Rentistas: Seis grandes histórias da zebra uruguaia

Divulgação
94

Dos campeonatos nacionais da América do Sul, o do Uruguai é certamente um dos menos competitivos de todos. O monopólio de títulos de Nacional e Peñarol é rompido em raras ocasiões (e quando elas acontecem vale sempre destacar).

É o caso do campeonato uruguaio de 2020, que viu o Clube Atlético Rentistas como campeão do torneio Apertura. A zebra é ainda mais saborosa quando sabemos que o clube de bairro estava na segunda divisão na temporada passada. Mas muito além de um nome esquisito, o Rentistas tem muitas histórias interessantes para contar. Confira a seguir:

A origem do nome

121065523 3577581735626651 3328541182814840578 O
(Reprodução/Facebook CA Rentistas)

O Rentistas foi formado em março de 1933 por um grupo de amigos do bairro Cerrito de la Victoria, em Montevidéu. Dentre eles estava Esteban Marino, que anos depois viria a se tornar um renomado árbitro de futebol.

Reza a lenda que o nome do time surgiu após um vizinho ficar incomodado com os rapazes passando o dia inteiro jogando bola. Ele teria perguntado jocosamente:

– Algum de vocês trabalha amanhã?

Após um breve silêncio, um dos garotos respondeu:

– Vivemos de renda.

A piada pegou e um dos fundadores, Emilio Pronzolino, decidiu batizar a nova agremiação de Clube Atlético Rentistas.

Polêmica com figurão

Desde que foi criado, o El Bicho (como é apelidado) mantém-se como um clube de bairro com parcos recursos. Porém, curiosamente ou não, ele já esteve ligado em um suposto caso de evasão fiscal envolvendo um grande figurão do futebol.

Nos anos 2000, o clube chegou a ser usado como laranja pelo empresário uruguaio Juan Figger, que assinava com diversos jogadores do futebol brasileiro e depois os negociava na Europa. Como na época o Uruguai era um paraíso fiscal, os tributos pagos nessas transações eram muito menores.

Foi assim que Hulk, Walter, Filipe Luís, Thiago Ribeiro, entre outros, foram oficialmente jogadores do Rentistas, embora jamais tivessem vestido a camisa do clube.

Em 2012, a Fifa passou a investigar supostas irregularidades nesse tipo de negociação, sem sucesso, e em 2015 passou a banir esse tipo de prática do futebol. Hoje Juan Figer não tem mais ligação com o Rentistas e diz estar aposentado dos negócios.

Já o Rentistas parece ter deixado para trás esses tempos nebulosos e mudou seu esquema de gestão. Desde 2018, El Bicho é uma Sociedade Anônima Desportiva (cuja sigla é SAD), em que a administração do departamento de futebol do clube fica a cargo de um grupo gestor durante 15 anos.

Importante notar que essa modalidade está em voga entre os times menores do Uruguai (ou seja, quase todos que não sejam Nacional e Peñarol). Tanto que os três clubes que saíram da segunda divisão em 2019 para a primeira em 2020 adotam o modelo SAD (Rentistas, Deportivo Maldonado e Montevideo City Torque – o time dos donos do Manchester City).

Campeão de 3 divisões

Como um clube pequeno, o Rentistas suou muito para chegar à primeira divisão. O clube se profissionalizou em 1947, mas só chegou à Primera División em 1972 (25 anos depois).

Nesse meio tempo, o clube foi campeão do Divisional Extra (que correspondia à quarta divisão, hoje extinta), a Divisional Intermedia (que correspondia à terceira divisão, hoje chamada de Primera División Amateur, ou La C), e da Segunda División em quatro ocasiões (1971, 1988, 1996, 2010-11).

Se conseguir se tornar campeão uruguaio em 2021, o clube colorado pode se tornar o primeiro campeão das quatro divisões nacionais do país.

O trauma de 1998

A outra vez que o Rentistas ficou perto de alcançar esse feito na Campeonato Uruguaio de 1998. Após quase ser rebaixado em 1997, o El Bicho fez uma campanha histórica no Clausura e entrou na última rodada como líder da competição, com dois pontos de diferença para o vice Nacional. O destaque da equipe treinada por Martín Lasarte era o goleiro Álvaro Núñez, que ficou incríveis 947 minutos sem tomar um gol (levou apenas na primeira rodada).

Na última rodada, o então invicto Rentistas pegaria o Danubio, que flertava perigosamente com o rebaixamento. Mas mesmo jogando em casa, no recém-inaugurado Estádio Complejo Rentistas, os anfitriões foram superados por 2 a 0.

No mesmo horário, o Nacional vencia o Huracán del Paso de la Arena e se sagrava campeão uruguaio (já que também tinha vencido o Apertura). Até hoje, esse é um dos maiores traumas da história da torcida rentista.

