7 curiosidades do Rayo Vallecano, o clube progressista de Madri

0 116

O clube espanhol Rayo Vallecano de Madrid foi fundado em 29 de maio de 1924, por Prudencia Priego. Sua casa, o estádio de Vallecas, possui capacidade para 15 mil pessoas e fica no bairro de Vallecas, que ganhou fama mundial por ter sido polo de resistência contra a ditadura franquista. Por isso, seus habitantes possuem um forte senso de pertencimento e orgulho no seu local de nascença, além do amor ao time franjirrojo. Confira a seguir algumas curiosidades do time madrilenho.

1 Alcunha: Matagigantes

Alcunha: Matagigantes

Recebeu, no ano de 1977/78, a alcunha de Matagigantes, após derrotar Real Madrid, Barcelona, Atlético de Madrid, Valencia e Atlético de Bilbao na mesma temporada. Além disso, atingiu as quartas-de-final da Copa da UEFA em 2000-01, tendo aplicado a maior goleada daquela edição (10×0 no Constelació Esportiva, de Andorra) e deixado pelo caminho clubes como Lokomotiv Moscou (Rússia) e Bordeaux (França). Contou ainda com um dos artilheiros daquela edição em seu plantel, o atacante espanhol Bolo, que empatou com 7 gols na artilharia, ao lado do atacante búlgaro Dimitar Berbatov (atuando pelo CSKA Sofia, na época).

 

2 Companheiros de luta

Companheiros de luta

Por sua torcida ser dotada de forte engajamento político de viés esquerdista, o Rayo Vallecano acabou desenvolvendo laços amigáveis com o clube alemão St. Pauli, famoso por suas atitudes anti-racistas e antifascistas. Em 2015, ambos se uniram para fazer o chamado “Clássico do Povo” no estádio Millerntor em Hamburgo. O amistoso terminou 4 a 2 para os alemães.

 

3 Unidos por una franja

Unidos por una franja

A faixa diagonal vermelha do Rayo Vallecano e do River Plate não é uma mera coincidência. Até 1949, o time franjirrojo usava camisas e shorts brancos. Só que, após ascender à primeira divisão, foi fechado um acordo com o Atlético de Madrid na qual os “colchoneros” cederiam alguns jogadores ao clube. Em troca, o Rayo Vallecano teria colocar algo de cor vermelha no uniforme para se diferenciar do arquirrival Real Madrid.

Como na época o River Plate era um time na moda na Europa, os dirigentes decidiram “homenagear” os argentinos colocando uma faixa vermelha diagonal no uniforme. O acordo duraria apenas uma temporada, mas o novo design acabou ficando.

Esse episódio estreitou os laços entre Rayo Vallecano e River Plate, tanto que em 1952, “Los Millonarios” fizeram um amistoso em Madri e doaram uma caixa com uniformes completos ao time da casa. Desde então os clubes viraram grandes irmãos do futebol.

 

4 Primeira presidenta

Primeira presidenta

Rayo Vallecano foi o primeiro clube na Espanha a ser presidido por uma mulher, Teresa Rivero, em 1994. Ela assumiu a presidência após ser nomeada pelo polêmico marido José Maria Ruiz-Mateos. Teresa nada sabia de futebol, mas geriu bem o clube e posicionou o plantel feminino do Rayo como um dos melhores no aspecto nacional (tendo conquistado a Taça da Rainha e o tricampeonato nacional). Nos anos que esteve frente ao clube (1994-2011), teve o técnico Juande Ramos como alavanca para o plantel masculino — colocando o clube nos seus anos áureos.

 

5 Ideais fortes

Ideais fortes

O clube possui frases impactantes como lema, tais como “Ame o Rayo, odeie o racismo” e “Pequeno no esporte, grande nos valores”. Os torcedores do clube se auto intitulam o verdadeiro clube operário de Madri, tentando desbancar os “colchoneros” do Atlético de Madrid, alegando que os atleticanos possuem maior poder aquisitivo.

Os torcedores do Rayo se engajaram em uma mobilização para arrecadar dinheiro suficiente para pagar a dívida da senhora Carmen Martínez Ayudo, moradora do bairro, que foi despejada da casa hipotecada. O clube tomou as dores de seus adeptos e, em 2015, se propôs a pagar o aluguel da senhora de maneira vitalícia.

Outro fato curioso ocorreu em 2017, quando o ucraniano Roman Zozulya seria contratado pela equipe, mas a diretoria resolveu ceder aos protestos enfáticos de uma enfática torcida do Rayo, intitulada Bukaneros, que não apoiavam a conduta do jogador que, supostamente, mantinha vínculo com grupos neonazistas na Ucrânia. Tal ligação se daria com o “Pravy Sektor”, que é simultaneamente um partido político nacionalista e uma força paramilitar ucraniana

 

6 Vestindo a camisa

Vestindo a camisa

Nem sempre o clube manteve-se com a característica faixa vermelha diagonal na sua camisa. O clube já usou uma faixa rosa na camisa – visando conscientização do câncer de mama – e também trajou camisa nas cores do arco-íris – visando luta contra a homofobia.

Ainda, segundo comunicado oficial, apontaram lutas diversas e simbolizadas pelas cores estampadas pelo arco-íris, tais como VERMELHO (AIDS), AMARELO (DEPRESSÃO), AZUL (ABUSO INFANTIL), ROXO (VIOLÊNCIA DOMÉSTICA), VERDE (MEIO AMBIENTE) e LARANJA (APOIO A DEFICIENTES FÍSICOS). Parte da venda dessas camisetas foi destinada a instituições de caridade atreladas a essas causas.

 

7 Plantel feminino

Plantel feminino

A equipe feminina do Rayo conta com o título da Primeira Divisão Espanhola (Superliga – Feminina 2010/2011) e contou em seu plantel com a atleta Milene Domingues de 2002 a 2004, esposa de Ronaldo na época. A equipe feminina chegou a ser ameaçada de extinção recentemente, mas a torcida do clube apoiou as meninas e, por intermédio de crowdfunding, obteve recursos para manter o funcionamento da modalidade feminina de futebol.

Posts Relacionados
Comments
Carregando...