História, ídolos e conquistas: os 100 anos do EC Juventude

0 702

Poucos estados no Brasil têm um futebol tão representativo em seu interior como o Rio Grande do Sul. Cidades como Pelotas, Caxias do Sul e Bagé têm rivalidades próprias, que fogem do radar da dualidade Gre-Nal de Porto Alegre. E em meio a tantos times de tradição, um deles tem motivos especiais para comemorar este 29 de junho de 2013: há exatos cem anos, era fundado o Esporte Clube Juventude.

juventude_cdb_1999
Jogadores do Juventude recebendo a taça da Copa do Brasil em 1999

Conhecido do público por sua passagem pela elite do Campeonato Brasileiro nas duas últimas décadas, o Ju tem motivos de sobra para comemorar sua centenária história. Campeão da Série B do Brasileiro em 1994, do Campeonato Gaúcho de 1998 e da Copa do Brasil de 1999, o time contabiliza dezenas de títulos em sua sala de troféus. Porém, mais do que isso, o time tem história para contar.

Para homenagear o Esporte Clube Juventude, nós listamos aqui 10 fatos históricos do clube. Conheça ou relembre alguns dos principais feitos do time da Papada:

1. Clássico Ju-Ju

logo_juvenil_pO clássico da cidade de Caxias do Sul hoje é o Ca-Ju, que coloca frente a frente Caxias e Juventude. No entanto, na década de 20, era outra a rivalidade que motivava o Campeonato Citadino. Antes mesmo da fundação do Flamengo (primeiro nome do clube grená), era com o Juvenil que o Juventude disputava seus títulos municipais.

Iniciado em 1920, o Campeonato Citadino de Caxias do Sul logo apresentou domínio do Juventude, que conquistou todos os títulos até 1926. Em 1927, o Juvenil rompeu essa hegemonia e levantou o caneco. De quebra, repetiria a façanha em 1928, mas acabou punido pela escalação irregular de um jogador e acabou tendo o título cassado.

O Clube Juvenil, fundado em 1905, existe ainda hoje, mas deixou o futebol e funciona atualmente como entidade social. O único título da história aurirrubra foi justamente o de 1927.

2. Clássico Fla-Ju

Esporte_Clube_Juventude_-_década_de_30O grande clássico da atualidade da cidade de Caxias do Sul só surgiu em 1935, mais ainda fora dos moldes atuais. Fundado naquele ano, o Grêmio Esportivo Flamengo perdeu para o Juventude (foto) por 3 a 1 logo no primeiro encontro entre os dois times.

O Juventude, que havia conquistado 16 dos 17 títulos do Campeonato Citadino entre 1920 e 1936, perdeu a taça para o Flamengo em 1937. A partir daí, o equilíbrio se estabeleceu no torneio: entre 1937 e 1953, foram oito títulos do Juventude, cinco do Flamengo, três do Grêmio Esportivo Fluminense e um ano (1944) sem competição.

O Fluminense também era protagonista de alguns dos principais confrontos com o Juventude na época, assim como o Grêmio Gianella. O primeiro desativou seu departamento de futebol, enquanto o segundo disputa competições amadoras.

3. Alfredo quem?

jaconi1954Foi nessa época que surgiu talvez o primeiro grande ídolo do Juventude: Alfredo Jaconi, jogador, treinador e dirigente do clube nas décadas de 30 e 40. Jaconi morreu em 1952.

Foi em sua homenagem, porém, que o clube deu o nome a seu estádio. Em 1919, o então presidente adquiriu o primeiro campo de jogo do Juventude, que passou a ser conhecido como Quinta dos Pinheiros.

O local só passou a se chamar Estádio Alfredo Jaconi em 1954, quando o Juventude foi convidado pela então Federação Riograndense de Futebol para disputar a “divisão de honra” (o atual Campeonato Gaúcho). Em 1974, o estádio é reformulado, ganhando os traços atuais.

4. O melhor da história?

juventude1965Há quem diga que o time de 1965 foi o melhor da história do Juventude. A equipe foi vice-campeã gaúcha, com uma campanha bastante positiva: em 22 jogos, foram 12 vitórias, quatro empates e seis derrotas. O problema é que o time encarou o Grêmio, campeão invicto com 20 vitórias em 22 partidas.

O principal nome daquele time do Juventude era Everaldo, revelado pelo Grêmio e emprestado ao clube – justamente em sua única passagem fora do time de Porto Alegre. Em 1970, o lateral esquerdo foi campeão da Copa do Mundo com a Seleção Brasileira. Morreu quatro anos depois em um acidente de carro.

O desempenho do Juventude naquele ano foi o melhor de um time do interior após a unificação do campeonato do Rio Grande do Sul, em 1961. Nada mal para uma campanha que começou com duas derrotas: 1 a 0 para o Rio Grande (em Caxias do Sul) e 4 a 2 para o Grêmio.

