Ferroviário: um ato de sobrevivência

Pedro Chaves/FCF
2 542
Publicado originalmente em O Sentido da Vida é o Verbo

Algumas equipes vivem, por mais que suas torcidas neguem, de títulos. Um ano sem gritar “é campeão” é um ano fracassado. Outras de participações em torneios e títulos esporádicos. Podem não ganhar sempre, mas seus torcedores sabem que o ano começará e terminará com jogos do seu clube. Eles sabem onde encontrá-la, quantos jogos farão no ano, toda sua tabela e perspectivas. Porém algumas equipes apenas sobrevivem. E ver seu time lutando apenas para sobreviver é o que pior pode acontecer para um torcedor.

Imagine você acompanhando alguém que ama apenas sobrevivendo, quase vegetando, olhar para a pessoa, saber de tudo (ou muito) do que ela viveu, ainda ver um certo brilho no seu olhar. Mas apenas isso. Ela apenas sobrevive. Ela não te faz mais sorrir, ter raiva, se emocionar. Ela apenas está lá. E foi isso que a torcida do Ferroviário viveu nos últimos anos, viu apenas seu time sobreviver.

Enquanto antigos rivais caiam, subiam, ganhavam títulos, ficavam encalhados na série C. O Ferroviário apenas sobreviveu, dava alguns sinais vitais por 3 meses a cada ano para disputar uma decadente série B do cearense, contra equipes semi-amadoras. E a cada fracasso, a impressão para a torcida é que esses 3 meses eram apenas “a melhora da morte”. O medo era em algum momento receber a notícia que “o Ferroviário não disputará torneios profissionais este ano”, tamanha a crise que se deu sobre à Barra do Ceará.

O resgate, com um acesso mais a base da incompetência e amadorismo alheio, trouxe um pouco de esperança. Porém, ainda era necessário ir além do “existir”. O time precisava de calendário, precisava competir e não viver apenas de 3 meses em campo, mesmo que na elite estadual. E conseguiu! Até mais do que esperava, indo além de uma vaga na série D, com vagas na Copa do Nordeste e Copa do Brasil. E assim, com o calendário cheio, o Ferroviário começava talvez em 2018 um maiores anos de sua vida. Onde ele, de fato, sobreviveu. Fez história com uma bela campanha na Copa do Brasil, enfrentou, e bem, equipes da elite nacional. E com brilhantismo conquistou seu primeiro título nacional.

Após a conquista era comum ver pessoas, principalmente mais velhos, chorando copiosamente. E isso se explica. Eles acompanharam de perto a luta do Ferroviário pela sobrevivência. Eles viram um time sair de um “clássico das multidões” (contra o Ceará) tamanho era sua torcida, para minguar numa série B de cearense, sendo atropelado por times de bairro, como o Floresta, ou empresa, como o Uniclinic. Estes torcedores viveram, diariamente, o medo de ver seu time morrer antes deles. O medo real de nunca mais ver uma glória da equipe que tanto ama. De nunca mais se sentir minimamente respeitado. De andar nas ruas com a camisa do seu clube e ouvir, com um fundo de resiliência, “o ferrim ainda existe?”.

O Ferroviário era a síntese da morte, ou luta pela sobrevivência, de times tradicionais como a Tuna Luso, Goiana E.C., América-PE, Alecrim-RN, Ypiranga-BA, etc. Ele foi por muito tempo apenas, romanticamente falando, uma foto manchada de um clube campeão “no século passado” (1995 seu último título). De algo que talvez não fosse existir outra vez. Onde torcedores mais velhos morreriam com medo de não deixar “seu legado” para os mais jovens. Pois, quem vai torcer para um time que apenas sobrevive? O título do Ferroviário também é um título da Tuna, América e demais citados. De clubes que sobrevivem, com torcedores fiéis, que comemoram cada vitória, por mais simples que seja, como se fosse um título. Pois, cada vitória um ato de sobrevivência.

Ferroviário Atlético Clube: campeão da Série D 2018 (JL Rosa/Divulgação-DN)
Você pode gostar também
Comentários
Carregando...