O jornal esquecido

0 65

Publicidade

Quem gosta de esporte e tem mais de 30 anos com certeza se lembra do Popular da Tarde. Este importante jornal esportivo fez grande sucesso entre as décadas de 70 e 80, trazendo a cobertura diária de todas as modalidades. Grande concorrente de A Gazeta Esportiva, o slogan do POP (“o rumo certo nos esportes”) tornou-se uma referência entre os leitores e os donos de banca.

O time de colunistas da publicação era impecável: Alberto Helena Júnior, Ari Silva, Fiori Gigliotti, Pedro Luiz, Roberto Petri e Walter Abraão. Durante toda sua existência, o Popular pertenceu aos irmãos Nelo e Armando Ferrentini, proprietários do antigo Diário Popular. Porém, o grande nome da história da publicação indiscutivelmente é Walter Lacerda. O jornalista tornou-se editor do Popular no início dos anos 70.

Antonio Aguillar, Pelé e Walter Lacerda (Crédito: Terceiro Tempo)
Antonio Aguillar, Pelé e Walter Lacerda (Crédito: Terceiro Tempo)

Fundado em 1968, o jornal era um grande fracasso de vendas. Porém, a chegada de Lacerda revolucionou o diário. Importante homem de imprensa, ele conseguiu trazer profissionais conhecidos para integrar a redação. Os bastidores do futebol e as divisões intermediárias também passaram a ter destaque. Em oito anos, as vendas do jornal passaram de 480 para 135 mil exemplares por dia.

O bom relacionamento de Lacerda com políticos ligados ao São Paulo Futebol Clube facilitaram o sucesso editorial da nova fase do Popular. Amigo pessoal do então governador Laudo Natel, foi o jornalista quem conseguiu um empréstimo que transferiu a redação do POP da rua do Carmo para a Major Quedinho.

Walter Lacerda permaneceu no jornal por dez anos. Pela influência que tinha, era tido por muitos como o “dono do Popular da Tarde”. Segundo muitos de seus contemporâneos, isto incomodava os irmãos Ferrentini.

Além da cobertura esportiva de todas as divisões, o Popular também publicava classificados, programação dos cinemas, televisão, horóscopo, polícia e geral. A coluna de variedades Pop Show era assinada por Arley Pereira, importante nome do jornalismo cultural.

Além dos profissionais consagrados, jovens que se iniciavam na área como Antero Greco e Flávio Gomes também passaram pela publicação. Uma das colunas mais lidas era a assinada por Dalmo Pessoa, que ficou conhecido entre os leitores pelo apelido de “Morcegão”.

As vendas do Popular começaram a cair depois da saída de Lacerda do diário. O grande êxito do POP foi ser o grande concorrente de A Gazeta Esportiva na Grande São Paulo e no interior do estado durante muitos anos.

Com o passar do tempo, a história dos bastidores e das grandes reportagens deste jornal nunca foram contadas. Nem em estudo, tese acadêmica, documentário ou livro-reportagem. Parece que os anos passaram e que uma espécie de borracha do tempo apagou toda a trajetória do Popular da Tarde. São poucos os sites na internet que falam sobre o jornal e sua história. Importante nome do jornalismo paulista, Walter Lacerda morreu em 2008 sem nenhum reconhecimento.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...