Giro UD #13: Margaret Thatcher, Londrina, Pacaembu e mais

(Imagem: Pixabay)
0 67

Estamos firmes? Em casa? Lavando as mãos e mantendo distância segura de outras pessoas?

Que bom!

Pois temos o Giro UD desta semana. Com muitos reflexos da Covid-19 no futebol – no Londrina, na arbitragem e até na Fifa.

Leia também:

Mas nem tudo é coronavírus. Temos uma ideia legal sobre o Pacaembu e uma longa análise política sobre o futebas.

Confira:

Sérgio Malucelli, gestor do Londrina, está deixando o clube em maio. O dirigente chegou em 2010, quando o clube estava na segunda divisão do Campeonato Paranaense; de lá para cá, conquistou um título do Paranaense, uma Copa da Primeira Liga e chegou à Série B do Brasileirão. Mas por que o fim antecipado (em poucos meses, é verdade) da relação? Em entrevista a Luiz Kozak e Osmar Antônio, da rádio Banda B, o próprio Malucelli explica suas frustrações e seus próximos planos.

-U-D-

Você conhece o árbitro Igor Junio Benevenuto de seu trabalho apitando partidas do Campeonato Brasileiro. Mas sabia que, durante a paralisação do futebol nacional frente ao coronavírus, ele tem trabalhado como enfermeiro em Minas Gerais? Achado legal no site da CBF.

-U-D-

Você se lembra de quando falamos da cidade de Pacaembu (SP)? Bem, o Museu do Futebol, que fica no Estádio do Pacaembu, resolveu fazer uma brincadeira simples: quantas vezes a população da cidade cabe no estádio? Lá na conta do museu no Facebook.

-U-D-

O ZeroZero.pt é uma baita referência para estatísticas de jogadores e times, mas também tem muita coisa legal escrita por ali. No site, João Pedro Silveira fala sobre a tumultuada relação de Margaret Thatcher, premiê britânica entre 1975 e 1990, com o futebol inglês. O texto peca um pouco apenas por ser longo – mas se você tiver tempo, vale se dedicar a ele.

-U-D-

Não é toda hora que um veículo brasileiro consegue falar exclusivamente com o presidente da Fifa. O UOL publicou a entrevista do craque Jamil Chade com Gianni Infantino a respeito da relação entre o coronavírus e o futebol. E o dirigente deixa claro: a saúde é prioridade, mas há planos em mente para o futebol.