Mercadão Série B: clubes do sul têm estratégias díspares para a temporada

Leandro Boeira/Avaí F.C.
309
Esse texto faz parte do “projeto Série B de Primeira”, que pretende gerar uma cobertura intensa da Série B de 2021 no Última Divisão. Atingimos a 1ª meta do financiamento coletivo e portanto haverá uma coluna semanal aqui no site. Veja como está o andamento das outras metas e apoie o projeto.

Nas últimas cinco edições da Série B, sempre um clube da região sul esteve entre os quatro primeiros colocados, incluindo a campeã de 2020, a Chapecoense. Por isso, nunca é demais observar como os clubes do Sul estão se movimentando no mercado de olho na disputa da segunda divisão nacional.

Nas colunas anteriores do Série B de Primeira, nós já avaliamos as contratações de dois clubes do Sul que subiram da Série C, o Brusque e o Londrina, e do clube sulista rebaixado da Série A, o Coritiba. Nesse post falaremos sobre os três clubes restantes que permaneceram na Série B: Avaí, Brasil e Operário Ferroviário.

Publicidade

Leia também:

 

Avaí (SC)

Na reta final da Série B 2020, o Leão da Ilha chegou a sonhar com o acesso para a Série A. Está certo que precisava de uma difícil soma de resultados que não veio, mas mesmo assim o saldo foi considerado positivo. Tanto que o time manteve a base do time da temporada passada, repondo apenas peças pontuais que deixaram o time.

Diego Renan (LE): vindo do CSA, o atleta de 31 anos conhece bem o estado: já defendeu Criciúma, Chapecoense e Figueirense. Além disso, é habitué da Série B e pode reencontrar o time que o formou, o Cruzeiro — prato cheio para quem torce pela famigerada Lei do Ex. Diego Renan chega para ocupar um espaço vago no time, já que o titular Capa está lesionado e João Lucas não está 100% fisicamente.

Marcos Serrato (V): contratado junto ao Sport, onde fez apenas cinco partidas, ele vinha se destacando pelo Ituano no Paulista e na Série C. Ao que tudo indica, ele deve entrar na vaga deixada por Ralf, que não renovou com o clube, e Foguinho, que foi para o Vegalta Sendai do Japão. Um ponto positivo para Serrato é que ele já trabalhou com o técnico Claudinei Oliveira nos tempos de Paraná Clube.

Giovanni (M): vindo por empréstimo do Cruzeiro, ele tem um excelente histórico na Série B. Em 2018, defendeu o Goiás, onde participou da incrível arrancada da lanterna até o acesso. Em 2019, estava no Coritiba, que emendou uma sequência de 13 partidas invictas e subiu para a Série A. É um meia armador clássico, que joga centralizado distribuindo o jogo.

Júnior Dutra (A): formado no Santos e com passagens por Athletico, Corinthians e o próprio Avaí, Dutra conta com o aval da torcida e de Claudinei Oliveira, que o treinou em 2017. Ele chega do Shimizu S-Pulse, onde jogou com regularidade e marcou 7 gols em 2020, embora o time tenha ido muito mal na J1 League.

 

Brasil de Pelotas (RS)

Reseta o game e começa de novo. Essa foi a política do Brasil de Pelotas na temporada 2021: foram ao menos 20 saídas entre o fim da Série B e o começo do Gauchão e 17 novas contratações no período. Reformulação total, inclusive da diretoria do clube, com o fim da era Ricardo Fonseca no Xavante. Em meio a tantas mudanças, ao menos o técnico Claudio Tencati foi mantido.

Vidal (LD): jovem lateral de 24 anos, veio por empréstimo do Goiás, mas foi formado no Juventude.

André Krobel (LD): emprestado do Tombense, disputou a Série D 2020 pelo América-RN e foi campeão da Série C 2019 pelo Náutico.

Alan Dias (Z): estava no Botafogo-SP, mas quase não jogou. Foi revelado como destaque da base do Goiás. Tem apenas 22 anos e pode ser uma aposta para o futuro.

Ícaro (Z): em 2020, disputou a Série A2 pela Portuguesa e a Série D pela Aparecidense. Já trabalhou com Claudio Tencati no Londrina em 2017.

Artur (LE): é um retorno, já que defendeu o Brasil de Pelotas em 2018. Estava há dois anos no exterior, jogando na Ucrânia e no Azerbaijão. Inclusive jogou a Liga Europa pelo Vorskla-UCR.

Igor Miranda (LE): disputou a Série B 2020 pelo Náutico, mas jogou apenas um jogo com a camisa do Timbu. Com 24 anos, é mais uma jovem aposta da diretoria.

Everton Dias (V): foi campeão da Série A2 Paulista pelo São Caetano e saiu durante o desmanche do time na Série D. Ainda jogou a Série D pela Ferroviária-SP. Com 30 anos, Everton Dias é bastante rodado e chega para dar um toque de experiência ao time.

Douglas Araújo (V): também estava no São Caetano no título da Série A2 de 2020 e disputou 11 jogos. Ainda é jovem, tem apenas 21 anos.

