O Green Cross, a Cordilheira dos Andes e uma tragédia de cinco décadas

0 277

Vez ou outra, o futebol mundial é atingido em cheio pela notícia da queda de um avião. Equipes como Torino (1949), Manchester United (1958), Alianza Lima (1987) e seleção da Zâmbia (1993) passaram por tragédias assim, jamais esquecidas. Porém, entre os desastres menos conhecidos desta categoria, está também um dos mais misteriosos: o voo do Green Cross.

greencrossfcO Club de Deportes Green Cross era uma equipe com algum destaque no futebol chileno. Embora tenha sido um dos fundadores da Primera División del Fútbol Profesional Chileno, em 1933, conquistou apenas uma vez (1945) o título da elite local. Em quase 50 anos, esteve na primeira divisão em 43 deles.

A história de relativo sucesso sofreu um duro golpe na noite de 3 de abril de 1961, quando parte do elenco do Green Cross foi vítima de um acidente aéreo. A equipe viajava em um modelo DC3 da companhia aérea LAN Chile, entre as cidades de Temuco e Santiago, após uma partida dois dias antes contra o Provincial Osorno pela primeira fase da Copa Chile. Nenhuma das 24 pessoas a bordo (quatro tripulantes e 20 passageiros, entre jogadores, dirigentes e até árbitros) sobreviveu à queda.

O voo fazia a última perna de uma viagem entre Castro e Santiago, com escalas em Puerto Montt e Temuco. Menos de 2 minutos após a decolagem no Aeroporto de Temuco, a tripulação pediu autorização para baixar a altitude de voo – o controle de tráfego aéreo em Santiago negou, devido à grande quantidade de aviões no trecho.

Eliseo_MourinoO avião recebeu então instruções para desviar a rota. Foi o último contato com a aeronave. No dia 10 de abril, uma semana depois, parte dos destroços foram encontrados em uma montanha. Entre as principais vítimas, estavam o técnico Arnaldo Vásquez Bidoglio e o atacante argentino Eliseo Mouriño (foto). A morte de Mouriño causou grande comoção na Argentina, onde atuou por Banfield e Boca Juniors entre 1948 e 1960.

No dia 17 de abril de 1961, os corpos das vítimas foram velados na sede da Associação Central de Futebol do Chile, em Santiago. Dois dos árbitros mortos na tragédia, Roberto Gagliano Guzmán e Lucio Cornejo Díaz, cunhados, tiveram seus restos mortais velados em um mesmo caixão, mediante autorização de suas respectivas esposas.

Por conta da tragédia, a Copa Chile daquele ano foi chamada Copa Green Cross. A equipe em questão atuou com os jogadores que escaparam da tragédia – uma parte do elenco embarcou em um outro voo, com mais escalas. No jogo de volta contra o Provincial Osorno, após um empate por 1 a 1 na ida, o Green Cross perdeu por 1 a 0 e deu adeus ao torneio.

O local da queda do avião, bastante isolado, conserva pedaços da aeronave até os dias de hoje – em fevereiro de 2015, alpinistas anunciaram ter encontrado parte da fuselagem e restos mortais na cordilheira de Linares.

“O avião está a mais de 3.200 metros de altura. Conserva-se grande parte da fuselagem, muito material espalhado pelo lugar e inclusive ossadas”, disse Leonardo Albornoz, um dos alpinistas da expedição, que não divulgará o ponto exato dos destroços para evitar a atração de curiosos.

Passado o acidente, o Green Cross não resistiu por muito tempo no futebol chileno. Em 1965, a equipe deixou Santiago e foi para Temuco, onde se fundiu com o Deportes Temuco, dando início ao Green Cross Temuco.

Desde então, a equipe mudou diversas vezes de nome: Green Cross Cautín (1984), Deportes Temuco (1985), Deportivo Temuco (2007) e Club de Deportes Temuco (2008). Em 2013, a equipe incorporou ainda o Unión Temuco, mas sem alterar seu nome. Hoje, disputa a Primera B, segunda divisão chilena.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...