Tem uma escola de samba na liderança da Taça Paulista de futebol

329

Já virou comum em São Paulo ver torcidas organizadas de futebol criarem escolas de samba. Tem Gaviões da Fiel, Mancha Verde, Dragões da Real, etc… Mas o contrário também existe: a Vai-Vai, maior escola de samba de São Paulo, criou um time de futebol que disputou a primeira edição da Taça Paulista.

A campanha na primeira fase impressionou: foram 13 vitórias e 3 empates. Superou até o União Suzano (Usac), que já foi profissional e campeão da 4ª divisão estadual. A bela trajetória da Vai-Vai no torneio só foi interrompida na semi-final, após ser eliminada pelo Raça Sport Clube de Hortolândia.

Time perto da quadra da Vai-Vai, no Bixiga
Time perto da quadra da Vai-Vai, no Bixiga

A Taça Paulista é uma competição amadora organizada pela advogada Gislane Nunes, aquela que já tratou de diversos casos polêmicos do futebol brasileiro. É uma competição criada pela Liga Paulista, que busca dar atividade a times que estão na beira do profissionalismo. Alguns estão em decadência, mas outros estão surgindo e evoluindo agora.

O Vai-Vai se enquadra nesse segundo caso e tem crescido rapidamente. Começou a se envolver em competições amadoras em 2008 e aos poucos amadureceu a ideia de ter um time. Hoje em dia, segundo a ESPN, gasta cerca de R$ 60 mil mensais com o departamento de futebol e cogita a ideia de virar profissional. A própria escola de samba e a empresa Sincoplastic investem no clube. Academias e restaurantes da Bela Vista ajudam também. Os jogadores treinam em pequenos campos municipais e disputam partidas nos estádios pouco utilizados de São Paulo, como o Euclides da Cunha e o Nicolau Alayon, e até um em São Bernardo do Campo, o Baetão.

E esse projeto não surgiu do nada. Existe até uma tradição que remete às origens da escola de samba: por volta de 1928, a Vai-Vai foi fundada por membros expulsos de um antigo time de futebol, o Cai-Cai. Com esse nome não dava para o time ir longe mesmo. Mas a escola de samba deu certo e, com o nome Vai-Vai, dá para acreditar que essa história vai vai mais longe.

Comments