Giro UD #18: o primeiro San-São, o Ramadã e mais

Imagem: Mohamed Hassan/Pixabay
56

E aí? Tudo bem?

Por aqui, tudo bem também. Esperamos que você esteja em segurança, mantendo a saúde do corpo e da mente nesses tempos de coronavírus.

E para ajudar a manter a sua cabeça ocupada, chegamos com uma mais uma edição do Giro UD, com o que lemos de mais legal por aí nesta semana.

Leia também:

Nesta edição, temos o aniversário de 90 anos de um clássico, o jejum de jogadores durante os tempos de pandemia e muito mais.

Confira:

Há 90 anos, em 11 de maio de 1930, Santos e São Paulo se enfrentam pela primeira vez na história. O primeiro clássico entre os dois gigantes terminou empatado, mas teve nomes como Feitiço e Friedenreich em campo – e marcando gols. No site da Federação Paulista de Futebol, Raoni David registra essa efeméride.

-U-D-

O período de isolamento causado pelo coronavírus deu a atletas muçulmanos uma oportunidade única: de jejuar em casa, de maneira mais confortável, durante o mês sagrado do Ramadã. Há uma matéria bem legal sobre o assunto no site da Fifa – que, uma pena, não traz a assinatura de quem escreveu o texto.

-U-D-

Mas ficar em casa pode ser também um sacrifício, especialmente para clubes que não estão nas principais divisões nacionais. Em seu site, o jornalista Alex Frantz conversou com Diogo Oliveira, meia do Caxias, que falou rapidamente sobre a questão psicológica, a distância dos gramados e a possível sequência do Campeonato Gaúcho.

-U-D-

Raul não vai ser a primeira nem a última criança a se apaixonar por futebol ou figurinhas (ainda bem). Mas o menino de 10 anos, morador de Manhuaçu (MG), se apaixonou por futebol de uma maneira bem peculiar, e decidiu fazer o próprio álbum da Copa do Mundo de 1958. No Blog 4-3-3, Andrew Sousa conta a história do simpático Raul.

-U-D-

Talvez você não saiba, mas o Palmeiras recebeu um baile de black music em 1978 que teve James Brown como atração principal. Na Gazeta Esportiva, Bruno Ceccon conta histórias de eventos que reuniam nomes como Jorge Ben e Tim Maia.

Comments