Começo do 2º turno da Série B tem brilho do Botafogo e injúria racial em Brusque

Foto: Vitor Silva
178

Depois que acabou o 1º turno da Série B, tivemos duas rodadas condensadas em apenas uma semana. Então muuuita coisa aconteceu. Dentro de campo, o principal destaque foi o Botafogo. Fora dele, o destaque negativo aconteceu em Brusque.

Em primeiro lugar, o assunto mais importante: Celsinho, do Londrina, sofreu injúria racial durante o jogo contra o Brusque. “Vai cortar esse cabelo de cachopa de abelha”, disparou Julio Antônio Petermann, para ofender o jogador. 

O Brusque reagiu da pior forma possível: primeiro emitiu uma nota em que aumentou os ataques, pois disse que Celsinho estava se aproveitando de casos de racismo para ganhar vantagens. E ameaçou tomar “medidas cabíveis” contra ele.

Publicidade

No dia seguinte até houve um pedido de desculpas pela nota infeliz. Mas o vice-presidente do clube, Carlos Beuting, mostrou que o Brusque não entendeu o que aconteceu. 

Diretoria do Brusque, aprenda: pouco importa se alguém chamou o Celsinho de “macaco” ou não. O crime foi cometido por Julio Antônio Petermann ao fazer provocação com o cabelo Black Power.

Mas o Brusque não mostrou qualquer vontade de responsabilizá-lo. Só aumentou o estrago. Já tem até patrocinador caindo fora. Carlos Beuting tem razão em uma coisa: estão jogando a instituição na lama.

Mas quem faz isso é a própria diretoria atual.

O brilho solitário da estrela do Botafogo

Dentro de campo, a Série B continua com o equilíbrio de sempre. Nas duas primeiras rodadas do 2º turno, só um time venceu duas partidas. Só um clube brilhou 100%.

2 vitórias

Botafogo: derrotou Vila Nova e Coritiba

1 vitória e 1 empate

CRB: derrotou o Remo e empatou com o Cruzeiro

Cruzeiro: derrotou o Confiança e empatou com o CRB

Goiás: empatou com o Sampaio e derrotou o Confiança

Náutico: derrotou o CSA e empatou com o Vitória

Sampaio: empatou com o Goiás e derrotou o CSA

Vitória: derrotou o Guarani e empatou com o Náutico

1 vitória e 1 derrota

Coritiba: derrotou o Avaí, mas perdeu pro Botafogo

Guarani: perdeu pro Vitória e derrotou o Operário

Operário: derrotou o Vasco e perdeu pro Guarani

Vila Nova: perdeu pro Botafogo e derrotou o Avaí

Vasco: perdeu pro Operário e derrotou a Ponte

Ponte Preta: derrotou Brusque e perdeu pro Vasco 

2 empates

Brasil: empatou com Remo e Londrina

Londrina: empatou com Brasil e Brusque

1 derrota e 1 empate

Remo: perdeu pro CRB e empatou com Brasil

Brusque: perdeu pra Ponte e empatou com Londrina

2 derrotas

Avaí: perdeu pra Coritiba e Vila Nova

Confiança: perdeu pra Goiás e Cruzeiro

CSA: perdeu pra Náutico e Sampaio. E o técnico Ney Franco saiu do clube.

Então só nos resta elogiar o Botafogo, principalmente o grandioso trabalho de Enderson Moreira.

Era difícil acreditar que ele resolveria tantos problemas em tão pouco tempo. O histórico recente dele não empolgava.

E Enderson não teve grandes reforços. Nem mexeu demais no time. Apenas aproveitou melhor algumas peças e organizou a equipe, principalmente na defesa. 

Outro mérito foi transformar o Botafogo em uma equipe mais regular. Era comum ver o time oscilar. Até dentro da mesma partida! Mas agora virou essa equipe que consegue uma sequência melhor do que todas outras equipes do campeonato.

Tantos elogios significam que o Botafogo vai subir com certeza? Claro que não. Ainda há dúvidas. Por exemplo: se a defesa melhorou muito por causa de Joel Carli, será que ele vai ter gás pra manter o alto nível até o fim? Afinal tem 34 anos e estava sem jogar há um tempão.

Outra dúvida: o que será do ataque se acontecer uma saída ou lesão de Chay e/ou Navarro? O time parece muito dependente de ambos no setor ofensivo.

E o elenco ainda tem algumas deficiências que podem pesar contra. No gol, por exemplo, as lesões de Gatito e Diego Cavalieri já mostraram que Diego Loureiro não está pronto para momentos decisivos. Os veteranos precisam voltar bem urgentemente.

Mas são só desconfianças normais de quem é jornalista. Quem é torcedor tem que comemorar. O Botafogo merece confiança total na Série B.

Comentários