Prazer, sou o Brasília e tenho 12 histórias para contar

0 173

Valeu a pena acompanhar de perto a Copa Verde 2014. A competição mais alternativa do Brasil teve uma final impressionante, em que o Brasília surpreendeu o Paysandu e foi campeão nos pênaltis. Foi aí que muitos se perguntaram: mas que Brasília é esse? De onde surgiu? Como chegou até aí? Na análise feita pela Última Divisão antes do início da Copa Verde, apontamos que o Brasília podia surpreender. Não foi uma aposta à toa. O time havia sido vice-campeão brasiliense em 2013 e teve bom desempenho na Copa São Paulo de 2014. Mas a história do clube não é recente, muito pelo contrário. Na verdade, existem muitas histórias, curiosidades, altos e baixos do Brasília para contar. Listamos 12 delas abaixo:

Por um tempo tentaram desfigurar o Brasília, colocando azul e verde no escudo, mas logo o time voltou a ser o Colorado do Cerrado
Tentaram desfigurar o Brasília, colocando azul e verde no escudo, mas logo o time voltou a ser o Colorado do Cerrado

1. Influência carioca

Fundado em 1975, o Brasília já nasceu vermelho e branco. Reza a lenda que isso aconteceu porque Mário Trigo, ex-dentista da Seleção Brasileira e um dos fundadores do clube, sugeriu as cores por inspiração no América-RJ.

2. Hegemonia candanga

O Brasília já foi o principal time do Distrito Federal por um longo período – conquistou 8 estaduais entre 1976 e 1988, além de disputar (sem destaque) a Série A do Campeonato Brasileiro por sete vezes nesse período. Somente a partir da década de 90 é que o time passou a ser ofuscado por Gama e Brasiliense.

3. Fracasso nacional

O Brasília é um dos poucos times que conseguiu a proeza de não marcar sequer um ponto em uma edição da Série A do Campeonato Brasileiro. Isso aconteceu em 1984, quando o time acumulou oito derrotas, fez quatro gols e sofreu 24. Além dele, o River (PI) também não tinha vencido em 1982.

4. Problemas existenciais

O Brasília esteve muito perto de acabar no final da década de 90. Fundado como Brasília Esporte Clube, ele virou empresa, mudou de nome para “Futebol Clube” e teve até o escudo e as cores alterados. Há quem não aceite o time atual como sendo o mesmo de 1975, ainda que as cores tenham sido resgatadas. Além desses problemas de identidade, desde 1999, o time passou a sofrer com rebaixamentos no estadual e outros vexames.

Luis Carlos Alcoforado comprou o Brasília em 2011
Luis Carlos Alcoforado comprou o Brasília em 2011

5. Tapetão

Em 2011, o Brasília caiu para a segunda divisão do Brasiliense, mas reverteu isso nos tribunais. O Atlético Ceilandense foi punido com a perda de 13 pontos por escalar um jogador de forma irregular. A decisão foi muito polêmica, especialmente por ter acontecido com demora e depois que o Brasília foi comprado por um homem poderoso na Capital Federal…

6. Política e graves suspeitas

Luis Carlos Alcoforado é o dono e presidente do Brasília, mas também é advogado e parceiro do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. Só isso já bastaria para mantê-lo sob vigilância, mas ainda aconteceram algumas acusações – a revista Veja denunciou que o Ministério Público está de olho na ligação entre políticos e clubes de Brasília. Há suspeita de propina, lavagem de dinheiro e troca de privilégios por causa do Estádio Mané Garrincha, que será palco de investimentos nos próximos anos.

7. Aposta na base

Desde que assumiu o Brasília, Luis sempre disse que apostaria nas categorias de base. É um discurso pronto de muitos dirigentes, mas aparentemente é real no Brasília. Neste ano, pela Copa São Paulo, o time fez bonito e só caiu nas oitavas de final, após disputa nos pênaltis com o São Paulo. Parte desse time Sub-20 foi migrado para o elenco que disputou o Candangão 2014 e depois foi campeão da Copa Verde.

8. Vitória por falta de chuteiras

Parece inacreditável, mas aconteceu: logo no primeiro jogo do Candangão 2014, o Brasília não atuou porque o time adversário estava sem chuteiras. O motorista do Formosa, que estava com os calçados, desapareceu. A diretoria até foi às compras, mas chegou tarde demais. O juiz decretou vitória do Brasília por W.O. Só depois a partida foi remarcada e o Brasília venceu por 3 a 2. Com chuteiras.

Cadê as formosas chuteiras?
Cadê as formosas chuteiras?

9. “Tiki taka do cerrado”

O Brasília começou 2014 com um técnico cheio de pompa. Marcos Soares fez estágio na Europa e queria implementar o que ficou conhecido como “tiki taka do cerrado”. Porém, após duas vitórias (uma por W.O.) e três empates, já foi demitido, mesmo invicto. Atualmente ele está no Brasiliense e vai enfrentar o Brasília na semifinal do Candangão.

10. Time maratonista

Atrasos causados pela bagunça no Candangão 2014 obrigaram o Brasília a enfrentar uma maratona de 6 jogos em 14 dias. O time aguentou bem e avançou tanto no Estadual quanto na Copa Verde, apesar de algumas derrotas. Veja o resultado de todos jogos AQUI.

11. Invasão e PM no clássico

Foi bastante curioso e lamentável: o Brasília foi derrotado pelo Brasiliense, no primeiro jogo da semifinal da Copa Verde, por 2 a 0. Parecia tudo perdido, mas o time reagiu, venceu por 3 a 0 no jogo de volta e revoltou os rivais. Houve invasão de torcida, e a Polícia Militar teve que entrar no gramado com bombas de efeito moral para afastar proteger os jogadores do Brasiliense.

12. Estádio-igreja

É normal ver jogadores rezando na concentração, no ônibus ou nos vestiários. Mas o Brasília fez cultos até no reconhecimento de estádio: antes da final contra o Paysandu, o time organizou uma cerimônia religiosa no Estádio Mané Garrincha, inclusive com canções evangélicas puxadas pelos jogadores mesmo.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...