Hyuri: joia do Audax, descarte do Inter, algoz do Flamengo e xodó do Botafogo

125

O Botafogo precisou de pouco tempo para suprir a vaga de xodó, aberta após a saída de Vitinho para o CSKA Moscou: com atuações decisivas diante de Coritiba e Corinthians, ambas no Estádio do Maracanã, o atacante Hyuri parece prestes a cair nas graças da torcida botafoguense – se é que já não o fez.

O carinho alvinegro é um prêmio para um jogador que parecia destinado a fazer figuração no futebol do Rio de Janeiro. Revelado pelo Audax Rio, Hyuri passou sem sucesso pelo Internacional, voltou ao clube formador e ressurgiu como “carrasco” do Flamengo no Campeonato Carioca.

Publicidade

Nascido no Rio de Janeiro em 1991, Hyuri Henrique de Oliveira Costa foi revelado pelas categorias do Audax Rio. Passou pelo time B do Internacional por seis meses em 2011, mas sem ser aproveitado, e retornou ao clube de São João do Meriti.

Foi só em 2013, porém, que as coisas começaram a se desenvolver para Hyuri. Titular da equipe desde o começo do Campeonato Carioca, o camisa 7 vinha perdendo espaço com o técnico Maurício Barbieri. Mas eis que o atacante foi utilizado em um emblemático jogo-treino contra o Madureira, em 1º de março, no CT Arthur Sendas. Os visitantes chegaram a abrir 2 a 0 no primeiro tempo, mas o antigo Sendas virou o placar para 3 a 2 na etapa final, graças aos gols de Allisson, Renan… E Hyuri, que parecia surgir ali para a própria equipe.

A atuação de Hyuri no segundo tempo daquele jogo-treino foi digna de destaque. Em uma primeira chance, arriscou um perigoso chute cruzado que não entrou; na segunda, recebeu na entrada da área e fez o gol da vitória. Assim, passou a ganhar a confiança de Mauricio Barbieri, mesmo sem ter balançado as redes em jogos oficiais.

No final do mesmo mês, porém, veio aquele que Hyuri considera seu jogo inesquecível: em 31 de março, pela quarta rodada do Grupo A da Taça Rio (segundo turno do Campeonato Carioca), o Audax visitou o Flamengo no Estádio de Moça Bonita e surpreendeu, vencendo por 2 a 1. Hyuri, que vestia a camisa 16 (perdera a 7 para André Castro), deixou o banco de reservas para substituir Diego Sales aos 14min do segundo tempo e assegurou a vitória aos 44min, recebendo passe após bola perdida pelos rubro-negros no meio de campo, entrando na área e mandando para as redes defendidas por Felipe.

Foi o gol inesquecível no jogo inesquecível de Hyuri, que recuperou a camisa 7 do Audax. Ao fim do Campeonato Carioca, Hyuri contabilizava 13 jogos, dois gols e um cartão amarelo. Com potencial a ser desenvolvido, chegou ao Botafogo em agosto para buscar uma nova chance. Talvez a última.

No Botafogo, Hyuri apresentou o cartão de visitas em 5 de setembro, no jogo diante do Coritiba pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Aposta do técnico Oswaldo de Oliveira, o agora camisa 17 fez sua estreia como substituto de Lodeiro e não decepcionou: além de marcar o segundo gol alvinegro de cabeça aos 39min do primeiro tempo, deu números finais à vitória por 3 a 1 com um dos mais belos gols do Brasileiro: aos 4min da etapa final, recebeu a bola pela direita, cortou a marcação, pedalou, girou em cima da defesa e chutou, garantindo o 3 a 1.

O novo ato do xodó Hyuri veio nesta quarta-feira, diante do Corinthians, pela 20ª rodada. Agora reserva, entrou no lugar de Elias e decidiu o jogo no Estádio do Maracanã: após passe de Edilson, avançou pela direita e tocou na saída de Cássio para fazer 1 a 0. Mais uma vitória do Botafogo, que briga pelas primeiras posições do torneio nacional.

Camisa 17 brilhou com dois gols diante do Coritiba; contra o Corinthians, saiu do banco de reservas e assegurou a vitória por 1 a 0 no Maracanã (Crédito: Mauro Pimentel/Terra)

Era a redenção do camisa 17. Com três gols pelo Botafogo e os holofotes sobre ele, o atacante enfim começa a trilhar um caminho mais vitorioso do que indicava. Hyuri ou Vitinho: o futuro dirá quem foi melhor.

Comentários