Uruguai muda e agrega valores ao grupo para o próximo ciclo

Divulgação
151

Texto de autoria de Eduardo Bento

Muita disputa, vontade, uma pitada de catimba e bola rolando nos esperam nas  Eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2022 que estão prestes a começar. Com isso,  aquela  velha pergunta fica no imaginário de todos os fãs de futebol: como será que virão as seleções para as competições do próximo ciclo?

Uma delas, o Uruguai, seleção tradicional no continente sul-americano e carrasco do Brasil na Copa de 1950, no famoso “Maracanaço” está passando por uma reformulação, unindo valores experientes com o acréscimo de novidades talentosas.

>>> Quatro coisas que você não sabia sobre a Copa de 1950

Liderados por Óscar Tabarez – ou” Maestro” como é conhecido – e pela dupla de ataque Suarez e Cavani, que colocam inveja em qualquer seleção, os uruguaios tem alguns bons motivos para fazer uma jornada de sucesso nos próximos anos e chegar em condições de brigar por colocações melhores nas futuras competições.

 

O que vem por aí?

Rodrigo Bentancur em ação pela Juventus (Divulgação)

Um dos diferenciais desta atual geração está na mescla de bons valores, casos de jogadores experientes como sua dupla de avantes somada a grande rodagem do arqueiro Fernando Muslera, do Galatasaray, terá o acréscimo de jovens que vem se consolidando no cenário europeu.

Os meio-campistas Rodrigo Bentancur, da Juventus (ITA); Lucas Torreira, do Arsenal (ING), e Federico Valverde, do Real Madrid (ESP) estão em alta, atuando em nível elevado e se tornando cada vez mais expoentes importantes em seus clubes.

E não param por aí, o Uruguai ainda conta com atletas já consolidados, casos dos zagueiros Diego Godin, da Internazionale (ITA), e José Giménez, do Atlético de Madrid (ESP), do lateral Diego Laxalt, do Torino (ITA), o volante Matiás Vecino, da Internazionale (ITA), e dos meias Nícolas Lodeiro, do Seatle Sounders (EUA), e Giorgian De Arrascaeta, do Flamengo (BRA).

 

Valverde está sobrando

Valverde em alta no Real Madrid(Divulgação)

Atualmente, o principal destaque do setor de meio campo do Uruguai é Valverde. O jogador de 21 anos está enchendo os olhos do treinador multicampeão merengue Zinedine Zidane. Além de dominar diversas ações no meio-campo do Real Madrid, o jogador consegue aliar intensidade e muita qualidade tanto na saída, quanto na construção de jogo.

No entanto, o atleta ficou ainda mais notabilizado em um lance determinante no início deste mês. Na final da Supercopa, em duelo contra o Atlético de Madrid, o meio-campista foi fundamental ao parar um contra-ataque do time Colchonero nos momentos finais da prorrogação, impedindo uma chance clara de Morata.

Na oportunidade, Zizou comentou sobre a atuação e a atitude do meia:

“O Fede fez bem, tinha que fazer aquela falta, foi de suma importância. Ele ganhou o troféu de melhor do torneio, foi merecido, mas ele sabe que foi o troféu de todos”, destacou.

 

Como vem sendo escalada a celeste?

Celeste Olímpica em 2019 (AUF)

Tabarez escalou nas últimas partidas da celeste um time bem diferente da última Copa do Mundo. No amistoso contra a Argentina, em novembro de 2019,  o “Maestro” foi a campo contra a Argentina com: Campaña; Cáceres, Coates, Godín e Matías Viña; Lucas Torreira, Matías Vecino, Federico Valverde e Brian Lozano; Suárez, Cavani.

No banco de reservas, estavam Laxalt, Bentancur, Muslera e outros importantes nomes da geração.

De Arrascaeta não foi convocado para essa partida amistosa, mas deve manter-se no grupo neste próximo ciclo. O meia-atacante Nandes, que vem se destacando nas últimas temporadas, principalmente no ano passado defendendo o Boca Juniors também deverá fazer parte do plantel.

Comments