Queda livre: 12 clubes que “santacruzearam” no passado

0 70
Sem Brian Clough (de verde), o Nottingham Forest perdeu o rumo e foi parar nas divisões inferiores da Inglaterra
Sem Brian Clough, o Nottingham Forest foi parar nas divisões inferiores inglesas

Por Fellipe Igor Teodoro

Grandes quedas em curtos espaços de tempo não são exclusividade do Santa Cruz. Apesar da história do clube ter se mostrado um caso único e particular, outros clubes tradicionais em suas regiões e países passaram por momentos tão trágicos quanto os da Cobra Coral.

www.zoomproperty.com

Seja por questões financeiras, políticas ou por falta de organização, os times a seguir foram parar em divisões incompatíveis com seus resultados. Alguns, aos poucos, tentam se reerguer, mas há quem vá completar mais de uma década de maus resultados e não consiga enxergar um futuro promissor…

Clubes espanhóis: Más administrações, elencos medíocres e, principalmente, uma Federação que não deixa clubes com problemas financeiros saírem impunes, fizeram com que muitos times freqüentadores de La Liga nos anos 80 e 90 despencassem rumo ao limbo. O mais conhecido é o Alavés, vice-campeão da Copa UEFA no início da década e hoje na terceira divisão. Há ainda Badajoz, Extremadura e Mérida, que competem na quarta divisão; além de Compostela e Real Oviedo, recém-promovidos a terceira divisão. Boa parte das punições e rebaixamentos ocorreu há anos, mas os clubes ainda não encontraram o caminho de volta ao topo.

Verona: Um título italiano, na temporada 1984/85, uma série de participações em competições européias, e craques como Briegel, Elkjær, Gauderisi e Paolo Rossi. O futuro dos Gialloblu parecia tão promissor que, para provocar, seus torcedores diziam que quando o rival Chievo chegasse a elite, burros voariam. Hoje, o Chievo está na Série A, ainda que não tenha se aproximado dos feitos do Verona, que, por sua vez, passou de candidato a grande a integrante da terceira divisão, onde já chegou a ser ameaçado de rebaixamento.

BFC Dynamo: Nem o mais pessimista torcedor do clube iria acreditar que um dos maiores campeões da Alemanha Oriental – conquistou 10 títulos consecutivos na década de 80 – iria parar em uma quinta divisão. Uma debandada de jogadores, e uma isolada má campanha na temporada 1990/91, fez com que o time fosse parar logo de cara na terceira divisão da Alemanha reunificada. O passado cercado de suspeitas em relação a origem dos títulos fez com que o time nunca tivesse o apoio necessário para um retorno, e a atual temporada já é a sexta consecutiva jogando pela Oberliga Norte.

Nottingham Forest: De todas as histórias envolvendo clubes decadentes, eis a mais trágica. A história do clube pode ser facilmente dividida entre antes e depois de Brian Clough, ex-jogador da seleção inglesa e ídolo do Middlesbrough. Como técnico, Clough ajudou a tirar a equipe da segunda divisão e a levou a conquista de onze competições, dentre elas duas Ligas dos Campeões da Europa, um feito inacreditável que surpreendeu o continente inteiro. Em 93, dezoito anos após assumir o cargo, Clough foi embora. E quase dezoito anos depois de sua saída, a torcida ainda sente falta de um grande treinador e de bons jogadores, o que a faz sofrer com campanhas modestas no mesmo campeonato de onde o clube sairia para viver seus melhores momentos.

Matonense: Na década de 90, conseguiu uma inacreditável série de acessos, saindo da quarta para a primeira divisão paulista em apenas três anos. O time liderado pelo atacante Táxi, que ganhou fama graças as narrações de Luciano do Valle, parecia ter um futuro promissor. Ledo engano. Crises políticas fizeram com que o time chegasse a ter dois presidentes, cada um com um grupo de jogadores, e em pouco tempo o time voltara a mesma quarta divisão de onde havia saído. Em 2008, a Águia Azul esteve licenciada, e neste ano, apesar de alguns bons resultados, já foi eliminada da última divisão estadual.

Bangu: Está certo que campanhas como o vice-campeonato brasileiro de 1985 só foram possíveis, em grande parte, pela ajuda do bicheiro Castor de Andrade, presidente de honra e financiador do clube. É verdade, porém, que mesmo antes da morte de Castor, em 1997, o clube que detém dois campeonatos cariocas e tem uma participação na Libertadores já não vivia seus melhores dias. Mas a atual década pode ser considerada como perdida para o clube desistiu por dois anos consecutivos de jogar competições nacionais, das quais o clube não participa desde 2004.

Inter de Limeira: Assim como no caso do Bangu, trata-se de um time cujos momentos de glória fazem parte de um passado cada vez mais distante. Mas para quem foi o primeiro clube do interior a conquistar o título paulista e ainda duas edições da Série B estadual, equivalente a quarta divisão paulista (e onde o clube irá jogar em 2010), é muito pouco. Há alguns anos sem dar sinais de que teria condições de fazer boas campanhas, o Leão da Paulista parou de rugir. Os atuais gestores, no entanto, garantem que a torcida terá motivos para comemorar o centenário em 2013. Algo que só o tempo dirá.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...