Giro UD #43: Biden e o Flamengo, Trump e o Friburguense, Eusébio na Ferroviária e mais

Imagem: Pete Linforth/Pixabay
175

Oi, tudo bem com você?

Chegamos aqui à 43ª edição do Giro UD, nossa curadoria do que pintou de mais interessante na internet durante esta semana, para que você assista e/ou leia e se mantenha entretido e bem informado!

Publicidade

Leia também:

Desta vez, com um enfoque especial à eleição presidencial dos Estados Unidos – sim, mas não apenas a ela. Confira as novidades desta semana:

Em 2013, o democrata Joe Biden esteve no Rio de Janeiro e posou para uma foto ao lado de algumas crianças. A imagem se popularizou e foi lembrada agora, durante a eleição dos caras lá. Mas a imagem tem um detalhe peculiar: um menino, vestindo uma camisa do Botafogo. Ele se chama Kaiky, tem 17 anos e torce para o Flamengo. Marcello Neves, no jornal Extra, conta história deste jovem (que torce pela eleição de Biden).

-U-D-

Para todos nós que caímos meio de para-quedas a cada quatro anos no sistema eleitoral norte-americano, a importância da contagem de votos em cada estado por ser meio aleatória. Em 2020, a bola da vez é Nevada. Mas Nevada já foi destaque no noticiário em 1999, quando marcou o gol da vitória do Friburguense sobre o Botafogo por 1 a 0 no Campeonato Carioca. Sim, estamos falando do jogador, e não do estado. No GE, o Sidney Garambone foi atrás do Nevada, que revelou torcida por Donald Trump na eleição dos EUA.

-U-D-

Cristóvão Borges está longe do protagonismo do futebol nos últimos anos – um pouco por escolha própria, muito pelo cenário do futebol. Depois de dois anos de aprimoramento, assumiu o Atlético-GO, e foi demitido já em fevereiro. Em entrevista a Bruno Marinho, do jornal O Globo, o técnico fala de futebol brasileiro, mas também dá uma pequena aula sobre desigualdade social, racismo e política.

-U-D-

Tefy é meia-atacante do time feminino do Palmeiras, semifinalista do Campeonato Brasileiro. Mas se tornou personagem conhecida por ser surda. Em entrevista a Talyta Vespa, do UOL, ela fala sobre as dificuldades que enfrentou, da paixão que a levou aos gramados e do apoio que recebe do clube e da família.

-U-D-

Mais uma no UOL. Em 1960, a Ferroviária era uma potência e fez uma excursão internacional que entrou para a história do clube. Comandada pelo craque Bazzani, o time foi à Europa e à África e conquistou uma série de bons resultados em amistosos. Mas o detalhe aqui é a passagem por Moçambique, onde o clube chegou a conversar com o jovem Eusébio – sim, ele mesmo – sobre a possibilidade de uma contratação. Roberto Salim narra.

Comentários