“O Chapecoense”? “A Linense”? Fuja de erros assim!

0 131

Publicidade

Mesmo um fã de campeonatos estaduais precisa admitir que é nesta época do ano em que se ouve falar de clubes até então desconhecidos. No entanto, para cada clube que você nunca ouviu falar antes, há uma torcida enfurecida por ser menos conhecida.

Isso explica – embora não justifique – uma porção de erros que nós, da imprensa, cometemos ao citar um time. Você certamente já ouviu algum comentarista citar “a Linense”, “a Penapolense”, “a Campinense”, “o Chapecoense” e se irritou.

Irritação mais do que justificada, neste caso. Não há manual de redação que autorize o comentarista a citar “o Chapecoense” ou “a Penapolense”, quando os próprios nomes dos clubes indicam gêneros contrários. Aí, vale uma pesquisinha rápida para não cometer o erro – ou repeti-lo, o que é ainda pior.

Para você, torcedor de Lins (SP), Penápolis (SP), Campina Grande (PB), Chapecó (SC) ou de qualquer outra cidade, este blog foi pesquisar o gênero correto dos artigos que acompanham uma porção de nomes de clubes do Brasil. Não só para que ninguém mais saia por aí dizendo “a Tombense” ou “o Aparecidense”, como também para ajudar os próprios clubes e torcedores a trocar conhecimento entre si. Afinal, ninguém quer cometer o mesmo erro do qual é vítima, certo?

Esperamos que esta pequena lista abaixo ajude você a identificar melhor se o time é precedido por artigo masculino ou feminino – o que, acredite se quiser, pode gerar muita indisposição em torcedores, leitores, ouvintes e telespectadores.

Confira a lista:

ACRE

Adesg: a Associação Desportiva Senador Guiomard, campeã acreana de 2005, está licenciada. Se decidir voltar, voltaremos a ter notícias da Adesg – e não “do Adesg”.

ALAGOAS

Capelense: é Centro Sportivo Capelense, então é “o Capelense”. Em 2014, disputa a segunda divisão do Campeonato Alagoano.

Igreja Nova: não, não é uma dissidência de um clube neopentecostal. O Igreja Nova é de cidade homônima.

Penedense: mesmo com 105 anos de idade, ainda há quem confunda o nome – é “o Penedense” (ao lado), e não “a Penedense”.

Santa Rita: embora atenda pelo nome completo de Associação Atlética Santa Rita, o time de Boca da Mata atende por “o Santa Rita”.

União: o União Futebol Clube conquistou de forma polêmica a segunda divisão do Campeonato Alagoano de 2009. Pode chamar de “o União”.

BAHIA

Catuense: é “a Catuense”. Por isso, cabe uma retratação deste blog, que chamou o clube de “o Catuense” quando entrevistou o presidente Roberto Pena. Pedimos desculpas!

Itabuna: é “o Itabuna”, porque é Itabuna Esporte Clube.

Jacobina: de volta à segunda divisão baiana depois de 20 anos de ausência, o Jacobina atende pelo simpático apelido de Jegue da Chapada.

Jacuipense: mais um nome que não deixa dúvida: Esporte Clube Jacuipense, o Jacuipense.

Juazeirense: a página do clube na Wikipédia trata o time como “a Juazeirense” e “o Juazeirense”. Ficou na dúvida? O site oficial chama pelo artigo masculino: o Juazeirense.

CEARÁ

Iguatu: o campeão da terceira divisão cearense em 2012 atende por “o Iguatu”.

Itarema: é Itarema Esporte Clube, então é “o Itarema”.

Trairiense: deveria ser “a Trairiense”, já que o nome completo do clube é Associação Trairiense de Futebol – critério semelhante ao adotado por clubes como Portuguesa e Chapecoense. O clube, porém, adota “o Trairiense”.

DISTRITO FEDERAL

Bolamense: a antiga Associação Desportiva Armagedon Metropolitana Renovo atende desde 2010 por Bolamense Futebol Clube. Imaginamos que seja “o Bolamense”, mas o site oficial do clube é meio confuso.

Ceilandense: o nome é confuso: Sociedade Atlético Ceilandense. Como o nome Atlético Ceilandense prevalece, o time é conhecido como “o Ceilandense”.

ESPÍRITO SANTO

Real Noroeste: o clube capixaba dono deste nome tão pomposo é chamado com um artigo masculino: “o Real Noroeste”.

