“Os clubes do interior que não morreram estão lutando para sobreviver”

0 283

O técnico Edson Fumaça está assumindo o maior desafio da sua nova carreira como treinador. O ex-zagueiro irá dirigir o tradicional Bandeirante de Birigui na Segundona, a quarta divisão do Campeonato Paulista, de 2011.

Aos 49 anos, Fumaça possui história no Leão da Noroeste. Ele fez parte do grupo que levou o time de Birigui para a primeira divisão do Paulistão em 1986. “A nossa motivação era muito grande. Mesmo Birigui sendo uma cidade pequena nós conseguimos mobilizar a torcida e os empresários da região”, relembra.

O ex-zagueiro colecionou passagens por Araçatuba, Rio Branco de Americana, Corinthians, Comercial de Ribeirão Preto e no próprio BEC. Nessa entrevista exclusiva ao Última Divisão, ele recorda alguns momentos da sua carreira e fala sobre as expectativas do Bandeirante para a disputa da Segundona 2011.

Última Divisão: O elenco do Bandeirante já está definido para a disputa do Paulista da Segunda Divisão?

Edson Fumaça: Ainda estamos definindo tudo. Queremos fechar um plantel de 25 a 28 atletas. Nós ainda estamos iniciando um trabalho. Todos sabem muito bem que as equipes do interior têm dificuldades grandes. Principalmente na parte de verba. Estamos também melhorando a estrutura do clube, reformando o refeitório e o dormitório.

O Bandeirantes de 1986. Em pé: Paulo César, Moreira, Jorge, Vicente, Edson (em pé) Fumaça e Almeida; Brinda, Osni, Rubão, Valmir e Pedrinho (agachados)
O Bandeirantes de 1986. Em pé: Paulo César, Moreira, Jorge, Vicente, Edson (em pé) Fumaça e Almeida; Brinda, Osni, Rubão, Valmir e Pedrinho (agachados)

UD: O senhor era zagueiro do BEC que foi campeão da segunda divisão em 1986. Qual a diferença do futebol do interior daquela época para hoje?

EF: Um ponto importante é que a nossa motivação era muito grande. Mesmo Birigui sendo uma cidade pequena nós conseguimos mobilizar a torcida e os empresários da região. O Bandeirante sempre foi um clube com uma torcida muito forte. A situação atual é diferente. Os clubes do interior que não morreram estão lutando para sobreviver de alguma maneira.

UD: O senhor acredita que a revelação de atletas é algo importante para os clubes tradicionais ?

EF: Sim. Temos que trabalhar forte nas categorias de base. Isso eu falei inclusive com o nosso presidente. Se no final do campeonato, nós conseguirmos vender de um a dois atletas podemos ter algum retorno financeiro satisfatório para a equipe.

UD: Na sua opinião, a Lei Pelé dificultou a vida das agremiações tradicionais como o Bandeirante?

EF: A Lei Pelé teve os seus prós e contras. Na minha época, você tinha muitos atletas bons no interior. Era muito difícil você ter uma oportunidade e muitas vezes essa oportunidade não aparecia. Atualmente, qualquer garoto que dá um chutinho acaba indo pra Europa. Na minha época, o atleta assinava com um time do interior no dia 1 de janeiro e tinha contrato até o dia 31 de dezembro. Recebia salário durante doze meses. O jogador tinha uma programação e recebia um salário maior que hoje. Quem economizava conseguia comprar uma casa. Hoje, o cara assina um contrato pra jogar dois ou três meses e não sabe se vai receber.

UD: Quais treinadores o senhor teve que o influenciaram a seguir a carreira?

EF: Os melhores que eu tive foram o Mário Travaglini e o Dudu. Seu Dudu foi meu técnico quando subimos com o Bandeirante. Ele sempre foi um grande profissional e é um exemplo em termos de caráter.

UD: O Travaglini dirigiu o senhor em qual time?

EF: No Corinthians. Eu tinha entre 17 e 18 anos. Fiquei no time do Parque São Jorge entre 1981 e 83. Na época, as oportunidades pra mim foram raras lá porque eles tinham na minha posição gente como Mauro, Rondinelli. O seu Orlando (Monteiro Alves) e o seu Adilson (Monteiro Alves) foram pessoas que me ajudaram muito. Mas eu era muito novo e não tinha juízo. Naquela época, você não tinha empresário ou pai para te acompanhar em tudo. Era bem mais difícil. Se eu tivesse a cabeça que eu tenho hoje, a minha história poderia ter sido diferente.

UD: O senhor jogou também no Araçatuba. Como era antigamente o clássico entre o Bandeirante e o Araçatuba?

EF: A rivalidade era muito grande. Veja você: Birigui e Araçatuba são cidades tão próximas que são quase emendadas uma na outra. Essa rivalidade era muito forte, era como Palmeiras e Corinthians em São Paulo.

FotoNoticia602UD: É a primeira vez que você irá dirigir um time na quarta divisão. O senhor costuma acompanhar a Segundona?

EF: Sempre procuro acompanhar a competição e assisto as partidas na Rede Vida. É um campeonato muito difícil e bastante competitivo. Para uma equipe conseguir subir é necessário um trabalho forte em cima disso. Por isso, estamos formando uma comissão técnica com profissionais qualificados e que tenham bom caráter. O presidente está me dando todas as condições, principalmente nessa parte de estrutura. Nosso objetivo é voltar para a Série A-3. Estamos entrando para ganhar e para formar bons jogadores.

UD: Qual é a sua análise sobre o grupo em que o Bandeirante irá jogar a primeira fase?

EF: É um grupo muito difícil. O Votuporanguense está formando um time forte e o Fernandópolis também. Outro time que preocupa é o José Bonifácio que todo ano chega nas fases decisivas da competição. Nossa estreia acontece somente na segunda rodada. Por isso, ainda iremos programar alguns amistosos.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...