5. Clássico (e fusão) Ca-Ju

asscaxias-rsO primeiro clássico Ca-Ju como conhecemos aconteceu apenas em 1975, quando o Grêmio Esportivo Flamengo (resultado da fusão entre Rio Branco e Ruy Barbosa) passou a ser chamado Sociedade Esportiva e Recreativa Caxias do Sul. A história da rivalidade, porém, passa pela fusão entre os clubes.

Em 1971, por conta da crise financeira, Juventude e Flamengo se uniram e passaram a se chamar Associação Caxias de Futebol. A união do time preto e branco, porém, durou apenas quatro anos – em 1975, partiu do Juventude a iniciativa da separação.

Em 11 de dezembro daquele ano, os dois times decidiram a Copa Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Melhor para o lado alviverde, que venceu por 1 a 0 (gol de Da Silva) e conquistou a taça sobre seu principal rival. O Juventude ainda conquistou o bicampeonato no ano seguinte, conquistando o direito de disputar o Campeonato Brasileiro.

6. Felipão e o Juventude

A passagem do então zagueiro Luiz Felipe pelo Flamengo/Caxias é bem conhecida. No entanto, pouca gente sabe ou se lembra: após defender o rival entre 1973 e 1979, Luiz Felipe Scolari vestiu a camisa do Juventude por poucos meses em 1980. Não conquistou títulos e logo acertou com o Novo Hamburgo.

O zagueiro voltaria ao clube dois anos depois, mas já na condição de treinador, e foi embora em 1983. Após passar por Brasil de Pelotas, futebol da Arábia Saudita e Pelotas, retornou em 1986. No ano seguinte, deixou o clube mais uma vez para assumir pela primeira vez o Grêmio.

Foi na primeira passagem com Felipão que o Ju fez sua primeira excursão pela Ásia. Foram seis jogos e seis vitórias, com destaque a duas sobre a Coreia do Sul (2 a 1 e 1 a 0).

7. Parmalat e títulos

juventude1994Em 1993, o Juventude assinou um acordo de co-gestão com a Parmalat, que muito valeu ao clube. No mesmo ano, o time conquistou sua vaga na Série B do Campeonato Brasileiro do ano seguinte.

Em 1994, além de somar mais um vice-campeonato gaúcho à sua galeria, o time ascendeu à Série A como campeão, graças a uma vitória por 2 a 1 sobre o Goiás na decisão – Paulo Sérgio e Galeano marcaram.

Com o apoio da multinacional italiana, o Ju montou grandes equipes e se consolidou como a terceira força do futebol gaúcho. Em 1996, foi vice-campeão estadual mais uma vez. Em 1997, foi o quinto colocado do Campeonato Brasileiro. Em 1998, conquistou o Gauchão de forma invicta, encerrando uma longa hegemonia da dupla Gre-Nal. No ano seguinte, faturou a Copa do Brasil, superando o Botafogo na final.

8. Lauro

LauroTalvez nenhum jogador tenha tanta identificação com o Juventude em sua história quanto o volante Lauro. Campeão da Série B de 1994, do Gauchão de 1998 e da Copa do Brasil de 1999. Foram três passagens pelo clube, somando 17 anos: 1993 a 1998, 1999 a 2001 e 2004 a 2010.

Ao todo foram 517 partidas pelo clube, encerrando sua carreira no clube em um amistoso festivo contra o Grêmio em 2010. Em 2011, antes de encerrar a carreira, atuou ainda pelo Esportivo de Bento Gonçalves.

Ao longo da carreira, passou ainda pelo Palmeiras (onde foi campeão da Copa Mercosul de 1998 mesmo sem jogar), pelo Paulista de Jundiaí (faturou a Série A2 do Paulista e a Série C do Brasileiro, em 2001), pelo Grêmio e pela Ulbra.

9. Derrocada

Apesar de ter contado com grandes nomes no início da última década, em especial defensores (Naldo, Dante, Chicão, Thiago Silva e Antônio Carlos, por exemplo), o Juventude perdeu fôlego e foi rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro no fim de 2007. Desde então, nunca mais voltou à elite.

Mas não foi só. Em 2009, o Ju caiu para a Série C. No ano seguinte, além de quase cair no Campeonato Gaúcho, não escapou do rebaixamento para a Série D do Brasileirão. Em 23 partidas disputadas naquele ano, o clube venceu apenas três.

No ano seguinte, o time iniciou sua participação na quarta divisão nacional, inédita em sua história. É na Série D que o clube se encontra até hoje.

10. Ressurgimento?

De 2011 para cá, o Juventude tem feito o que pode para ressurgir no cenário nacional, graças a um eficiente trabalho nas categorias de base. Naquele ano, foi terceiro colocado do Campeonato Gaúcho, mas caiu na segunda fase da Série D diante do Mirassol. Compensou conquistando a Copa FGF, o que lhe valeu a vaga na Série D do ano seguinte.

Em 2012, foi eliminado nas oitavas de final da Série D, mas conquistou o bicampeonato na Copa FGF. Assim, tenta novamente o acesso à Série C em 2013, no ano em que comemora 100 anos. Por sua história, por seus ídolos, por sua torcida, que conquiste.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...