José Mourinho, o meia-boca

0 140

Técnico não ganha jogo, mas talvez José Mourinho seja o único treinador em atividade no mundo que seja capaz de superar esta lógica. O português é genial, inteligente, soberbo, cínico, especial – ou, como o chamam na Inglaterra, é o “Special One”.

Mas apesar de sua inteligência tática, o setubalense não foi um jogador de grande projeção. Pelo contrário: dentro dos gramados, foi um cara bem mediano, que viveu um bom tempo à sombra do pai e que jamais conseguiu se destacar na primeira divisão do Campeonato Português. Longe disso.

Filho de Félix Mourinho, um ex-goleiro que passou por Belenenses e Vitória de Setúbal, José Mourinho teve uma juventude tranqüila, até que a Revolução dos Cravos e o golpe militar que derrubou a ditadura salazarista deixasse a família quebrada. Nessa época, o jovem Mourinho passou a viajar com o pai para acompanhá-lo nos jogos por todo o país.

Foi desta forma que começou a carreira de jogador de José Mourinho. Meio-campista das categorias de base do Belenenses, ele se profissionalizou no Rio Ave, onde seu pai era técnico. Tinha 18 anos e não se destacou.

Em 1982, quando Félix Mourinho se mudou para o Belenenses (rebaixado para a segunda divisão), o filho foi também foi para o clube da freguesia lisboeta de Santa Maria de Belém. Apesar de melhor aproveitado, perdeu espaço quando o pai deixou o time no final da temporada 1982/1983, sem conseguir o acesso à elite lusitana.

A partir daí, José Mourinho teve que começar a caminhar com as próprias pernas, sem muito sucesso. Em 1983, acertou com o Grupo Desportivo de Sesimbra (GDS), que também passou longe do acesso – o Belenenses, veja só, foi promovido. Em 1985 após o rebaixamento do GDS, voltou para Setúbal, onde defendeu o Comércio e Indústria em divisões inferiores até 1987, quando se aposentou.

Abaixado, José Mourinho é o primeiro da direita para a esquerda – ou o último mesmo. Reconheceu?

Aposentado dos gramados aos 24 anos, José Mourinho passou a se dedicar ao estudo. Formou-se em Educação Física (chegou inclusive a dar aulas), fez curso de treinador e virou técnico das categorias de base do Vitória de Setúbal, depois foi assistente do Estrela da Amadora e do Ovarense, além de trabalhar como intérprete de Bobby Robson – então técnico do Sporting – em 1992.

A partir daí, passou a acompanhar Robson no Porto e no Barcelona, passando a ganhar força com o treinador. Mais tarde, virou técnico do Benfica (2000), do União Leiria (2001 a 2002, com destaque), Porto (2002 a 2004)… E o resto é história.

Bobby Robson é o do centro. Mourinho é o da esquerda, e o da direita é um jogador não-identificado.
Você pode gostar também
Comentários
Carregando...