro tempo, o Ituano foi soberano, abriu o placar com Gérson Magrão (interminável) e poderia ter feito mais não fosse o gol perdido de Fernandinho. O Paraná até acertou a trave, mas foi um lance completamente isolado.

Na segunda etapa o Paraná finalmente conseguiu equilibrar a partida e se lançou ao ataque, conseguindo o empate numa bola cruzada e gol de Móises Gaúcho, mas com polêmica: no lance anterior ao gol tivemos um lance claro de reversão no ataque da equipe paranista. O lance é indireto, não interfere propriamente no gol que aconteceu após falha da zaga do Galo de Itu, mas só aconteceu por conta desse lance anterior.

E as polêmicas não param por aí: tivemos mais reclamação para os dois lados. Em um ataque do Paraná, a bola pega na mão de um jogador do Ituano, juizão mandou seguir.  Tivemos também uma falta para o Ituano na risca da área, mas olhando atentamente para o lance fica a sensação de que o correto seria a marcação de pênalti.

  • Próximos confrontos do Paraná: São José (F); Criciúma (C); Mirassol (C).
  • Próximos confrontos do Ituano: Mirassol (C); Figueirense (F); Oeste (C).

 

Criciúma (SC) 3 x 1 Oeste (SP)

O jogo começou bem diferente do que imaginamos, com o Oeste tendo uma postura bastante ofensiva, ficando com a bola e tentando criar jogadas. O time de Paulo Baier entendeu a situação e acabou por se fechar e tenta sair no contra-ataque. Depois dos apertos iniciais o Criciúma decidiu subir mais o time, tentar sair e ficar mais com a bola.

Foi num desses lances que novamente a fase horrorosa do Oeste apareceu: o técnico Brigatti trocou a dupla de zaga depois daquele gol contra maravilhoso e bizarro que o Victor Lisboa fez na última partida. O que acontece? Dupla nova e….. o Douglas fez um gol contra ridículo, o segundo em sequência. Depois disso o Oeste desmontou de vez, restando ao Criciúma aproveitar. O segundo gol foi bonito: bola enfiada de Dudu Figueiredo para Marcão, que bateu na saída.

No começo da segunda etapa, o Marcão chutou de longe, rasteiro, fraco e o Rodolfo (que estava voltando ao time e substituiu o Fernando Henrique) tomou um frangaço. O jogo continuou então dessa forma, Oeste com a bola sem conseguir agredir e o Criciúma mais recuado, esperando o jogo acabar. No final, o Oeste fez o gol de honra depois de um escanteio na área, Luís Fernando marcou sozinho.

  • Próximos confrontos do Criciúma: Novorizontino (F); Paraná (F); Botafogo-SP (C).
  • Próximos confrontos do Oeste: Botafogo-SP (C); Ypiranga (F); Ituano (F)

 

Botafogo (SP) 1 x 2 Ypiranga (RS)

Jogo muito bom no começo, e só. As duas equipes começaram a partida em marcha alta e quem conseguiu abrir o placar foram os donos da casa com Walter. Após receber lançamento longo de Emerson Santos, ele deu um toquinho que encobriu Deivity e foi pro fundo da rede.

Era o que o Botafogo precisava para administrar a vantagem e controlar o jogo, certo? Errado! O Ypiranga não deu brecha e empatou logo em seguida, Revson cobrou escanteio e Silvano apareceu sozinho para empatar. Foi o terceiro gol de escanteio que o Ypiranga fez no Botafogo no campeonato.

E não acabou por aí, Quirino recebeu a bola de costas para a marcação, girou e bateu no canto como um verdadeiro pivô faz -pode colocar essa jogada no manual do centroavante-, virada do canarinho em pleno Santa Cruz.

A segunda etapa podemos fingir que não aconteceu, O Botafogo não conseguiu criar e o Ypiranga não se esforçou para ampliar o placar. O curioso é que em dois jogos foram 6 gols e todos no primeiro tempo. Quer mais curiosidade? Os gols do Ypiranga foram do lado esquerdo da transmissão e o do Botafogo do lado direito.

  • Próximos confrontos do Botafogo-SP: Oeste (F); Novorizontino (C); Criciúma (F).
  • Próximos confrontos do Ypiranga: Figueirense (F); Oeste (C); Novorizontino (F).


Curtiu o texto? Então comenta aí. Não esquece de seguir o Chama o VAR, temos TwitterInstagram TikTok. Mas não é só isso, aproveita e se inscreve no nosso canal do YouTube para assistir nossas lives semanais sobre a Série C e vem de play nos nosso episódios semanais de podcast. Todos os Clubismo da Série C você encontra no Chama o VAR.

Comentários