Heróis da América: Alberto Spencer, o senhor Libertadores

0 286

Este texto faz parte da série Heróis da América, que aborda jogadores, treinadores e dirigentes que fizeram história nos países latino-americanos, mas que nem sempre são bem conhecidos por aqui. Para ler as outras reportagens da série, CLIQUE AQUI.

Alberto Spencer perfil
Spencer marcou 54 gols em 12 edições de Libertadores

É impossível cravar que isso não vá acontecer, porém será muito difícil alguém tirar de Alberto Spencer o posto de maior jogador da história do futebol equatoriano, 20º maior jogador sul-americano do século XX de acordo com pesquisa da IFFHS e maior artilheiro isolado da Libertadores da América com 54 gols assinalados.

Atacante nato, matador e de rara habilidade para marcar gols de cabeça, Spencer conheceu o futebol por meio de seu irmão, ex-jogador do Everest. Após quatro anos atuando pelo modesto time de Guayaquil, o garoto de 22 anos chamou a atenção do poderoso Peñarol do Uruguai. O motivo? Spencer fez 101 gols em 90 jogos, mais de um tento por partida.

O Cabeça Mágica chegou a Montevideo em 1960 e por ali permaneceu por uma década. Foram dez anos de títulos, vitórias e gols memoráveis. Spencer venceu dois Mundiais de Clubes (1961 e 1966), três Libertadores da América (1960, 1961 e 1966), além de sete campeonatos uruguaios, sendo artilheiro em quatro deles.

Apesar de ter obtido sucesso nas três esferas do futebol, o torneio que mais identifica o atacante equatoriano é a Libertadores. Logo na 1ª edição, realizada em 1960, Spencer foi campeão com o Peñarol e o primeiro goleador do torneio com sete gols. A taça continental qualificou os uruguaios para o Torneio Intercontinental (atual Mundial de Clubes) diante do poderoso Real Madrid de Puskás e Di Stéfano. Um empate sem gols no Centenário e uma goleada por 5 a 1 no Bernabéu deram o título aos merengues.

Penãrol cinco vezes consecutivas campeão uruguaio
Penãrol cinco vezes consecutivas campeão uruguaio

No ano seguinte, os aurinegros triunfaram novamente na Libertadores, conquistando o título em cima do Palmeiras de Djalma Santos. Sem muita surpresa, Spencer marcou o gol do título, foi artilheiro do torneio e tinha novamente a chance de ganhar seu 1º Mundial diante do Benfica. A derrota na partida inicial em Lisboa não abalou o Peñarol, que venceu os dois jogos seguintes no Centenário por 5 a 1 e 2 a 1, sagrando-se o primeiro time sul-americano campeão mundial.

A farra de Spencer, Pedro Rocha, Caetano e Pablo Forlán acabaria um ano mais tarde. Em busca do tri na Libertadores de 1963, o Peñarol tinha o Santos de Pelé pela frente. Ausente nas duas primeiras partidas, o Rei assistiu no 1º jogo uma surpreendente vitória do Peixe, por 2 a 0, no Uruguai e na sequência o não menos incrível triunfo do Peñarol, por 3 a 2, em plena Vila Belmiro, com dois de Spencer. No jogo 3, em Buenos Aires, Pelé voltou e desequilibrou. 3 a 0 Santos com dois do camisa dez e o fim da hegemonia uruguaia.

Spencer e Pelé na final da Libertadores de 1962
Spencer e Pelé na final da Libertadores de 1962

A “crise” do Peñarol, que não conseguia sair da fila da Libertadores apesar de continuar sendo imbatível no Uruguai, acabou em 1966. Na grande final contra o River Plate, no jogo desempate, os aurinegros venceram os argentinos por 4 a 2 e o Peñarol foi o primeiro time a ser tricampeão da Libertadores.

Talvez até mais importante que ganhar mais uma vez a importante Libertadores, o Peñarol tinha a chance da revanche contra o Real Madrid no Mundial de Clubes. E os seis anos de espera foram muito bem recompensados. Em Montevideo, 2 a 0 para o Peñarol, com dois gols de Spencer. Em Madrid, mais um triunfo por 2 a 0, com mais um do Cabeça Mágica. Mesmo o Mundial não sendo mais no formato ida-volta vale ressaltar o primeiro hat-trick da história do torneio.

Na seleção equatoriana, entretanto, Spencer não conseguiu o mesmo sucesso dos clubes que passou, muito porque a La Tri não era nem de longe um grande time. Foram 11 jogos pelo Equador com quatro gols e apenas uma competição oficial. Em 1959, jogando em casa, o Equador foi eliminado na primeira fase do Campeonato Sul-Americano, perdendo para o Uruguai por 4 a 0 e para o Brasil por 3 a 1.

Na tentativa de ir à sua primeira Copa do Mundo, em 1966, Spencer atuou pela Seleção Uruguaia em seis partidas, marcando em duas oportunidades, mas não foi convocado para o Mundial. Durante toda sua carreira, Spencer tem 457 gols em 660 jogos. Morreu em 2006, aos 68 anos, nos EUA.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...