Rodada da Série C tem protesto em campo e definição do primeiro rebaixado

Rodrigo Sanches/Paraná Clube
32.893

A 15ª rodada da Série C 2021, o campeonato de futebol da vida real, foi cheia de gols: 29 em 10 jogos para ser mais exato. Significa que, em média, cada jogo teve 2,9 gols, uma das maiores do campeonato até aqui! Tudo isso graças principalmente às partidas do Grupo B.

Leia também:

Além do alto número de gols, é também do Grupo B que tivemos as primeiras definições de rebaixamento e busca do acesso: Ypiranga e Novorizontino, os dois com 30 pontos, são os primeiros classificados a próxima fase do campeonato. Ainda temos duas vagas em aberto, mas é bem provável que não haja mudanças grandes no G4, com Ituano e Criciúma garantindo as vagas nas próximas rodadas.

Publicidade

Do lado oposto da tabela, ainda temos uma vaga para o temido descenso entre Paraná e Mirassol, que coincidentemente duelam na próxima rodada. A primeira vaga para a Série D, no entanto, já tem dono. A equipe do Oeste amargou seu segundo rebaixamento consecutivo e parte para a última divisão nacional em 2022. Que fase do time de Barueri!

No Grupo A continua tudo em aberto, tanto nas vagas do G4 quanto para o rebaixamento. A distância do 1º para o 7º colocado é de 6 pontos, o que parece ser impossível de ser tirado. Mas em se tratando de Série C é sempre bom não descartar a possibilidade de zebras. Fato é que alguns clubes parecem chegar mais maduros do que outros para buscarem a vaga.

Na briga pelo rebaixamento temos 3 times e duas vagas ainda em abertas, mas não é segredo que Santa Cruz e Jacuipense são os favoritos à queda, uma vez que a diferença está na margem de 2 vitórias também. Com tudo isso em mente, vamos aos jogos da rodada.

 

GRUPO A

Floresta (CE) 1 x 2 Altos (PI) 

O primeiro jogo do Grupo A foi extremamente brigado, mas o Altos começou melhor e conseguiu o seu gol da forma que mais tem qualidade para tal, a partir dos contra-ataques em velocidade, finalizando no arremate de Betinho para o gol. Na época em que o Altos frequentou a parte de cima, a velocidade nos contra-golpes era a característica que mais chamava atenção ao time. Após o gol, no entanto, a partida ficou morna, com poucas chances de gol. O Floresta conseguiu chegar com algum perigo somente no final da primeira etapa, mas equilibrou o jogo.

Tanto equilibrou que no segundo tempo o time cearense empatou a partida com Flávio Torres de cabeça. Foi um empate justo, pois o Floresta já tinha criado algumas chances para abrir o marcador. O problema, no entanto, veio um pouco mais à frente. Em mais uma desatenção da zaga, o Altos voltou à frente do marcador com um golaço de letra do zagueiro Leandro, que mostrou habilidade. O Floresta até pressionou depois, mas o Altos soube se fechar bem e conseguiu uma vitória importantíssima, que tira o clube da briga contra o rebaixamento.

Destaque ruim para o Altos foi a lesão do goleiro Mondragon. Ao bater um tiro de meta, Mondragon caiu sentindo a coxa, o reserva Fábio entrou bem e fez boas defesas.

 

Jacuipense (BA) 0 x 1 Manaus (AM)

Foi uma partida fraca tecnicamente e contou com dois destaques: o goleiro Jean, do Jacuipense, e o belo terceiro uniforme do Manaus, que estreou na partida. O confronto começou equilibrado, com o Manaus fechando bem os espaços enquanto o Jacupa buscava um jogo mais reativo. Para a nossa surpresa, até que o esquema do Jacuipense proporcionou ao time chances de abrir o placar, mas a dificuldade de finalizar e a eficiência da zaga do Gavião foram os principais entraves. Após o bom início do Jacuipense, o Manaus colocou a bola no chão e tomou as rédeas da partida. O time só não chegou ao gol porque encontrou o goleiro Jean em dia inspirado.

No segundo tempo o Jacuipense voltou novamente melhor, mas ainda esbarrava na conclusão das jogadas, já o Manaus só conseguiu retomar o controle do jogo depois que o Evaristo fez alterações. E uma delas foi decisiva para o placar: João Diogo entrou aos 28, sofreu o pênalti aos 29 e fez o gol aos 31. Vale lembrar que o Jean defendeu o pênalti, mas João Diogo fez no rebote.

 

Volta Redonda (RJ) 2 x 0 Ferroviário (CE)

Este era o jogo da vida para os dois times, porque uma vitória valia o G4 e a derrota deixaria os clubes longe da segunda fase e o empate não era bom para ninguém. Quando a bola rolou, o Volta Redonda foi o dono do jogo desde o início. O time inclusive poderia ter aberto o placar logo aos 15 minutos com Luciano Naninho de pênalti, mas o goleiro Rafael defendeu. O arqueiro chegou a bater a marca de quase 400 minutos sem tomar gol.

