Pickles, o cão que encontrou a taça roubada

Imagem: Reprodução
253

Todos certamente já ouviram falar que o cão é o melhor amigo do homem, e havemos de concordar com tal afirmação – além de acrescentar que o futebol talvez seja uma das maiores paixões dos seres humanos.

Sendo assim, por que não lembrar da vez em que um cãozinho que passeava com seu dono encontrou a Taça Jules Rimet, o grande troféu da Copa do Mundo de futebol, que seria disputado naquele ano, em 1966, e virou celebridade mundial?

Mas antes de falarmos do acontecido, devemos relembrar tudo o que aquele Mundial representava, além do que poderia acontecer em solo Inglês, caso as seleções brasileira ou italiana ficassem com o título.

Publicidade

Pois bem: em 1966, a Copa do Mundo finalmente teria sua disputa sediada na Inglaterra, país que criou a primeira associação de clubes no século 19, além de organizar e inventar regras para o esporte.

No começo daquela década, Arthur Drewry era o presidente da Fifa, inglês e o principal responsável pela decisão da sede. Coincidência ou não, os ingleses venceram uma disputa contra a Alemanha e Espanha (que desistiu no meio do processo de candidatura) pelo direito de sediar o Mundial. Drewry acabou falecendo em 1961, sendo sucedido provisoriamente por Ernst Thommen, e posteriormente de forma definitiva por Stanley Rous.

A seleção brasileira, nesta Copa do Mundo, vinha do bicampeonato, e ficaria com o troféu em definitivo se vencesse – assim como a Itália. Mas ambas as seleções decepcionaram e foram eliminadas ainda na primeira fase do torneio. A efeito de curiosidade, a taça Jules Rimet era inspirada na deusa grega Niké, que é a personificação da vitória.

A Jules Rimet chegou na terra da rainha em janeiro, meses antes da realização da Copa, que aconteceria em julho. No dia 20 de março, porém, ladrões aproveitaram uma distração dos seguranças e efetuaram o roubo do troféu, após exposição pública na Igreja Metodista Westminster Central Hall, em Londres.

O caso passou então a ser investigado pela famigerada Scotland Yard e alguns dias depois, foi repassado para a Flying Squad, uma divisão da polícia de Londres especializada em roubos. Eis então que um pedido de resgate no valor de 15 mil libras por um homem que se identificou como Jackson, foi enviado a um diretor da Associação de Futebol Inglesa, a FA.

O encontro acabou sendo mal-sucedido, já que Jackson, que na verdade se chamava Edward Betchley, era meramente um intermediário do negócio, enviado apenas para receber o dinheiro, e que por sua vez, não possuía participação efetiva no furto.

353px Picklessignbeulahhill
Imagem: Wikipedia

Sete dias depois, no dia 27 de março de 1966, um senhor chamado David Corbett e seu cachorro Pickles passeavam tranquilamente em um subúrbio localizado no sul de Londres. Foi quando Pickles farejou um arbusto e tal ação chamou atenção de dono, que notou um embrulho enrolado em folhas de jornal e rasgou um pedaço do embrulho para ver o que poderia ser.

Nele, viu escrito Brasil, Alemanha e Uruguai, os países que já haviam erguido esse troféu em Copas anteriores. Corbett foi até a delegacia devolver a taça, e após algumas perguntas acabou sendo liberado.

Logo que a notícia se tornou pública, Pickles se tornou uma celebridade nacional, com uma grande gratificação pelo feito. O cão recebeu uma recompensa de ração grátis por um ano, gratificação no valor de 5 mil libras, utilizada pelo seu tutor para investimento em uma casa, além de ter participado de filmes e programas de televisão. Pickles ainda recebeu uma medalha de prata da Liga Nacional de Defesa Canina.

Pickles Dog
Imagem: Wikipedia

Infelizmente, apenas um ano após o grande feito de sua existência, Pickles acabou morrendo ao correr atrás de um gato, sendo sufocado pela coleira, que se enroscou em um galho. Foi enterrado no jardim da casa que seu dono havia comprado com as cinco mil libras. Encontra-se lá até hoje, com uma placa dizendo: “Pickles, the finder of the World Cup 1966″.

Por conta do ocorrido, em 1968 a Fifa encomendou uma réplica da taça, que passou desde então a ser apresentada como sendo a original em cerimônias e eventos promocionais da entidade, para evitar o mesmo acontecido na Inglaterra.

Infelizmente, essa não foi a única vez na história do futebol em que a Jules Rimet foi roubada. No dia 19 de dezembro de 1983, a taça foi roubada da sede da Confederação Brasileira de Futebol, no Rio de Janeiro, e nunca mais foi encontrada.

Naquela Copa do Mundo, tivemos a primeira aparição de um mascote. O Leão, animal símbolo da Grã-Bretanha, como o nome de Willie, foi o primeiro mascote da história das Copas, e um dos primeiros mascotes a ser associado com uma competição esportiva importante. Mas, com toda certeza, o animal que roubou a cena foi o nosso grande herói Pickles, que garantiu que Bobby Moore, capitão inglês, pudesse erguer a taça no dia 30 de Julho de 1966, no Wembley.

Comentários