O que esperar dos 4 jogos que valem acesso na Série D 2020? Veja análises e curiosidades

710

Começou 2021 e ainda vamos falar da Série D 2020. Mas é a reta final: No dia 2 de janeiro, começaremos as quartas de final, que valem o acesso. Serão 4 duelos, com jogos de ida e volta, que prometem muitas emoções e curiosidades. Veja análises de cada confronto.

Marcílio Dias x Altos

Campanha do Marcílio: 4º lugar do Grupo 8; eliminou Ferroviária e Goianésia.

Curiosidade do Marcílio: O time eliminou a a forte Ferroviária mesmo com um surto de covid-19. Ao todo foram 17 infectados, entre jogadores e comissão técnica. No jogo de volta, a Ferroviária teve um jogador expulso, e o Marcílio soube aproveitar pra vencer de virada.

Publicidade

Campanha do Altos: 1º lugar do Grupo 2; eliminou Rio Branco-AC e Salgueiro.

Curiosidade do Altos: O time se classificou para as quartas de final em uma cobrança de pênaltis bem curiosa: Atrás do gol onde foram feitas as cobranças, tinha torcedores em cima de uma árvore, que ficava balançando nas cobranças dos adversários. Veja o vídeo.

O que esperar dos jogos: Não se surpreenda se essa decisão também for para os pênaltis, pois parece o duelo mais equilibrado das quartas de final. As duas equipes têm pontos fortes e problemas graves, mas em sentidos opostos. 

O Altos tem a pior defesa entre os 8 times vivos na Série D (20 gols sofridos). Isso acontece principalmente porque o time é ofensivo e até agressivo demais na marcação, sempre com linhas altos e tentativas de desarme. É legal de assistir, mas arriscado também.

Já o Marcílio tem o pior ataque entre os 8 times vivos na Série D (19 gols feitos). A defesa até compensa esse problema, pois tomou apenas 11 gols em 18 jogos, sendo a 2ª melhor da competição. Mas o técnico Waguinho Dias precisa encontrar soluções para o time fazer gols e ser mais equilibrado.

Mirassol x Aparecidense

Campanha do Mirassol: 2ª lugar do Grupo 7; eliminou Caxias e Brasiliense

Curiosidade do Mirassol: O elenco do Mirassol sofreu apenas uma lesão muscular durante toda a Série D. Segundo o técnico Eduardo Baptista, aquele ex-Palmeiras, isso acontece por causa do Centro de Treinamento do clube, famoso por ter sido montado com grande ajuda da transferência de Luiz Araújo para o futebol francês. É a prova que investir em estrutura dá certo, inclusive na Série D.

Campanha da Aparecidense: 1º lugar do Grupo 5; eliminou Tupynambás e São Luiz

Curiosidade da Aparecidense: Dá para dizer que o técnico do time, Thiago Carvalho, está no comando por acaso. Romerito, aquele ex-jogador do Sport e Goiás, foi o técnico escolhido pra treinar o time na Série D. Mas ele teve covid-19 poucos dias antes da competição começar. Thiago era auxiliar, assumiu como interino, agradou e foi efetivado. Até rolaram boatos de intriga entre Romerito e Thiago, mas agora provavelmente está tudo em paz na Aparecidense, que faz a 4ª melhor campanha da Série D.

E a Aparecidense tem outras histórias inesperadas por causa de covid-19. Primeiro porque o time só se classificou pra disputar a Série D após a desistência do Crac, que aconteceu por causa da pandemia. A prefeitura de Catalão destinou todos recursos pra saúde, então o clube ficou sem dinheiro.

A outra história é triste, porque o diretor de futebol de equipe, Cocá, morreu por covid-19 em outubro. Ele fez um bom trabalho no planejamento emergencial do clube e merece todas homenagens.

O que esperar dos jogos: Gols. Muitos gols. Os 2 times possuem os melhores ataques da competição. E as defesas não são tão confiáveis.