Vilavelhense: Vilavelhense Futebol Clube. Para não ficar dúvidas, resumimos: é “o Vilavelhense”.

GOIÁS

Anapolina: presença constante na Série B do Campeonato Brasileiro no início da última década, a Associação Atlética Anapolina não deveria dar margem erros – afinal, se o nome fosse Clube Atlético ou Esporte Clube, certamente a equipe se chamaria “Anapolino”, certo? Mesmo assim, fica o registro para o caso de dúvidas: é “a Anapolina”, e disputa a segunda divisão semifinal do Campeonato Goiano em 2014.

Aparecida: é o Aparecida, já que é o Aparecida Futebol Clube.

Aparecidense: o time que deu o que falar na Série D do Campeonato Brasileiro de 2014 é “a Aparecidense”. Só olhar o distintivo: Associação Atlética Aparecidense.

Canedense: depois de aparecer no mapa em 2007 ao contratar Túlio Maravilha, o time de Senador Canedo se tornou mais conhecido. Qual o motivo então para não ser corretamente chamado de “a Canedense”?

Jataiense: vale a pena conhecer a Jataiense – na verdade, Associação Esportiva Jataiense – por um verso curioso em seu hino: “Jataiense, meu sangue é verde”.

MATO GROSSO

Luverdense: acostume-se com o Luverdense Esporte Clube – ou simplesmente “o Luverdense”. Depois de dar trabalho ao Corinthians na Copa do Brasil e de conquistar o acesso na Série C do Campeonato Brasileiro de 2013, o time de Lucas do Rio Verde vai se tornar nome ainda mais frequente no noticiário.

MATO GROSSO DO SUL

Aquidauanense: o nome do time dá um nó na língua de quem nunca ouviu falar de Aquidauana. A escolha do artigo é mais simples, “o Aquidauanense”.

Naviraiense: lembra-se daquele time que levou 10 a 0 do Santos na Copa do Brasil de 2010? Então, é o Naviraiense.

MINAS GERAIS

Caldense: o nome completo da tradicional equipe de Poços de Caldas, integrante do Módulo I do Campeonato Mineiro de 2014, é Associação Atlética Caldense. Sem erro: é “a Caldense”.

Patrocinense: o antigo clube de Patrocínio era o (Clube Atlético) Patrocinense. Como se desligou de competições, foi substituído pela (Sociedade Esportiva) Patrocinense.

Santarritense: o pessoal em Santa Rita do Sapucaí já sabe – é “o Santarritense”.

Tombense: emergente do futebol mineiro, o Tombense é mais um que se enquadra na regra o “Futebol Clube” no final do nome.

Unitri: por levar o nome da universidade que o mantém, o time carrega também o artigo feminino – “a Unitri”.

URT: de volta ao Módulo I em 2014, a União Recreativa dos Trabalhadores também tem um artigo fácil de acertar – é “a URT”.

PARÁ

Águia de Marabá: quando for falar do time de futebol, use “o Águia”. Apenas utilize o artigo feminino – a Águia – quando quiser se referir à ave de rapina.

Ananindeua: você fala “a clube”? Então por que diria “a Ananindeua”, já que a equipe foi batizada como Clube Municipal Ananindeua? É “o Ananindeua”, oras!

Izabelense: o Atlético Clube Izabelense informa: chame o time apenas como “o Izabelense”, e não como “a Izabelense”.

Tuna Luso: “tuna” é um substantivo de gênero feminino que diz respeito a uma orquestra, e “luso-brasileira” faz referência à origem de seus fundadores. Logo, não há motivo para chamar o clube pelo gênero errado – o certo é “a Tuna Luso”.

PARANÁ

Grecal: o nome é meio incomum, mas decifrar a sigla ajuda: Grêmio Recreativo Esportivo Campo Largo. Então, é “o Grecal”, certo?

Platinense: A Sociedade Esportiva Platinense disputa a Série Bronze do Campeonato Paranaense. Diferente do Palmeiras, a “sociedade esportiva” mais famosa, o time de Santo Antônio da Platina atende por “a Platinense”.

Roma Apucarana: Outro time na terceira divisão do Paraná, atende por “o Roma Apucarana”. Diferente da Roma, da Itália.

