Muito prazer: Maria Lamas Farache

0 326

O ABC Futebol Clube faz aniversário neste dia 29 de junho. Fundado em 1915, o “Mais Querido” divide atenções no futebol do Rio Grande do Norte com seu principal rival, o América de Natal, e outros adversários de outros centros, como o Corinthians de Caicó e o Potiguar de Mossoró. O clube manda seus jogos no Estádio Maria Lamas Farache, o Frasqueirão. E  para homenagear o aniversário abecedista, o Última Divisão apresenta aqui a moderna casa alvinegra.

Iniciada em 2001, a construção do estádio foi encerrada cinco anos depois. A inauguração do Frasqueirão aconteceu em 22 de janeiro de 2006, com um empate ABC 1 x 1 Alecrim-RN. A arena foi inaugurada na gestão do presidente Judas Tadeu Gurgel, e contou com projeto do arquiteto Glay Carlis e do engenheiro Paulo Tarcísio.

O estádio é facilmente acessível, mas a localização geográfica do mesmo pode se transformar em debate. Segundo explicação de Neto, o simpático taxista que me conduziu até o local, o Frasqueirão fica em Parnamirim, município na região metropolitana de Natal; mesmo assim, a construção foi levantada no Bairro da Ponta Negra, um dos principais destinos turísticos dos natalenses.

“Dá para dizer que o Frasqueirão é a única coisa de Ponta Negra que fica em Parnamirim?”, perguntei em tom de piada. “É, acho que sim”, respondeu Neto, pensativo. Oficialmente, o Estádio Maria Lamas Farache fica na RN-063, conhecida como “Rota do Sol”.

Logo ao chegar, a fachada do estádio deixa uma ótima impressão. Pela frente, são três entradas: A, B e C (dispensa explicações, certo?). Além da entrada para cadeiras cativas, camarotes e imprensa pelo portão B, a lateral conta com uma pequena e confortável loja de produtos licenciados do clube. Pelas entradas A e C, torcedores podem chegar às arquibancadas atrás dos gols.

A arquitetura do estádio é simples, mas nem por isso o Frasqueirão é menos agradável. O gramado é rodeado por quatro módulos de arquibancadas, sendo que um deles na lateral dos campos (no caso, o que fica para os lados da entrada principal) é dedicado às cadeiras cativas, aos camarotes e às cabines de imprensa. A soma dos módulos comporta 18 mil torcedores.

As cadeiras de sócio-torcedor são um capítulo à parte: todas elas são identificadas por números e pelos nomes dos compradores das mesmas. Por todo o estádio, o ABC incentiva seus torcedores a aderirem ao projeto do clube.

Sob os camarotes e as cadeiras cativas, o Frasqueirão conta com mosaicos temáticos assinados por Willame Galvão. O setor “subterrâneo” conta ainda com lanchonetes de preços muito convidativos, e que contam com iguarias como refrigerantes, cervejas (sem álcool) e água de coco. Os bares estão também sob as arquibancadas da outra lateral.

O gramado do estádio (dimensões: 105m x 68m) é bastante peculiar. Quem já viu um jogo do ABC pela TV pode facilmente identificar o campo, graças aos pequenos barrancos nas laterais e atrás dos gols, deixando o terreno de jogo abaixo do nível das arquibancadas e com excelente visibilidade de praticamente todos os pontos – exceção feita a quem está atrás dos bancos de reserva, mas esses aí provavelmente assistem aos jogos pendurados no alambrado.

Os bancos de reserva ficam justamente na lateral mais próxima da entrada principal, que é a mesma das cadeiras cativas e dos camarotes. São três os bancos de reservas cobertos, sendo um de cada lado do campo (com acesso aos vestiários já ao lado dos mesmos) e um na faixa central do gramado, dedicado (provavelmente) à arbitragem.

De quebra, a evacuação do Frasqueirão pode ser realizada facilmente através de diversas saídas de emergência espalhadas pelas arquibancadas. Através dos mesmos locais, os torcedores podem acessar os setores “subterrâneos” com lanchonetes.

De acordo com informações da Wikipedia, os quatro módulos de arquibancadas dos estádios seriam unidas no futuro, nos quatros cantos do estádio – assim, ampliando a capacidade para 30 mil torcedores. Nada mal.

Quando deixávamos o estádio para retornarmos à Ponta Negra, a atenciosa funcionária da loja do ABC nos informou que havia ainda um campo adicional atrás do estádio, dedicado às categorias de base – no dia da visita, com os jogadores do elenco principal em Salvador para o duelo contra o Vitória pela Copa do Brasil, apenas jovens do clube caminhavam pelas cercanias do Frasqueirão.

De qualquer forma, vale a menção ao Complexo Esportivo Vicente Farache, batizado em homenagem ao treinador que comandou o ABC no decacampeonato potiguar (1932 a 1941). Segundo o site oficial do clube, o complexo conta com:

  • Estádio Maria Lamas Farache
  • CT dos profissionais Alberi Ferreira de Matos (01 campo de treinamento com arquibancada para 1,5 mil espectadores)
  • Sede Social administrativa (Presidência, secretaria, auditório,sala de imprensa e sala de troféus)
  • Concentração Jorge Tavares de Morais – Futebol profissional (apartamentos, refeitório, sala de musculação, sala de preleção, departamento médico e departamento de futebol)
  • CT das bases – presidente José Nilson de Sá (02 campos de treinamento, apartamentos e refeitório)

 


Exibir mapa ampliado

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...