O Mirassol fez 37 gols, com goleadas marcantes desde a 1ª fase. É um time muito eficiente na frente da gol. Uma prova disso aconteceu no jogo de ida contra o forte Brasiliense, quando todas chances foram aproveitadas. Resultado: 4 a 0 e vaga encaminhada. Fabrício Daniel é um dos principais atacantes da competição. E o centroavante João Carlos fez boas participações no Carioca e na Série C de 2020.

A Aparecidense fez 41 gols e aplicou goleadas nos 2 duelos de mata-mata. Fez 4 a 0 no Tupynambás (volta) e São Luiz (ida). O setor ofensivo, principalmente Albano, Lucas Negueba e Alex Henrique, com certeza vai dar trabalho pro Mirassol.

Fast Clube x Novorizontino

Campanha do Fast: 2º lugar do Grupo 1; eliminou Moto Club e Globo

Curiosidade do Fast: O time amazonense passou pelos 2 mata-matas nos pênaltis. Na disputa mais recente, contra o Globo, o goleiro Alencar fez 3 defesas. Ele nem tem sido tão seguro nos 90 minutos. Mas é melhor o Novorizontino não deixar o duelo ir para os pênaltis.

Campanha do Novorizontino: 1º lugar do Grupo 8; eliminou FC Cascavel e Goiânia

Curiosidade do Novorizontino: O Novorizontino tem a melhor defesa da competição, com apenas 9 gols sofridos em 18 jogos. E a base disso está na experiência do goleiro Giovanni (ex-Atlético-MG) e dos zagueiros Edson Silva (São Paulo) e Bruno Aguiar (Santos).

O que esperar dos jogos: É um duelo de jogo coletivo contra talentos individuais.

O Novorizontino não tem um grande destaque individual, mas é muito organizado coletivamente. Seja para defender ou atacar, a equipe é muito bem treinada. O entrosamento é evidente, porque boa parte da equipe joga junta desde o começo do ano ou antes.

Já o Fast aposta principalmente em 2 jogadores contratados só para o mata-mata. Régis, aquele ex-São Paulo, e Dija Baiano, ex-Volta Redonda, já mostraram que estão acima da média pra Série D. Se estiverem inspirados, podem superar a força coletiva do Novorizontino.

Floresta x América-RN

Campanha do Floresta: 3º lugar do Grupo 3; eliminou Itabaiana e Juventude Samas

Curiosidade do Floresta: O Floresta estreou na Série D em 2019 e quase subiu. Perdeu o jogo do acesso pro Jacuipense. Depois foi rebaixado no Cearense, mas conseguiu se reerguer pra fazer uma boa Série D, mesmo sem um time muito badalado. 

Campanha do América-RN: 1º lugar do Grupo 3; eliminou Coruripe e Galvez

Curiosidade do América-RN: O time também foi eliminado pela Jacuipense no mata-mata da Série D de 2019. E o Mecão também já bateu na trave, quando disputou o acesso em 2017, mas perdeu pra Juazeirense.

O que esperar dos jogos: É o único duelo das quartas de final em que os times já se conhecem, pois estavam no mesmo grupo. 

A primeira partida, no Ceará, terminou empatada, por 1 a 1. Mas as equipes estavam em formação e eram bem diferentes.

No segundo jogo, em Natal, o América venceu por 2 a 1. Mas o Floresta cresceu no 2º tempo e quase conseguiu o empate. 

Depois disso as duas equipes melhoraram no mata-mata, sendo que o América até trouxe reforços de peso, como os experientes Rodrigo Andrade e Tartá. 

No geral, a torcida do Mecão comemorou quando houve o sorteio dos duelos. Estavam preocupados com a possibilidade de enfrentar o Mirassol. Claro que é melhor enfrentar um time já conhecido. Mas é melhor não menosprezar o Floresta, que é bem organizado e experiente.

 

Comentários