Os anos difíceis: “O Faz-Me Rir”

0 621

O torcedor gosta de ver seu clube do coração ganhar todos os títulos. Mas nem sempre é assim. Dirigentes omissos, atletas descompromissados e torcedores impacientes podem levar clubes tradicionais a momentos complicados. Última Divisão recorda os períodos de fila do Trio de Ferro paulistano.

“Faz-Me Rir”

Duração: 23 anos (1954 a 1977)

Cinco ídolos do período: Rivelino, Flávio Minuano, Dino Sani, Paulo Borges e Tião

O time ficou conhecido como Faz-Me Rir por um sucesso da cantora Edith Veiga

Agonia e rancor. Durante décadas, os corintianos sofreram com elencos modestos. Foram mais de 30 anos que o time ficou sem conquistou um único Campeonato Paulista. Na época, a competição era tida como a principal pelos times grandes do Estado. Nesses anos, o clube de Parque São Jorge era comandado pelo advogado e político Wadih Helu (1922-2011). Adversário histórico de Vicente Matheus, Helu era tido como um cartola que usava a agremiação para beneficiar-se politicamente.

Uma das principais dores de cabeça dos corintianos eram os jogos contra o Santos.  O clube paulistano ficou onze anos sem conquistar uma vitória em cima do rival. Em março de 68, o Timão finalmente voltou a vencer o alvinegro praiano. A partida terminou 2 a 0 com gols de Paulo Borges e Flávio Minuano. Era o fim do tabu.

Rivellino jogou no Corinthians durante nove anos

O ícone dos anos difíceis no Corinthians foi o meia-esquerda Roberto Rivellino, o Reizinho do Parque. Foram nove anos e 473 jogos com a camisa da agremiação. A única conquista foi um Rio-São Paulo em 1966. “Ele era a nossa estrela, a nossa referência. Era como o Neymar é hoje pro Santos”, relembra o ex- lateral Oswaldo, que atuou no Corinthians durante três anos.

Em 1974, o time chegou perto de conquistar o Paulista. O Timão era tido como o favorito contra o Palmeiras. O gol do centroavante alviverde Ronaldo acabou com a festa dos corintianos que lotavam o Morumbi.

Depoimento: “A pressão sempre foi forte no Parque São Jorge. Na minha passagem pelo Corinthians, não conquistei títulos. Mas posso dizer que sempre jogamos com garra e não nos intimidamos contra nenhum adversário. Praticamente não tive contato com o Wadih Helu. Sem dúvida, ele era corintiano, mas era muito fechado. Não tinha muito contato com os atletas.

Tive grandes treinadores no Corinthians: Dino Sani, Zezé Moreira, Aymoré Moreira, Osvaldo Brandão e Lula. Com esse último vivemos a emoção de quebrar o tabu contra o Santos. Foi uma festa danada. Tanto que demoramos quatro horas pra voltar pro Parque São Jorge com a torcida acompanhando o ônibus por toda Marginal. Parecia que tínhamos ganhado um título. Triste mesmo foi no ano seguinte. Um acidente automobilístico acabou matando os dois irmãos que jogavam no time: o Lidu e o Eduardo. Eu tinha tido uma fratura na tíbia e estava engessado. Acabei indo no enterro dos dois. Aquilo foi um choque total e acabou abalando completamente o nosso elenco que vinha muito bem”. Oswaldo Domingues da Cunha, ex-lateral-direito do Corinthians entre 1967 e 70. Aos 69 anos, o boleiro ensina futebol para crianças no clube Santa Sofia, em Pedreira (SP).

Confira os outros períodos de fila dos grandes de São Paulo na série Os Anos Difíceis.
Você pode gostar também
Comentários
Carregando...