A maior venda da história do XV de Piracicaba

Imagem: Alexandre Battibugli/FPF
0 892

Em meio à pandemia de covid-19 e à paralisação de jogos de futebol, não é todo clube do Brasil que vê mais de R$ 1 milhão caindo na conta. Ainda mais quando não estamos falando de um clube da Série A do Campeonato Brasileiro.

Pois é o que está acontecendo com o XV de Piracicaba, que disputa em 2020 a Série A-2 do Campeonato Paulista. Neste sábado (27), o Nhô Quim anunciou a venda do goleiro Mateus Pasinato ao Moreirense, de Portugal.

Leia também:

Contratado pelo XV em 2013, após passagem pelo Rio Branco de Americana, o goleiro viveu seu auge no clube piracicabano em 2016, ao conquistar a Copa Paulista. Desde então, passou por empréstimo por Bragantino, Vila Nova e São Bento.

“Tanto eu quanto o Cleber Gaúcho (técnico do XV de Piracicaba em 2013) vimos potencial no Mateus quando ele chegou ao XV, em 2013. A partir daí, juntamente com o preparador físico André Ferreira, começamos a trabalhar com ele e a evolução foi constante, dia a dia”, afirmou Cristiano Cavalcante, preparador de goleiros do clube paulista.

Em 2019, o catarinense Mateus Pasinato foi emprestado ao Moreirense, com contrato até 30 de junho de 2020. E não decepcionou: até a data da negociação, o brasileiro era o líder no número de defesas da temporada 2019/2020 na primeira divisão portuguesa, conforme as estatísticas da própria liga local. A própria imprensa lusa o classifica como “indiscutível”.

Imagem: Reprodução

O Moreirense, então, decidiu não perder a chance e comprou 80% dos direitos do goleiro, pagando para isso 240 mil euros – o equivalente, na data do anúncio, a R$ 1,47 milhão. Os outros 20% dos direitos seguem com o XV, com quem Pasinato tinha contrato até 2021.

Topo da lista

Segundo publico o Lance!, o valor a ser pago ao XV supera os preços pelas vendas dos atacante Paulinho (para o Flamengo, em 2013) e Jonathan Cafu (para o São Paulo, em 2015), até então as maiores da história do clube.

O primeiro custou R$ 1 milhão (embora tenha rendido mais depois), enquanto o segundo saiu por R$ 1,2 milhão.

Nada mal, não é?