União Bandeirante: Mesmo extinto, vale entrar na lista tamanha a confusão: é “o União Bandeirante” ou “a União Bandeirante”? Resposta: pode chamar o Caçula Milionário de “o União Bandeirante”.

PARAÍBA

Campinense: Está no hino do clube: “grande campeão paraibano, é o Campinense com razão”. Respondido?

CSP: Centro Sportivo Paraibano. O nome é invocado, mas o artigo é simples e masculino: “o CSP”.

Queimadense: segundo o noticiário de Queimadas (PB), podemos chamar de “a Queimadense”.

PERNAMBUCO

Araripina: mais um da “regra do Futebol Clube” – se é “o Araripina Futebol Clube”, é “o Araripina”.

Cabense: se o site extraoficial diz que o certo é “a Cabense”, por que inventar moda? A gente não encontrou um site oficial, então…

Ipojuca: está afastado de competições, mas segue sendo “o Ipojuca”.

PIAUÍ

Parnahyba: o site oficial chama de “o Parnahyba”, obedecendo à concordância de gênero com o nome completo do clube: Parnahyba Sport Club.

RIO DE JANEIRO

Cabofriense: nem mesmo a chegada às semifinais do Campeonato Carioca de 2014 parece emplacar o artigo correto – é “a Cabofriense” e não “o Cabofriense”.

Carapebus: não confundir o Carapebus Esporte Clube, licenciado, que disputava as divisões de acesso do Rio nas décadas de 80 e 90, com a Associação Atlética Carapebus, que disputa as divisões de acesso na atualidade. Ambos, porém, atendem pelo mesmo artigo: “o Carapebus”.

Entrerriense: nome conhecido para quem acompanhou o Campeonato Carioca na década de 90, o Entrerriense atualmente está meio esquecido na Série C do estado. Só não esqueçam o artigo masculino antes do nome do time, OK?

Gonçalense: fundado em 2013, o Gonçalense ainda é pouco conhecido. Mas lembre-se de não chamar o time de “a Gonçalense”.

Serra Macaense: era “o Independente de Macaé”, hoje é “o Serra Macaense”.

União Central: Não tem nada de “a União”, OK? É “o União Central”.

RIO GRANDE DO SUL

Cerâmica: caso você queira falar do clube de Gravataí, pode falar “o Cerâmica”. Para falar da arte que leva barro ou argila como principal material, aí sim, pode falar de “a cerâmica”.

Lajeadense: podemos chamar o Clube Esportivo Lajeadense de “o Lajeadense”, sem medo de ser feliz.

Riograndense: se o site oficial do clube é por nós, que dizemos “o Riograndense”, quem será contra nós?

Riopardense: em meio a tantos gentílicos municipais, é fácil confundir. No caso do time de Rio Pardo, a Associação Esportiva Social e Recreativa Riopardense, é “a Riopardense”.

Sapucaiense: o Sapucaiense se tornou nacionalmente conhecido depois de ter enfrentado a Ponte Preta na Copa do Brasil de 2012, em jogo que teve até gramado sintético. Vale a pena ouvir o simpático hino do time de Sapucaia do Sul.

União Frederiquense: a união faz a força, mas o União Frederiquense faz futebol. OK, foi fraca, mas você vai se lembrar do trocadilho quando for se referir ao time de Frederico Westphalen.

RIO GRANDE DO NORTE

Pauferrense: se for chamar apenas de “Pauferrense”, complica um pouco. Mas com o imponente nome de Clube Centenário Pauferrense, fica mais fácil: o Pauferrense.

Visão Celeste: “Visão Celeste de Parnamirim” é um nome bastante interessante. Se não for o título de um cordel, é o clube de futebol – então, é “o Visão Celeste”.

RONDÔNIA

Pimentense: O Clube Atlético Pimentense disputa a primeira divisão do Campeonato Rondoniense de 2014. Pode chamar de “o Pimentense”.

SANTA CATARINA

Chapecoense: Estamos em 2014. O time está na Série A do Campeonato Brasileiro, e, mesmo assim, ainda há quem chame a Associação Chapecoense de Futebol de Futebol de “o Chapecoense”. Não: é “a Chapecoense”.

Inter de Lages: escolhido aqui no blog o clube mais legal de 2013, o Esporte Clube Internacional, da cidade de Lages, é mais conhecido como “o Inter de Lages”.

SÃO PAULO

Assisense: o Clube Atlético Assisense é chamado de “o Assisense” pela Federação Paulista de Futebol. Pra não deixar dúvidas, né?

