De Vaney, o repórter dos craques imortais

624
devaneyepelé
O jornalista De Vaney e o jovem Pelé num treino na Vila Belmiro

O jornalista Adriano Neiva da Motta e Silva, o De Vaney (1907-1990), foi um dos maiores nomes do jornalismo esportivo brasileiro. Radicado na cidade de Santos, o profissional se empenhou em investigar minuciosamente a história dos esportes da cidade. Além disso, o cronista era respeitado em todo Brasil por levantar estatísticas históricas sobre o futebol.

Referência na área esportiva, De Vaney foi talvez o primeiro homem de imprensa a entrevistar Pelé logo após a chegada dele a Santos vindo de Bauru. Em 1976, o jornalista publicou um livro bomba sobre o rei do futebol que misteriosamente sumiu do mercado (“A verdade sobre Pelé: as fantasias, os exageros, o mito e a história de um desertor”, que já tratamos aqui).

Publicidade

Este importante homem de imprensa colecionou muitas histórias ao longo das diversas décadas que se dedicou ao jornalismo. Última Divisão conversou com o jornalista Ted Sartori, autor do livro “Obrigado, velha Amiga! – Vida e carreira do jornalista De Vaney”, biografia inédita do cronista.

Última Divisão: Como você começou a se interessar pela vida profissional e pessoal do jornalista Adriano De Vaney?

Ted Sartori: Comecei a me interessar pela vida profissional e pessoal de De Vaney, ainda que timidamente, em 1992, quando conheci o Centro de Memória Esportiva em Santos, que leva o seu nome e conta com seu acervo. O interesse foi crescendo, até que chegou na faculdade, com a confecção do meu trabalho de conclusão de curso sobre ele.

UD: De Vaney escreveu diversos livros bretão, entre eles o raro “Os Imortais do Nosso Futebol”. Qual é a importância desse livro na obra dele?

TS: Este livro é importantíssimo especialmente pelos perfis românticos de jogadores que a história acabou esquecendo com o tempo.

devaney
De Vaney foi um dos mais importantes jornalistas de sua geração

UD: É verdade que o jornalista acabou indo morar em Santos por conta por ser viciado em cassinos?

TS: Quase isso. Ele acabou prestando concurso público para redator no Serviço de Vigilância Sanitária e Vegetal no Porto e passou. Uma das cidades que estava na lista das escolhas era Santos – e que De Vaney já conhecia, por já ter estado no município poucos anos antes.

UD: Da vasta obra de De Vaney, quais artigos ou livros você destaca?

TS: É difícil destacar artigos por sua longa produção em jornais dos mais diversos. Talvez um em que ele entrevista um Pelé ainda recém-chegado ao Santos, em 1956, seja interessante pelo aspecto histórico. Livros, sem dúvida, seria “Os Imortais do Nosso Futebol”.

UD: Qual importância que o jornalista teve para os times e para a cidade de Santos?

TS: Embora torcedor do Fluminense, De Vaney escreveu obras fundamentais para a história do Santos, caso do “Álbum de Ouro”, nos anos 1960, e é o criador do apelido Jabuca para o Jabaquara, por exemplo.

UD: Qual é a sua opinião sobre o livro “A verdade sobre Pelé: as fantasias, os exageros, o mito e a história de um desertor”?

TS: O que se conta é que Pelé e De Vaney sempre tiveram um relacionamento muito bom. Depois, ele escreveu um livro estatístico e que também tenta desmistificar algumas histórias em torno de Pelé. Em alguns pontos, o livro acaba sendo interessante, como em uma parte em que De Vaney divide o futebol brasileiro em épocas. Mas acaba ficando cansativo e até certo ponto exagerado em certas argumentações. Ainda assim, vale bastante como documento.

UD: O livro acabou prejudicando a carreira de De Vaney? 

a-verdade-sobre-pele
Livro que contesta a carreira de Pelé é raríssimo

TS: De certa forma, sim, pois o livro acabou recolhido. Mas a carreira de De Vaney continuou. E, creio, que isso se sobrepõe a esse fato.

UD: Na sua opinião, qual é o legado de Adriano de Vaney para o jornalismo esportivo paulista e brasileiro?

TS: O legado de De Vaney para o jornalismo esportivo paulista e brasileiro é grande pelo estilo romântico de escrever e também pela preocupação com a história do futebol, algo que não existia sempre.

UD: Você é autor de um livro-reportagem sobre o jornalista, destacando a vida pessoal e profissional dele. Quanto tempo você levou fazendo o trabalho? Quando poderemos ver sua obra nas livrarias?

TS: O trabalho foi feito no ano 2000, quando estava no quarto ano da faculdade. E espero que o quanto antes ele esteja nas livrarias, levando em conta eventuais atualizações, mudanças no texto, novas pesquisas e, principalmente, alguém que se interesse em publicar. Cheguei a procurar uma editora de Santos, mas infeliz e inexplicavelmente não houve interesse. Busco, portanto, uma editora e apoio para isso. Espero que com essa matéria, quem sabe, alguém me ajude nessa empreitada.

Comentários