Série D é atrapalhada pela covid-19, mas começa cheia de curiosidades e emoções

Tony fez gol de cavadinha
0 248

A fase de grupos da Série D começou com motivos para comemorações e lamentações. Por um lado, vibramos pelas boas curiosidades, junto com emoção acima da média. Por outro, ficamos tristes pelos casos de covid-19 – e as injustiças que vieram com isso.

Casos de covid-19

Apenas uma partida foi adiada por excesso de casos de covid-19: Guarany de Sobral x Salgueiro ficou para depois, por causa de problemas no time cearense. Porém, vários outros times tiveram que jogar extremamente desfalcados, por causa do coronavírus.

Central, Vitória, Palmas, Caldense são alguns exemplos de times que tiveram desfalques graves. Eles jogaram com poucos reservas e muitos atletas amadores. Nenhum deles venceu. Mas rolaram casos de superação. O Central arrancou um empate com o Jaciobá, por 2 a 2. O Palmas usou um time praticamente sub-17 e só perdeu pro Villa Nova por 3 a 1.

Gols de famosos

É sempre curioso ver jogadores famosos, que passaram por times da Série A, disputando a última divisão nacional. E alguns conseguiram destaque nessa primeira rodada. Douglas, do Brasiliense, foi quem chamou mais atenção. Eles fez dois gols na vitória do Brasiliense contra a Caldense, por 3 a 1.

Bruno Mezenga, ex-Flamengo, marcou um belo gol na vitória da Ferroviária por 4 a 1. O time de Araraquara é um dos favoritos a subir, então ele já é um forte candidato ao posto de artilheiro.

Só teve golaço na vitória da Ferroviária sobre o Nacional-PR, por 4 a 1.

Outro centroavante conhecido que fez gol foi Max, do River. O time do Piauí derrotou o Sinop por 2 a 0.

Teve até técnico famoso se destacando. Eduardo Baptista, ex-Palmeiras, fez duas substituições que salvaram o Mirassol de uma derrota para o Bangu. Cássio Gabriel deu assistência para Patrick marcar o gol do empate por 1 a 1.

Mas os famosos também decepcionam. E rolaram gols contra dos zagueiros Bruno Aguiar e Domingos, ambos ex-Santos. Bruno está no Novorizontino e determinou o empate com o Joinville, por 1 a 1.

Domingos foi pior ainda: decretou a vitória do Caxias sobre o São Caetano, por 1 a 0.

Apelidos

A Série D é muito espontânea, então sobram nomes e apelidos curiosos. Já fizemos uma seleção disso nas redes sociais recentemente.

E é claro que esses apelidos chamaram atenção na primeira rodada. O Bagaceira, por exemplo, fez bagaceira e foi expulso na vitória do River. Foi salvo por outro bom apelido, o goleiro Mondragon, que teve boa atuação.

O Tobinha teve um bom desempenho pelo Atlético-BA. Mas o Tobinha ficou abalado no final. O time perdeu por 1 a 0 para o Gama.

Já no jogo do Bragantino-PA, o Bilau ficou de fora no 1º tempo. O Bilau entrou no intervalo. E depois disso o time buscou a virada contra o Vilhenense, com 2 gols de Canga. 

Muitos jogos decididos no fim

Impressionante como muitos jogos foram decididos no fim. No sábado, já chamou atenção o vacilo do Bahia de Feira. No começo do ano, na Copa do Brasil, o time perdeu para o Paraná tomando 3 gols nos acréscimos. Dessa vez a equipe vencia o Tupynambás por 1 a 0, mas sofreu 2 gols no fim. O elenco precisa de um psicólogo.

Depois cenas parecidas se repetiram em vários jogos. Ao todo, em 32 jogos, foram 16 gols marcados depois dos 40 minutos do 2º tempo, sendo que 9 foram decisivos – mudaram a pontuação dos times de alguma forma. Ou seja, 1 em cada 4 jogos só foi resolvido perto do final.

Outras curiosidades

Nossas redes sociais tiveram breves resumos da rodada nos 2 dias. 

Jade Araujo
Torcida do Altos subiu no muro pra ver o time perder pro São Raimundo-RR
Gramado
Atlético-AC e Ji-Paraná fizeram um grande jogo de polo aquático

Acrescento ainda que, no último jogo do dia, entre Galvez e Fast Clube, rolaram mais situações atípicas. Rolou um apagão no estádio e, depois, um apagão no time acreano. O Fast, que pinta como um dos melhores times do Norte, aproveitou e venceu por 5 a 1. Foi a maior goleada da 1ª rodada.

Clique aqui e veja todos resultados e grupos da Série D.