Calma, Anzhi!

0 65

Publicidade

A cidade de Makhachkala está situada em um ponto inóspito da Rússia: mesmo estando a sudoeste do país, no Daguestão, tem o litoral do Mar Cáspio a leste. Porém, apesar de ter sido oficialmente fundada em 1844, só foi entrar no mapa do futebol em 1991. E vinte anos depois, passou a figurar no mapa do futebol mundial, graças ao Football Club Anzhi Makhachkala.

Escudo do Anzhi na década de 90:
sim, parecia uma empresa de ônibus

Fundado há duas décadas, o Anzhi começou sua história de forma modesta. Em 1992, disputou pela primeira vez a terceira divisão, disputada por zonas regionais. No ano seguinte, faturou a Zona 1 e subiu para a segunda divisão. Em 1999, foi campeão da competição, e ascendeu à elite do Campeonato Russo pela primeira vez. Em 2000, a estreia na primeira divisão não foi das piores: um quarto lugar, com uma vaga na Copa da Uefa da temporada 2001/2002. O destaque do time na época era o sérvio (hoje montenegrino) Predrag Randelovic.

O time ainda foi vice-campeão da Copa da Rússia no meio de 2001, perdendo o título nos pênaltis para o Lokomotiv Moscou. Mas a partir daí, a coisa degringolou: no segundo semestre, o Anzhi foi eliminado pelo Glasgow Rangers logo na primeira fase da Copa da Uefa, com uma derrota em campo neutro (1 a 0, em Varsóvia). E pior: sem Randelovic, no CSKA Moscou, o time foi 13º colocado do Campeonato Russo de 2001, a quatro pontos da zona de rebaixamento. No ano seguinte, a equipe do Daguestão foi vice-lanterna da competição nacional e acabou rebaixada.

Foi assim até 2009, quando o time do técnico Omari Tetradze foi novamente campeão da divisão de acesso. Tetradze, ex-jogador da Roma na década de 90, atuou pelo Anzhi em 2003, justamente em sua única temporada como jogador na segunda divisão. Em 2005, aposentou-se dos gramados pelo Krilya Sovetov. Em 2010, na volta à primeira divisão, o Anzhi Makhachkala foi o 11º colocado, mais uma vez escapando por poucos pontos (três, no caso) de ser rebaixado.

Tetradze como técnico: uma aposta certeira

Foi assim até 18 de janeiro de 2011, quando a coisa mudou de figura. O clube foi vendido ao bilionário Suleyman Kerimov, filantropista e investidor do ramo de óleo, combustível e extração de minérios – o negócio, como esperado, foi um tanto quanto obscuro, e teria sido intermediado por Magomedsalam Magomedov, governador do Daguestão. Com 100% das ações do clube, Kerimov prometeu rapidamente investir no clube, e cumpriu a promessa.

Menos de um mês depois de se tornar acionista do clube, Kerimov mostrou a que veio. Em 16 de fevereiro, foi anunciada a contratação do lateral Roberto Carlos, 37 anos, então no Corinthians e com o ambiente instável diante da eliminação do clube na pré-Libertadores para o Tolima. Dias depois, o clube paulista também negociou o volante Jucilei. Do Atlético-MG, veio o atacante Diego Tardelli, então nome constante nas convocações da Seleção Brasileira. Em 10 de março, último dia da janela de transferências, o contratado foi o marroquino Mbark Boussoufa, do Anderlecht.

No meio do ano, mais contratações de peso. Primeiro, veio Yuri Zhirkov, do Chelsea. Depois, a principal da história do clube: o atacante camaronês Samuel Eto’o, ex-Inter de Milão, negociado pela bagatela de 28 milhões de euros – curiosamente, o mesmo Eto’o já fora sondado pelo Bunyodkor, do Uzbequistão. Balasz Dzsudzsak, do PSV Eindhoven, veio na mesma janela.

Mesmo assim, o clube não escondeu os problemas que teve na sua primeira temporada entre os emergentes. Em setembro, o clube demitiu o técnico Gadzhi Gadzhiev, e ficou sem um nome para substituí-lo – sobrou para o capitão Roberto Carlos, que passou a dividir a função com o assistente técnico Andrei Gordeyev. Para ocupar a vaga, a imprensa internacional logo passou a sondar o holandês Guus Hiddink, recentemente demitido da seleção da Turquia.

No Campeonato Russo, o time terminou com a modesta oitava colocação, longe das vagas para competições europeias e atrás de rivais tradicionais, como Zenit St. Petersburg, CSKA Moscou, Dínamo Moscou e Spartak Moscou (respectivamente os quatro primeiros colocados). De quebra, o elenco ainda se mostrou irregular, com figurões estrangeiros dividindo espaço com jovens da casa – Kamil Agalarov, Viktor Kuzmichyov, Sharif Mukhammad, Ilya Kukharchuk e Yevgeny Pomazan, entre outros, têm todos menos de 23 anos, e ainda não mostraram tanto talento. Ou seja: por enquanto, o Anzhi é um time comum, com alguns figurões espalhados pelo campo.

Obviamente, são problemas de fácil resolução diante da fortuna de Kerimov. O mecenas já deve ter observado como se faz, graças aos exemplos de clubes como Shakhtar Donetsk (o exemplo mais próximo do Anzhi Makhachkala) e Manchester City. Não será nos próximos meses que o clube do Daguestão irá incomodar os figurões da Europa. Mas diante dos investimentos maciços que deverão chegar, alguém quer apostar em um prazo para tal?

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...