Não bastou ser campeão em seu próprio país. Então o DPMM FC foi ser campeão nos vizinhos

0 157

Publicidade

É bem provável que você não saiba apontar no mapa onde fica Brunei. Então, por que valeria a pena falar do futebol de um sultanato encravado entre a Malásia e a Indonésia, com menos de 500 mil habitantes? Simples: porque Brunei é lar de um dos clubes mais singulares do mundo.

DPMM_FCescudoEstamos falando do Duli Pengiran Muda Mahkota Football Club, ou simplesmente DPMM FC. Fundado oficialmente em 2000, o DPMM FC (a sigla é pronunciada em inglês e faz referência à família real bruneiana) não é apenas o principal fornecedor de atletas para a seleção do país; é também um caso raro de um clube que foi campeão nacional em outros países.

Leia mais:
>> De Díli a Moscou: a Copa do Mundo de 2018 começa pelos nanicos da Ásia

“Peraí”, você interrompe. “O Rapid Viena também foi campeão nacional em outro país.” Sim. Mas não basta conquistar um vizinho, como fez o Rapid ao ser campeão alemão; o DPMM FC foi campeão em DOIS países vizinhos.

Embora tenha sido oficialmente fundado em 2000, o DPMM FC já atuava desde a década de 90 como uma equipe universitária. Nos primeiros anos, o clube não decepcionou e faturou importantes títulos: a Brunei Premier League (2002 e 2004), a Supercopa de Brunei (2002 e 2004) e a Copa de Brunei (2004). Eram tempos de bonança na equipe da capital, Bandar Seri Begawan.

Príncipe Al-Muhtadee Billah, do DPMM FC (Crédito: Wikipédia)
Príncipe Al-Muhtadee Billah, do DPMM FC (Crédito: Wikipédia)

“O príncipe mandava passagens para o jogador (estrangeiro) fazer testes”, conta Gil Paulista, que atuou pelo DPMM FC como jogador em 2002, ao Última Divisão. “O time é o do sultão (Hassanal Bolkiah). O filho (o príncipe Al-Muhtadee Billah) ama futebol e investe em futebol”, completou Gil, hoje treinador.

Em 2005, mesmo em meio à temporada, o clube percebeu que não tinha muitos desafios jogando a competição do país – em 12 jogos, eram 11 vitórias. A decisão foi se mudar para a Malásia, onde uma representação amadora bruneiana já atuava na segunda divisão local. Coincidência ou não, não houve Premier League em Brunei na temporada 2006/2007.

Na chegada à Malásia, o DPMM FC conquistou o terceiro lugar na Premier League (a segunda divisão local) e assegurou vaga na Super League (primeira divisão). Nos anos seguintes, foi o terceiro colocado da temporada 2006/2007, e décimo da temporada 2007/2008.

Em 2008, a equipe precisou deixar o futebol malaio por conta da suspensão do registro da Associação de Futebol Amador de Brunei. A solução? Atuar no futebol de Cingapura, onde o clube chegou conquistando a Copa da Liga de Cingapura de 2009 ao bater o Singapore Armed Forces FC (hoje, Warriors FC) na decisão.

Só que a farra acabou em 30 de setembro de 2009, quando a Fifa baniu de seus quadros a Associação Nacional de Futebol de Brunei Darussalam, por conta de interferência governamental nas disputas locais. O DPMM FC foi proibido de continuar disputando a S. League, mesmo com um pedido formal da Associação de Futebol de Cingapura junto à entidade máxima do futebol mundial.

O veto só caiu 20 meses depois, quando o DPMM pôde voltar a disputar a S. League. Resultado? Dois títulos da Copa da Liga de Cingapura (2012 e 2014), e dois vice-campeonatos na S. League (2012 e 2014).

Na vida pós-banimento, o clube fortaleceu junto a sua torcida alguns ídolos. Dois deles são os irmãos Adi Said e Shahrazen Said, que atuam juntos no ataque da equipe e da seleção local. Mas há também espaço para brasileiros, como Rodrigo Gral (aquele mesmo), Rodrigo Tosi (reforço do Paraná Clube em 2015), Tales dos Santos (com passagem pelo futebol do Tocantins) e Rafael Ramazotti (aquele, ex-Palmeiras).

Ramazotti chegou fazendo estrago em Brunei (Crédito: Divulgação)
Ramazotti chegou fazendo estrago em Brunei (Crédito: Divulgação)

Sem o DPMM FC, a Brunei Premier League deixou de ser disputada em 2011 como primeira divisão. No ano seguinte, virou o segundo nível da Brunei Super League, nova elite do futebol local. Em suas duas primeiras edições, a competição foi vencida pelo Indera FC.

“Hoje (Brunei) tem uma liga. Não enche os olhos, mas tem uma liga”, comenta Gil Paulista, técnico com passagem pela Ucrânia e à frente do Oswaldo Cruz em 2015.

O time do DPMM FC. O camisa 7 engraçadinho atende pelo nome de Azwan Ali Rahman (Crédito: Divulgação)
O time do DPMM FC. O camisa 7 engraçadinho atende pelo nome de Azwan Ali Rahman (Crédito: Divulgação)
Você pode gostar também
Comentários
Carregando...