Botafogo de 2021 repetirá o Cruzeiro de 2020?

Foto: Victor Silva/Botafogo
261
Esse texto faz parte do “projeto Série B de Primeira”, que pretende gerar uma cobertura intensa da Série B de 2021 no Última Divisão. Atingimos a 1ª meta do financiamento coletivo e portanto haverá uma coluna semanal aqui no site. Veja como está o andamento das outras metas e apoie o projeto.

O Botafogo é um dos times mais importantes da Série B de 2021 e teve uma sequência terrível recentemente. Foi eliminado na Copa do Brasil, pelo ABC, e ficou sem chances de classificação no Campeonato Carioca, com uma rodada de antecedência. Então surgiu aquela sensação de que mais um clube que já foi campeão da Série A pode fracassar feio na Série B, como aconteceu com o Cruzeiro em 2020. A coluna “Série B de Primeira” tinha que abordar essa questão.

 

O dilema Marcelo Chamusca

Com as eliminações recentes, grande parte da torcida do Botafogo fez pressão para a diretoria demitir o técnico Marcelo Chamusca. E de fato era um dilema complicado. Afinal o treinador não conseguiu fazer o time evoluir ainda. A goleada contra o rebaixado Macaé, ontem, não ilude ninguém. Em outros momentos o Botafogo pareceu até pior que no ano passado.

Publicidade

Por outro lado, há pontos que pesam a favor da manutenção de Chamusca. Acima de tudo, porque ele indicou diversos reforços contratados neste começo de ano. Até errou em algumas indicações, mas pelo menos conhece os jogadores, sabe como aproveitá-los e pode passar confiança. Outro técnico não teria esse conhecimento e queimaria o trabalho feito neste começo de ano.

E mais: quem seria este outro treinador? Há um outro bom nome no mercado que seja acessível? Sugeriram Jair Ventura. Até poderia dar certo. Mas não dá para dizer que é uma unanimidade. Já mostrou ser um técnico limitado. E não tem tanta experiência em divisões de acesso quanto Chamusca. O torcedor do Botafogo precisa ter em mente que disputar Série B é diferente de disputar Série A.

E agora dilema já foi resolvido: a diretoria resolveu manter Chamusca por enquanto. Ele terá tempo para preparar o time adequadamente e consertar os erros que ele mesmo admitiu.

 

O próximo passo

O Botafogo deu bons sinais no começo do Campeonato Carioca, mas Chamusca se perdeu com o passar do tempo. Além de ter enfrentado adversários mais difíceis, também parece que o técnico exagerou nos testes para conhecer o elenco. O time mudou muito e quase ninguém se destacou.

Entre os reforços, dá para destacar as chegadas de Jonathan, Gilvan, Matheus Frizzo, Marco Antônio e Pedro Castro como promissoras. Mas outros nomes já pintam como decepção, como Rafael Carioca, Ronald e Marcinho. A sensação é que o time tem problemas em quase todos setores. Só a defesa parece não precisar de reforços – apesar de precisar de ajustes táticos também.

O próximo passo, além de treinar muito, é reforçar o elenco ainda mais. O ideal, porém, é focar na qualidade, em vez da quantidade. O elenco já está numeroso. Precisa de peças que cheguem, vistam a camisa e ajudem a resolver. A especulada contratação de Anselmo Ramon, por exemplo, se encaixa nesse perfil. O time precisa de um centroavante mais experiente, para fazer revezamento e ajudar os jovens Rafael Navarro e Matheus Nascimento.

Contratar um volante mais marcador e com perfil de liderança seria essencial. Buscar um ponta com mais qualidade de finalização também seria excelente.
 

Cruzeiro de 2020

O Botafogo tem uma semelhança perigosa com o Cruzeiro de 2020 – o time começou a Série B com um técnico que gerava desconfiança, Enderson Moreira. A equipe não tinha se classificado no estadual e já havia muita pressão. Assim que surgiram as primeiras dificuldades na Série B, a diretoria cometeu o pior erro: trocou Enderson por Ney Franco. O time piorou e complicou de vez a possibilidade de acesso. Tanto que Felipão assumiu o time dizendo que o foco era evitar o rebaixamento pra Série C.

O Botafogo corre o mesmo risco, pois chegará na Série B com um técnico pressionado. Se a diretoria não tiver pulso firme nas primeiras dificuldades, Chamusca cairá. E se a escolha do substituto for ruim, o risco de queda pra Série C será real. Estamos falando de uma Série B que tende a ser muito forte.

O objetivo aqui não é defender a permanência do Chamusca a todo custo. Mas fazer o alerta: a diretoria assumiu que ele deve começar a Série B, então será preciso bancar isso em alguns momentos.

Outro alerta: o Botafogo não vai sobrar na Série B desde o início. Não tem time pra isso. A diretoria precisa enxergar isso e ter pulso firme.

Se a troca for necessária, a escolha do substituto precisa ser muito cuidadosa. Caso contrário, o Botafogo repetirá o resultado do Cruzeiro de 2020 ou será ainda pior.

Se o Botafogo de 2021 será o Cruzeiro de 2020, ainda é cedo para responder. Mas há semelhanças perigosas sim.

Comentários