O mais belo gol de goleiro do Operário de Ponta Grossa

Crédito: Josue Teixeira/Gazeta do Povo
0 337

O Operário de Ponta Grossa foi o último clube do interior paranaense a conquistar a 1ª divisão do Estadual, em 2015. Durante o campeonato, o OFEC passou por situações não cotidianas em jogos de futebol. Na final contra o Coritiba, o Fantasma venceu por 3 x 0 em pleno Estádio Major Antônio Couto Pereira. No fim, o clube interiorano chegou a receber aplausos de praticamente toda a torcida alviverde.

“Isso é uma coisa que não se vê em todos os jogos. Isso foi um reconhecimento”, avalia o goleiro operariano na época, Jhonatan Siqueira. Foi o primeiro título do centenário Alvinegro dos Campos Gerais na elite do futebol do Paraná.

Durante a trajetória, outro fato incomum. Em um duelo contra o Nacional, fora de casa, no Estádio Erich George, em Rolândia, o goleiro Jhonatan marcou um gol da própria meta. Em um lance de reposição, a bola atravessou todo o campo, quicou apenas na entrada da área oposta e encobriu o goleiro Allyson da equipe da casa. Tal feito confirmou a vitória operariana, por 2 x 1.

“Eu ficaria muito feliz por ser sempre lembrado no futebol paranaense, pelo gol que fiz. É um lance que não acontece todos os dias. Foi um momento muito bom da minha carreira”, disse Jhonatan, que teve o lance eleito como o gol mais bonito da competição, em eleição realizada pelo jornal Gazeta do Povo de Curitiba.

Jhonatan garante que o feito foi inesperado, pois nunca havia treinado sequer faltas e penalidades. Nenhum treinador também havia permitido que tentasse algo nesse estilo. Depois de fazer o primeiro gol da carreira, Jhonatan recebeu telefonemas de amigos, familiares e jornalistas de todo o Brasil.

Posteriormente, durante os jogos do OFEC no Estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa, torcedores do Fantasma chegaram a criar uma homenagem ao goleiro.

“Quando eu ia bater um tiro de meta ou uma falta na frente da minha área, eles começavam a gritar: gol, gol, gol, gol! Era muito engraçado, o estádio inteiro gritava”, relembra.

Fantasma

O Operário Ferroviário de Ponta Grossa é um dos clubes mais tradicionais do Paraná. Apelidado de Fantasma, por assombrar os grandes do Estado, o clube foi fundado em 1912, de acordo com o site oficial do clube.

Como recorda o livro “Futebol do Paraná – 100 Anos de História“, de Levi Mulford e Heriberto Ivan Machado, a agremiação é uma das três ainda existentes na atualidade a participar da primeira edição do Campeonato Paranaense em 1915. Coritiba e Rio Branco de Paranaguá também são remanescentes do torneio inaugural. Na época desse Estadual, o Operário participou da 2ª divisão.

No Paraná, a trajetória do Operário Ferroviário ganhou renome histórico, em grande parte, pelas obras publicadas pelo falecido pesquisador de história do futebol paranaense José Cação Ribeiro Júnior. Entre as obras está “O Fantasma da Vila – A História do Operário Ferroviário Esporte Clube”. As demais abordam o contexto do futebol da região dos Campos Gerais do Paraná.

Cação também é responsável pelo único livro sobre o Futebol de Monte Alegre (na atual cidade de Telêmaco Borba), região do Clube Atlético Monte Alegre, o primeiro interiorano campeão paranaense, em 1955.

Entre outros legados do pesquisador, uma exposição permanente do arquivo de fotos na associação de torcedores do Operário Avante Fantasma. Ex-jogador de futebol, Cação chegou a vestir, por uma vez, a camisa do Fantasma em 1942. Inspirou ex-atleta e pessoas de novas áreas para realização de pesquisas sobre o esporte.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...