Rômulo (V): outro jogador que trabalhou com Tencati no Londrina, Rômulo estava no Portimonense de Portugal nas últimas duas temporadas. Com 25 anos, ele tem larga experiência na Série B, tendo defendido o Atlético-GO em 2018, além do Londrina em 2017 e 2019.

Wesley (V): emprestado pelo Atlético-MG, é um jogador jovem que deve ganhar rodagem ao longo da competição.

Felipe Saturnino (M): mais um jogador vindo de Portugal, Saturnino estava no Berço SC, a terceira divisão portuguesa. Ele joga tanto de meia esquerda quanto de lateral.

Gabriel Terra (M): emprestado junto à Portuguesa Santista, o meia atacante jogou a Série B 2020 pelo Juventude, embora tenha disputado poucos jogos. Mesmo assim, chamou atenção e poderá ser uma opção na armação das jogadas. Ele tem no currículo o título da quarta divisão paulista pelo Paulista de Jundiaí.

Paulo Victor (M): outro jovem jogador de 20 anos emprestado pelo Atlético-MG. Apesar da idade, ele tem experiência internacional, tendo jogado no sub-23 do Famalicão de Portugal.

Gabriel Bittar (A): estava no Ferroviário-CE, mas não foi aproveitado e acabou emprestado ao Pacajus para a disputa da Taça Fares Lopes.

Bruno Paraíba (A): disputou a Série B 2020 pelo Confiança, onde não foi bem e marcou apenas 2 gols. Porém, nessa temporada ele já igualou sua marca e já fez 2 gols pelo Xavante.

Netto (A): cria do São Paulo e revelado pelo Internacional, o atacante tem vínculo com o Mirassol, que foi campeão da Série D 2020. Ele fez apenas um gol pelo time do interior paulista, que foi justamente no jogo de ida da final contra o Floresta.

Júnior Viçosa (A): aos 31 anos e com larga experiência na Série B, Viçosa deverá ser o homem gol do Brasil de Pelotas em 2021. Oficialmente, ele tinha assinado com o Always Ready da Bolívia, que disputará a Copa Libertadores, mas ele não se adaptou à altitude de La Paz e foi dispensado. Ele tem dois títulos pela Série B: em 2012 com o Goiás e em 2016 com o Atlético-GO.

 

Operário Ferroviário (PR)

O Fantasma viveu altos e baixos na Série B 2020, mas o resultado final pode ser considerado bom. O time de Ponta Grossa chegou nas últimas rodadas com chances de acesso. Por conta disso, a base da temporada passada foi mantida e alguns nomes foram chamados para compor o elenco.

Simão (G): após um ano e meio emprestado ao Paços de Ferreira de Portugal, o goleiro Simão está de volta ao Fantasma. Simão é o símbolo da retomada do Operário ao cenário nacional, tendo ajudado o clube a conquistar os títulos da Série D 2017 e da Série C 2018. Em 2020, ele sofreu uma lesão no tendão de Aquiles e não jogou desde então.

Lucas Mendes (LD): vem por empréstimo da Ferroviária-SP, onde foi titular durante a temporada 2020. Aos 30 anos e com rodagem por várias equipes, esta será sua primeira experiência no futebol paranaense. Ele deve disputar a titularidade com Alex Silva, embora o zagueiro Fábio Alemão também jogue na posição.

Léo Rigo (Z): ele estava no Ituano, mas não vinha jogando com regularidade e pediu dispensa do clube. Já jogou a Série B pelo Londrina em 2019, em que o time terminou rebaixado para a Série C.

Odivan (Z): emprestado pelo Juventude, o jovem zagueiro de 22 anos ainda tem poucos jogos como profissional, mas já marcou gol na Copa do Brasil. Ele chega ao Fantasma para ganhar “cancha” enquanto o Juventude disputa a Série A.

Djalma Silva (LE): vem do Confiança, onde trabalhou com o técnico Matheus Costa e era titular absoluto do time. Deve disputar posição com Fabiano. Ele costuma atuar bastante no ataque, criando oportunidades de gol.

Leandrinho (M): vindo do Gil Vicente, o meia se destacou no Botafogo, mas as lesões atrapalharam muito sua carreira. Sua melhor fase foi no Sport, quando ajudou o Rubro-Negro a se sagrar vice-campeão da Série B 2019. Após brigar com o Botafogo, conseguiu a liberação de seu passe e foi para Portugal em 2020, mas jogou apenas 7 jogos por lá.

Rafael Oller (M): ele já estava no clube desde dezembro, emprestado pela Portuguesa Santista, mas agora teve seus direitos comprados pelo Operário. A chegada de Oller coincidiu com a arrancada do Fantasma para escapar do rebaixamento e disputar as primeiras posições da tabela da Série B. Ainda fez um dos gols mais bonitos do torneio, tanto que ganhou o apelido de “Maradoller” da torcida.

Felipe Garcia (A): estava na Chapecoense, onde atuou como reserva do campeão da Série B 2020. Em seu currículo, há acessos para as Séries C e B (com o Brasil de Pelotas), um acesso à Série A (com o Goiás em 2018), além do acesso com a Chape em 2020. Também conta com um acesso à J1 League pelo Nagoya Grampus do Japão.

Comentários