Time Grande Não Cai?: Fluminense 1998

9 968

Até hoje há quem repita a frase “time grande não cai”. Nem é mais um clichê. É uma burrice: está provado que os grandes caem sim, cada vez com mais frequência. Mas não é um feito simples. Com dinheiro, estrutura e grande torcida, é preciso uma conjunção de fatores muito bizarros para que um rebaixamento assim aconteça. E é por isso que casos assim sempre ficam marcados na história. Foi o que aconteceu com o Fluminense de 1998, que caiu para a Série C do futebol brasileiro.

Como caiu

Nada está tão ruim que não possa piorar. A lei de Murphy era o lema do Fluminense de 1998. Depois de cair para a Série B no ano anterior, o time foi mal no Carioca, no Rio-São Paulo e na Copa do Brasil.

Juventus x Fluminense: Javari? Não, Osasco
Juventus x Fluminense na Rua Javari. Haja cannoli!

Então veio o fundo do poço: o Fluminense começou displicente na Série B e só foi vencer na sexta rodada, em um grupo que tinha Joinville, ABC, Paysandu, CRB e Juventus.

Era preciso ficar entre os quatro melhores da chave, após a disputa de dois turnos, para avançar. Parecia fácil demais, mas o Tricolor complicou: fez apenas 11 pontos em 10 jogos e caiu.

Na última partida, o Fluminense só precisava de uma vitória sobre o ABC em Natal, mas nem com a “ajuda” da arbitragem conseguiu. Houve um gol contra polêmico assinalado para os cariocas, mas a partida terminou 1 a 1 e o vexame histórico foi concretizado.

Quem caiu

Nesta última partida do Fluminense na Série B houve um lance simbólico: Branco, líder do elenco, foi expulso quando a partida estava 1 a 1. Ou seja, naquele time nem os veteranos conseguiam manter a cabeça no lugar para jogar futebol.

A esperança tinha ficado sobre os ombros de jogadores jovens, que no futuro mostraram ter algum talento, mas na época não deram conta do recado. Foi o caso de Roger (futuro Galisteu-Secco), Roni, Magno Alves e Roberto Brum, por exemplo.

O melhor Ronaldo da história do Corinthians foi o pior da história do Fluminense
O melhor Ronaldo da história do Corinthians foi o pior da história do Fluminense

Durante a campanha da Série B, a diretoria ainda tentou fazer contratações emergenciais para resolver esse problema. Mas de nada adiantou trazer, por exemplo, o goleiro Ronaldo, recém saído do Corinthians, e o meia-atacante Sérgio Alves, que quase marcou o gol da salvação contra o ABC. O rebaixamento já tinha sido desenhado por jogadores como Bruno Carvalho, César, Adílson, Júlio César, Nonato, Gil Baiano, Marco Brito e outros pernas de pau.

Como subiu

O Fluminense tentou não disputar a Série C, mas deixaram para virar a mesa depois. Então, sob o comando de Carlos Alberto Parreira, o Tricolor passou pelas três fases da competição (grupos, mata-mata e quadrangular final) para ser campeão.

Roger fez dois gols no jogo que decretou o acesso para a Série… A! Nunca é demais lembrar: a criação da Copa João Havelange fez o Fluminense passar “magicamente” da 3ª divisão para elite.

Aprendeu?

Depende do ponto de vista. Foi em 1999, um ano depois do rebaixamento, que o Fluminense oficializou a parceria com a Unimed, algo que futuramente lhe rendeu diversos títulos.

Porém, o Fluminense também viveu crises durante esse período, não investiu de forma adequada na estrutura (quem não se lembra do rato nas Laranjeiras?) e novamente luta contra o rebaixamento, no Campeonato Brasileiro deste ano. A lição de Murphy é antiga: essa situação ainda pode piorar.

Já são 14 anos de calote
Já são 14 meses anos de calote
Posts Relacionados

Leave A Reply

Your email address will not be published.

  1. Juan Senna says

    DA 2 para Elite, pois como campeao da 3ª divisão, já estava na Série B… Conta a porra direito seu babaca fdp.

    1. Chef Palmeirense says

      cala a boca imbecil. série B é diferente de série A, por estar na série B quer dizer que não precisaria jogar pra ir pra série A? retardado, tá aí defendendo maracutaia.

  2. Romário Cheloni says

    Estava lá esse dia choveu muito antes do jogo, foi uma partida q nada dava certo quem chamava um pouco o jogo era Nonato (lateral) e após um chute de longe do Juventos a bola passou sob o corpo do goeiro. Ronaldo que parou a msma em cima da risca fotografada pelo j. Lance mas o juiz deu o gol muito contestado além de invasão de torcida…e brigas terminou assim.

  3. André says

    Só pra lembrar Juventus 1 x 0 Fluminense no Estádio José Liberatti em Osasco…

  4. Guilherme says

    Sugiro que o senhor leia o livro “Pagar o quê?”, e depois humildemente rever (mudando ou até mesmo mantendo) sua posição sobre a charge do seu Madruga, ali em cima.

    1. Allan Brito says

      Sugestão anotada.
      Obrigado!
      Abs.

  5. Pedro De Luna says

    Pô, Adilson, o zagueiro, e Nonato, o lateral-esquerdo, passavam longe de serem pernas de pau. Inclusive foram destaques de campanhas de títulos de Libertadores (92 do São Paulo e 97 do Cruzeiro) e Mundial (92 do São Paulo), fora um monte de estaduais, quando estes ainda tinham valor. Foram muito mais longe na carreira do que, por exemplo, o Roberto Brum, posto no grupo dos que deram certo. O fato é que, quando passaram pelo Fluminense, já estavam em fim de carreira, pegaram um clube em frangalhos, sem salários e tudo aquilo que qualquer um que viveu a época há de se lembrar. Mas acho sempre fundamental separar o joio do trigo.

    1. Allan Brito says

      Tudo bem, Pedro. Bem observado. Vamos concordar então que o Adilson e o Nonato estavam pernas de pau (pela idade e má fase momentânea), mas não eram pernas de pau de fato.
      Obrigado pelo comentário. Abs.