Catanduvense: não importa qual dos clubes fundados na cidade ao longo de década. Se a referência é ao Grêmio Esportivo Catanduvense, ao Clube Atlético Catanduvense ou se ao (atual) Grêmio Catanduvense de Futebol, o correto é sempre “o Catanduvense”.

Independente de Limeira: rival histórico da Inter de Limeira, o Independente difere da conterrânea também no artigo – é “o Independente”.

Inter de Bebedouro: Associação Atlética Internacional, de Bebedouro. Na dúvida, lembre-se do apelido da Inter: Veterana.

Inter de Limeira: campeã paulista de 1986, a equipe de Limeira atualmente sofre na Série A3 do Campeonato Paulista. Mas não se esqueça: mesmo lá, a Inter segue sendo a Inter.

Itapirense: os apelidos do time de Itapira – batizado de Sociedade Esportiva Itapirense – são “Esportiva” e “Vermelhinha”. Já sabe: é “a Itapirense”.

Lemense: o antigo clube da cidade de Leme era o Esporte Clube Lemense. O atual é o Clube Atlético Lemense. Qual o motivo para chamar o Lemense de “a Lemense”?

Linense: a torcida do Elefante da Noroeste deve ter se cansado de ouvir comentarista chamar o clube de “a Linense”. Evitem: é “o Linense”.

Matonense: nem a passagem pela primeira divisão do Campeonato Paulista no final da década de 90 parece ter convencido parte do público paulista a chamar o time de Matão de “a Matonense”. Vamos lá, pessoal…

Mauaense: o Grêmio Mauaense tem um nome que não dá muita margem a erros – mas vai que alguém sai dizendo “a Mauaense” por aí, né?

Penapolense: outro que sofre com o erro. Não é “a Penapolense”, e sim, “o Penapolense”. O Clube Atlético Penapolense, no caso.

Pirassunguense: o Clube Atlético Pirassununguense é “o Pirassununguense”.

Santacruzense: alô, Santa Cruz do Rio Pardo! Estão confundindo o nome da Santacruzense?

SEV/Hortolândia: o nome exótico atrapalha um pouco, mas o Social Esportiva Vitória é “o SEV”.

União Barbarense: você já ouviu muita gente fazer referência “à Barbarense”, já que o nome completo do clube é União Agrícola Barbarense Futebol Clube. A Federação Paulista de Futebol, no entanto, chama o clube de “o União Barbarense”. Confuso, não? Na dúvida, confie na população de Santa Bárbara d’Oeste, que torce para o União Barbarense – ou, para os locais, apenas o União.

Votuporanguense: o Clube Atlético Votuporanguense não deixa muitas dúvidas, né? Pode chamar sem erro: o Votuporanguense.

SERGIPE

Amadense: “o Amadense”, já que é o Amadense Esporte Clube.

Cotinguiba: mesma coisa: é “o Cotinguiba”, porque se trata do Cotinguiba Esporte Clube.

Dorense: Dorense Futebol Clube – logo, “o Dorense”.

Itabaiana: destaque sergipano nas décadas de 70 e 80, o Itabaiana – e não “a Itabaiana – tem como mascote uma cebola.

Maruinense: o Maruinense, ou simplesmente CSM.

TOCANTINS

Araguaína: lembra-se do time na Série C do Campeonato Brasileiro de 2011? Então: é “o Araguaína”.

Escola Paraíso: Sabe a regra do “Futebol Clube”? Então, não se aplica a este caso! Embora o nome do clube se “Escola Paraíso Futebol Clube”, o time é conhecido como “a Escola Paraíso”. Afinal, é “a escola”, né?

Imagine FC: um dos clubes mais curiosos da Copa São Paulo de futebol júnior em 2014, o Imagine não deixa dúvidas a respeito do gênero de seu gentílico. O clube aparece na lista aqui apenas para resolver uma dúvida: o nome é Imagine, em português mesmo – não tem nada de Imédgine, em inglês, como foi dito por aí.

Observação

Esta, é claro, é uma lista sujeita a eventuais erros. Muitas vezes há poucas fontes de informação a respeito das equipes. O blog selecionou, por estado, times que possam dar margem a quaisquer confusões. Mas quaisquer correções e sugestões são bem-vindas para enriquecer o debate. Todos saem ganhando.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...