Breve história da Copa Intertoto, o estranho torneio dos clubes alternativos da Europa

Montagem UD
580

Era uma vez um torneio europeu caça-níquel feito sem o aval da UEFA e que acabou sem deixar muitas saudades. Não, não estamos falando da final da Superliga Europeia, mas da Copa Intertoto, um torneio continental surgido nos anos 60 e que durou até 2008.

Criada para ser a copa dos que ficaram de fora das competições europeias, a Intertoto ao longo dos anos foi perdendo relevância, virou motivo de intriga entre clubes e a UEFA, mudou de regulamento várias vezes até que um dia a entidade resolveu botar um fim definitivo. E quase ninguém sentiu saudades. Vamos relembrar a história desse curioso e histórico torneio extinto.

 

Origens

A ideia por trás da Copa Intertoto partiu do austríaco Karl Rappan, então técnico da seleção da Suíça e que é famoso por ter implantado a tática “Verrou-defence”, o famoso Ferrolho Suíço, em 1938 (e que perdura até os dias de hoje).

Publicidade

A ideia dele era preencher o calendário dos clubes que não estavam disputando nem a Copa dos Campeões Europeus (a atual UEFA Champions League) nem a Taça das Taças (que contava apenas com os campeões das copas nacionais). Por isso, ela era chamada informalmente de A Copa dos Sem-Copa.

Assim, ele viajou por todo o continente atrás de apoio. E encontrou alguém disposto a financiar o projeto: Ernst Thommen, então vice-presidente da Fifa que, além de criar a Taça das Cidades com Feiras, implantou o sistema de apostas de futebol na Suíça em 1932.

Para Thommen, o torneio seria uma ótima maneira de movimentar as casas de apostas durante o verão europeu, quando não há competições oficiais e o mercado fica parado. Assim, a Intertoto veio justamente para suprir essa demanda. Não por acaso, “toto” é o termo usado para “aposta de futebol” em alemão.

Alegando ser apenas um torneio caça-níquel, a UEFA inicialmente se recusou a dar qualquer aval ao torneio. Mas não criou sanções para que ele acontecesse. A única regra era que os clubes não poderiam jogar a Intertoto e as copas europeias ao mesmo tempo; teriam que escolher entre uma ou outra. Apenas em 1995 a UEFA decidiu incluir a Copa Intertoto sob sua asa, dando um novo significado ao torneio, que explicaremos mais à frente.

Assim, em 1961, foi dado o pontapé inicial ao primeiro International Football Cup (IFC), o antigo (e pouco criativo) nome da Intertoto.

 

Formato

Ao longo do tempo, a Copa Intertoto sofreu diversas modificações.

1961 a 1967: 

Durante os anos iniciais, o formato era de uma copa normal, com fase de grupos e fase de mata-mata. Na final, o clube vencedor se sagrava campeão. A quantidade de clubes variava de 32 a 48 por edição.

1967 a 1994:

Apesar da euforia inicial, Intertoto passou a sofrer com problemas de agenda. A fase de grupos era disputada durante a pré-temporada europeia, mas a fase final acontecia durante a temporada normal. Assim, muitos clubes menores não tinham condições (nem muito interesse) de se deslocar pelo continente com dinheiro próprio e simplesmente abandonavam a competição.

Por isso, a partir de 1967, a Copa Intertoto aboliu a fase de mata-mata e deixou de ter um clube campeão. É isso mesmo: os times jogavam apenas a fase de grupo e os melhores colocados recebiam uma premiação em dinheiro como consolação.

1995 a 2005:

O pior é que o formato sem campeões nem é o mais bizarro de todos. Quando a UEFA passou a comandar a Intertoto, a partir de 1995, o sistema voltou a ter uma fase de grupos seguida de mata-mata — e, a partir de 1997, apenas mata-mata. Só que o torneio simplesmente acabava nas semifinais. Ou seja, os dois finalistas eram considerados campeões.

Há uma explicação para isso: para dar algum sentido ao Intertoto, a UEFA abriu duas vagas da Copa da UEFA (atual Liga Europa) para os melhores times da Intertoto da temporada. Assim, a Intertoto seria uma espécie de fase classificatória alternativa para a Copa da UEFA.

Como se não bastasse isso, na temporada seguinte, o número de vagas subiu para três. Então cada edição passou a ter 3 campeões!

2006 a 2008:

Em 2006, o formato foi reformulado novamente. Passou a ser apenas um mata-mata de três fases. Só que agora tínhamos 11 clubes campeões por edição (!), sendo 1 considerado o campeão dos campeões (que era aquele que ia mais longe na Copa da UEFA daquele mesmo ano).

 

Critérios de participação

Durante os anos pré-UEFA (1961 a 1994), não havia um critério muito rígido quanto à participação dos clubes. Quem não estivesse disputando nenhuma competição da UEFA e quisesse participar da Intertoto, bastava se inscrever e já entrava no torneio.

A partir de 1995, quando a UEFA entrou na jogada, o critério passou a ser a posição nas ligas nacionais. Os times logo abaixo dos classificados para a Copa da UEFA garantiam vaga para a Intertoto.

Essa mudança no regulamento causou alguns problemas para times ingleses, que nunca foram muito entusiastas do torneio. Em 1995, Tottenham e o finado Wimbledon entraram em campo com times reservas e acabaram banidos das competições da UEFA. Eles apelaram da decisão e conseguiram reverter a pena por uma multa.

 

Maiores campeões

Durante a era pré-UEFA (1961 a 1967), o maior campeão foi o Inter Bratislava, da atual Eslováquia, com dois canecos: 1962-1963 e 1963-1964.

Na era da UEFA, temos quatro clubes empatados também com dois títulos cada:

  • Villarreal (ESP): 2003, 2004
  • Hamburger SV (ALE): 2005, 2007
  • Stuttgart (ALE): 2000, 2002
  • Schalke 04 (ALE): 2003, 2004

 

Por que acabou?

Desde que o torneio acabou nas mãos da UEFA, aquela ideia inicial de dar espaço para clubes com menos força na Europa caiu por terra. Já tivemos, por exemplo, a Juventus de Inzaghi, Del Piero e Zidane, e o PSG de Anelka, Jay Jay Okocha e Aloisio Chulapa campeões em 1999 e 2001, respectivamente.

E mesmo com tantos campeões por edição, a maioria absoluta dos títulos ficou com o chamado Big Five, sendo França a líder disparada com 12 canecos, seguida por Alemanha com 8, Espanha com 5, e Itália e Inglaterra com 4 cada. Fora eles, apenas Portugal e Dinamarca tiveram o gostinho de ser campeão da Intertoto.

Apesar de rentável, o torneio já vinha perdendo sentido para os clubes há muito tempo, sendo não mais do que um torneio de pré-temporada de luxo. As mudanças no regulamento em 2006 foram a pá de cal da Copa Intertoto.

Tanto que em 2007, o então presidente da UEFA, Michel Platini, anunciou que a Intertoto seria extinta em 2009. Para acomodar os clubes que participavam da Intertoto, a mesma foi fundida com a nova Liga Europa (que substituiu a Copa da UEFA como segundo torneio do continente), que passou a contar com mais fases preliminares.

E para dar mais espaço para os clubes de países periféricos, a UEFA há alguns anos ensaia uma lançar um terceiro torneio no continente. E a ideia sairá do papel agora em 2021, com a Europa Conference League. Confira no vídeo a seguir para saber mais sobre essa competição.

Comentários