Mesmo com a cobrança desperdiçada, o Volta Redonda continuou dominando o jogo e conseguiu abrir o placar no início do segundo tempo com Natan, com a bola desviando em Emerson e Rafael nada pôde fazer. A vitória era importantíssima, mas faltava ainda um brilho, aquele gol.

Pois bem, ele veio aos 36 minutos, com Pedrinho. O jovem atleta cobrou uma falta magistral e fez o segundo do Voltaço, um golaço digno do gol de nº 300 da Série C 2021.

 

Paysandu (PA) 1 x 0 Santa Cruz (PE)

Tivemos um jogo extremamente disputado na Curuzu, bastante truncado e brigado, como era de se esperar. Sem contar com Rildo, vetado antes do jogo, as fichas do Paysandu se depositaram no (muitas vezes criticado) Marlon — e não é que ele correspondeu? O meia fez uma boa partida, principalmente no 1º tempo, quando o Paysandu foi melhor, mas não conseguiu chegar aos gols. Pelos lados do Santa, o time entrou com uma postura mais defensiva (diferente dos últimos dois jogos) e acabou jogando pelos contra-ataques principalmente. Faltou mais do meia Jailson, protagonista nos últimos jogos, mas que não conseguiu repetir a dose.

Logo no começo do 2º tempo, o Santa abriu o placar com Pipico, de cabeça, mas o lance foi invalidado. Pelo ângulo é complicado, o lance foi rápido e bem ajustado. Com um Santa Cruz melhor, a etapa foi de muita trocação, mas outro jogador bastante criticado pelas cornetas bicolores resolveu aparecer, o meia Ruy. Sempre pressionado pelas atuações, foi o jogador que tirou dois jogadores do Santa da jogada e iniciou o lance do gol, que terminou com Marino subindo de cabeça na área para abrir o placar.

Já nos últimos lances tivemos a expulsão de Maycon Lucas (Santa) e Paulinho (Paysandy) após um lance em que os dois se estranharam. Pelo lance fica nítido que Maycon bateu, Paulinho tomou, mas o juiz resolveu expulsar os dois.

 

Botafogo (PB) 1 x 1 Tombense (MG)
A curiosidade desse jogo está nos nomes dos estádios, já que os dois times tem um Almeidão para chamar de seu. O Almeidão de João Pessoa é o José Américo de Almeida Filho, enquanto o Almeidão de Tombos é o Antônio Guimarães de Almeida, no caso dessa rodada o Almeidão foi o de João Pessoa.

Falando da partida, começou disputada com as duas equipes defendendo bem e não deixando o adversário criar. Quando fica difícil passar pela defesa o manual do futebol diz ser preciso arriscar de fora da área, e foi assim que o Belo chegou ao seu gol. Tinga bateu de longe, Felipe Garcia bateu roupa e no rebote Tsunami completou.

O gol deu tranquilidade ao Botafogo, que passou controlar a partida. Quando parecia que o jogo já estava decidido o Tombense resolveu estragar a festa: Vitinho lançou David que cruzou na cabeça de Manoel que empatou a partida no apagar das luzes

 

GRUPO B

Mirassol (SP) 2 x 5 São José (RS)

7 gols em um confronto direto pela fuga do rebaixamento e cheio de polêmicas também. Apesar do placar final, foi o Mirassol que começou bem na partida, tendo um futebol extremamente ofensivo e marcando a saída de bola do São José, tanto que o clube abriu o placar. Com o gol tomado o São José escolheu ir mais ao ataque e deu certo para o time gaúcho, que virou o jogo ainda no 1º tempo.

De polêmico tivemos dois lances logo no começo do jogo: falta de ataque do São José na zaga em lance de gol adversário e também um suposto pênalti no atacante Mazola, que reclamou de pênalti (parece que foi), mas ele acabou tomando amarelo por simulação. Tivemos também dois gols anulados (aparentemente de forma correta) para o Mirassol.

Jogo equilibrado, times atacando, só que aí veio o segundo tempo. Eu não sei o que o técnico Pingo disse aos seus comandados, mas o Zeca voltou muito mais ligado na partida e com 8 minutos de segundo tempo já tinha feito 4 a 1. O jogo praticamente se definiu aí, o São José perdeu muitas chances, o Mirassol estava completamente bagunçado, muito aberto, sem cobertura defensiva. No final ainda saiu um gol para cada lado, mas foi igual aquele final de jogo entre solteiros x casado, onde a turma já tá pensando no churrasco.

 

Botafogo (SP) 1 x 4 Novorizontino (SP)

O Botafogo-SP começou o jogo bastante agressivo, com o time mantendo a posse de bola e pressionando logo após perder a bola. Um começo muito promissor que melhorou ainda cedo, quando a bola sobrou livre para Walter, cara a cara com o goleiro. Aí foi caixa! Só que após o gol a partida perdeu todo o ritmo. Nenhum dos times conseguiu criar boas chances, tanto que o Novorizontino, com Edson Silva, achou um gol de escanteio já nos acréscimos da partida. Tirando os lances de gol, foi um primeiro tempo bem ruim.