Com essa campanha, o Rentistas pode disputar a extinta seletiva para a Libertadores (Liguilla), mas o baque foi tanto que nem isso conseguiu e a vaga ficou com o Bella Vista.

Como consolação, o time colorado ficou com uma das vagas para a Copa Conmebol 1999, mas na época o torneio já estava bastante sucateado e, a exemplo de outros clubes, acabou desistindo da competição.

A campanha de 2020

Após 22 anos do trauma de 1998, a torcida pode finalmente soltar o grito de campeão. E o melhor de tudo é que foi justamente em cima do Nacional.

Nas três primeiras partidas foram três vitórias (inclusive contra o Nacional), que colocaram o El Bicho na liderança antes da parada da pandemia. No retorno em agosto, o time demorou a engrenar, emendando uma sequência de quatro empates até a vitória contra o Progreso.

Na antepenúltima rodada, o Rentistas sofreu sua primeira e única derrota até então, contra o Cerro. Com isso, o Nacional aproveitou para tomar a ponta. E na última rodada, com Nacional e Rentistas empatados em pontos e em todos os critérios técnicos, o adversário dos colorados seria o… Danubio. Sim, era 1998 novamente.

E se dessa vez não houve derrota, teve um empate em 1 a 1. Mas, por sorte, o Nacional também empatou seu jogo contra o Deportivo Maldonado. Assim, a definição do campeão do Apertura seria em um jogo de desempate no estádio Centenário.

A partida foi muito brigada, com direito a expulsão do lado do Nacional no finzinho do segundo tempo. A partida foi para a prorrogação e, aproveitando a vantagem numérica, o Rentistas foi para o ataque e marcou o único gol da partida em um belo chute de primeira de Gonzalo Vega.

Técnico e tabelião

O dia seguinte da decisão foi bem diferente para os dois técnicos. Do lado do Nacional,
Gustavo Munúa acabou demitido mesmo tendo classificado a equipe para as oitavas de final da Libertadores. E do lado do Rentistas, após uma merecida comemoração, o técnico Alejandro Cappuccio, de 43 anos, não quebrou a rotina e foi bater cartão no escritório de notas onde trabalha como tabelião.

A história de Capuccio é um capítulo à parte. Ele começou no futebol como zagueiro no Nacional, mas era considerado baixo demais para a função (tem 1,70 m) e foi encorajado pelo técnico Humberto Grondona a continuar estudando. Então, se formou em Direito e em Educação Física. Em 2011 foi convidado a treinar a categoria de bases do Montevideo Wanderers e passou por juvenis de outros clubes, incluindo o Peñarol. Em 2018 foi convidado a estrear no comando de um time profissional, no caso o Rentistas, então na segunda divisão.

Mesmo com a carreira como técnico deslanchando, ele afirma que não pretende largar o escritório de notas por enquanto. Ele diz que o trabalho de um treinador é instável, pode durar anos ou algumas poucas partidas, enquanto como tabelião sempre haverá clientes esperando. Além disso, ele diz que tem uma família constituída, com filhos pequenos, e não gostaria de deixar Montevidéu tão cedo.

É campeão uruguaio?

É importante explicar: em outubro de 2020, o Rentistas foi campeão do Torneio Apertura do campeonato uruguaio. Transportando para a nossa realidade, seria como ser o campeão do primeiro turno do Brasileirão, que aqui recebe o Troféu Osmar Santos.

A liga uruguaia ainda tem um torneio curto de meio de temporada chamado Torneo Intermedio (com dois grupos de 8 clubes se enfrentando e os melhores de cada grupo fazem a final) e o Torneio Clausura, o segundo turno do campeonato.

Ao fim dessa fase, os campeões do Apertura e do Clausura se enfrentam em uma semifinal de jogo único. E quem vencer enfrenta o clube melhor colocado na classificação geral (contando os três torneios).

Para ficar mais claro, vamos usar o exemplo da edição de 2019:

  • Peñarol foi campeão do Apertura 2019
  • Nacional foi campeão do Clausura 2019
  • Nacional foi o melhor colocado no ranking geral

Peñarol e Nacional fizeram a semifinal do Uruguaio. O Nacional venceu e se sagrou campeão. Mas caso tivesse perdido, ainda poderia disputar a final em ida e volta contra o mesmo Peñarol.

Ou seja, embora o Torneio Apertura, Intermediário e Clausura sejam considerados competições distintas, ainda não dá para considerar o Rentistas como campeão uruguaio. Só saberemos disso ao final do campeonato.

Mas isso não significa que a façanha do clube não seja impressionante. Desde que esse sistema foi implementado, em 1994, apenas outros cinco times conseguiram ser campeões da Apertura:

  • Nacional (12)
  • Peñarol (5)
  • Defensor Sporting (4)
  • Danubio (3)
  • Rocha (1)
  • Rentistas (1)
Comments