Nos 45 minutos finais o Novorizontino resolveu mostrar porque é o vice-líder da competição. A equipe voltou bem melhor e usou muitos os lados, principalmente o seu lado esquerdo, para chegar no ataque. Foi dali que saíram os três gols da equipe no segundo tempo. Destaque para as atuações de Douglas Baggio (gol e assistência) e Willean Lepo (assistência), que mudaram a história do jogo. Os atacantes Guilherme Queiroz e Welinton Torrão (estreando) deram os números finais para a partida.

 

Paraná (PR) 2 x 1 Criciúma (SC)

Antes de falarmos da vitória importantíssima da equipe paranista precisamos falar sobre o protesto que os jogadores realizam antes da partida por conta de salários atrasados (entre 3 e 4 meses) para jogares e funcionários equipe. Como resposta a toda essa situação os atletas não realizaram concentração, se encontraram em um prédio próximo à Vila Capanema, onde alguns deles moram, chegaram juntos a pé ao estádio e também atrasaram para subir a campo.

A situação financeira do clube é alarmante, fruto de más administrações e acordos. Hoje, o Paraná não briga só pela permanência na Série C, também luta para permanecer funcionando. Após os acontecimentos, a torcida do Paraná criou uma campanha para arrecadação de fundos e tenta ajudar os jogadores e funcionários do clube.

Falando do jogo, houve uma mudança bastante interessante e que pode ter decidido a partida para o Paraná: o atacante nigeriano Ebere foi escalado como um 9, no lugar do Reis, deixando o ataque muito mais móvel e rápido. Foi dos pés dele, inclusive, que saiu o primeiro gol na partida. Com o placar favorável, a equipe se recolheu e aguardou o Criciúma. Em um desses lances, conseguiu sair rápido com Alex Murici, que tocou para Ebere, emendando para Gustavo França fazer o gol. Foi uma vitória gigante para a tentativa de permanência na Série C.

O Criciúma não jogou mal a partida. Na verdade, a equipe criou muitas oportunidades, mas o goleiro Bruno Grassi estava em um dia iluminado, só deixando passar um pênalti, convertido pelo meia Fellipe, já nos acréscimos do segundo tempo. Fica um sinal de alerta para a equipe catarinense olhar melhor o posicionamento defensivo, principalmente quando joga fora de casa, mas não é uma derrota que atrapalha os planos da equipe na competição, uma vez que o time está bem encaminhado para uma vaga no quadrangular final.

 

Ypiranga (RS) 2 x 0 Oeste (SP)

O jogo que decretou o rebaixamento do Oeste e praticamente acertou a classificação do Ypiranga (faltava ainda o resultado do Figueirense) foi bem fraco. O Ypiranga jogou o primeiro tempo com freio de mão puxado enquanto o Oeste tentava criar, mas a falta de criatividade não deixou o time ir longe.

No segundo tempo o sistema defensivo do Oeste entrou em pane e Rodolfo (mais uma vez) bobeou na saída de bola. Sabe quem não bobeou? O jogador Luiz Felipe, do Ypiranga, que roubou a bola e abriu o placar. Cinco minutos depois, Quirino arriscou de fora da área, Rodolfo deu rebote e Silvano aproveitou para ampliar.

Com o resultado, o Oeste é o primeiro rebaixado para a Série D de 2022. A equipe conseguiu apenas 1 vitória em 15 jogos, marcando no total 7 pontos e chegando a 8 gols feitos em toda a competição.

 

Figueirense (SC) 1 x 2 Ituano (SP)

A partida dava ao Figueirense a chance de entrar na briga pela segunda fase, mas também era a chance do Ituano praticamente carimbar a vaga. No fim, melhor para o Ituano. O primeiro tempo foi muito brigado, mas de poucas chances efetivas pelo lado do Figueirense. O baixo aproveitamento em finalizações mostrado desde o início do campeonato apareceu mais uma vez e os poucos chutes certos paravam nas mãos de Pegorari. O Ituano, por outro lado, criava menos, mas a pontaria estava em dia, o que acabou obrigando o goleiro Rodolfo Castro a salvar o time da casa em muitas situações.

O segundo tempo se desenhava morno até que o Ituano resolveu a partida em 3 minutos, conseguindo fazer os seus dois gols. Aos 27 minutos, Gerson Magrão cobrou escanteio e Bruno Lima cabeceou para abrir o placar. Aos 29 minutos, Gerson Magrão cobrou falta e Lucas Nathan apareceu sozinho para aumentar o placar. O Figueira ainda diminuiu com Mirandinha, mas já era tarde demais. Esse resultado foi muito comemorado não só pelo Ituano, mas também por Ypiranga e Novorizontino, que já não poderiam mais ser ultrapassados pelo quinto colocado e garantiram vaga na segunda fase.


Curtiu o texto? Então comenta aí. Não esquece de seguir o Chama o VAR, temos TwitterInstagram TikTok. Mas não é só isso, aproveita e se inscreve no nosso canal do YouTube para assistir nossas lives semanais sobre a Série C e vem de play nos nosso episódios semanais de podcast. Todos os Clubismo da Série C você encontra no Chama o VAR.

Comentários