10+ Última Divisão: os jogos que marcaram o ano de 2016

Há aqueles que dizem que um jogo de futebol pode contar muitas histórias. De fato. Todos nós, independente do time de coração, temos uma partida que ficou marcada na memória por inúmeros motivos.

Por isso, desde 2014 o Última Divisão se dedica a lembrar aquelas que marcaram o ano que passou. E para essa tarefa, contamos com a ajuda de um seleto grupo de eleitores escolhidos a dedo pela nossa equipe.

Leia também:
>> 10+ Última Divisão: as equipes que marcaram o ano de 2016
>> 10+ Última Divisão: os jogadores que marcaram o ano de 2016

E 2016 foi um ano pra lá de especial. Tivemos goleadas históricas, vexames memoráveis, viradas absurdas e títulos inéditos. Enfim, o que não faltou na temporada foi história para contar. Pois, como diz o outro, “não é apenas futebol”. E tem vezes que não é mesmo.

PUBLICIDADE

O regulamento, apenas para reforçar, é o mesmo dos anos anteriores. Em um BRAINSTORM, nossa equipe listou 30 partidas, 30 jogadores e 30 times que marcaram o ano. Desta lista, enviamos um formulário para os seletos eleitores, que deram a cada “candidato” uma nota de 1 a 5, sendo 1 o menos marcante e 5 o mais marcante. Com a divisão de notas por eleitores, fizemos a média para apontar os 10 mais marcantes em cada categoria.

Leia também:
>> 10+ Última Divisão: os jogos que marcaram o ano de 2014
>> 10+ Última Divisão: os jogos que marcaram o ano de 2015

Desta vez, falaremos dos jogos que marcaram a temporada. E, sem muita surpresa, quem dominou nosso top 10 foi a Seleção Brasileira, cujo ano variou do puro pessimismo e desespero (com direito ao desabafo de um incrédulo Galvão Bueno em plena Olimpíadas no Rio) até a liderança das Eliminatórias para a Copa de 2018 com seis vitórias consecutivas. O que mostra que até as decepções são dignas de serem lembradas.

Por fim, deixamos aqui nosso agradecimento aos 45 convidados que votaram. A atenção de vocês é uma grande recompensa ao nosso trabalho.

10+ ÚLTIMA DIVISÃO
OS JOGOS QUE MARCARAM O ANO DE 2016

10. Equador 0 x 3 Brasil (01/09/2016): nota 3,5952

Eliminatórias da Copa do Mundo 2018
Pedro Martins/Mowa Press

A partida marcou a estreia do técnico Tite à frente da Seleção Brasileira. Pela frente, o Equador – que, além de jogar em casa, era líder das eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2018. O resultado? Vitória por 3 a 0, com três gols no segundo tempo, graças à atuação decisiva de Gabriel Jesus, que também fazia sua estreia na seleção. O atacante palmeirense sofreu o pênalti do primeiro gol, convertido por Neymar, e marcou os outros dois gols da partida.

9. Água Santa 4 x 1 Palmeiras (27/03/2016): nota 3,6666

Campeonato Paulista 2016
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

O torcedor palmeirense não pode reclamar da temporada 2016, que terminou com a conquista do Campeonato Brasileiro. Entretanto, o começo não foi bem assim. Na chegada de Cuca, o time perdeu quatro partidas consecutivas – a quarta delas, em Presidente Prudente, diante do Água Santa. O time de Diadema fazia sua estreia na elite paulista e impôs aos palmeirenses sua principal derrota no ano.

8. São Paulo 0 x 1 The Strongest (17/02/2016): nota 3,8095

Copa Libertadores 2016
Nelson Almeida/AFP/Getty Images

A estreia na fase de grupos da Copa Libertadores da América pode ter sido considerada um vexame para o torcedor do São Paulo – que sofreu para avançar, mas que só caiu nas semifinais. Entretanto, o 1 a 0 no Pacaembu foi um grande feito para o The Strongest, que não vencia um jogo fora de casa na competição desde 1982 – foram 42 derrotas e 7 empates neste período. De quebra, foi a primeira vitória de um time boliviano no Brasil pela Libertadores desde que o Bolívar fez 2 a 1 no Atlético-PR em 2002.

7. Atlético Nacional (COL) 0 x 3 Kashima Antlers (JAP) (14/12/2016): nota 4,0000

Kim Kyung-Hoon/Reuters

O Atlético Nacional dominou o futebol sul-americano em 2016 e ganhou a torcida do Brasil no Mundial. Mas nada disso ajudou nas semifinais do Mundial de Clubes. Diante do Kashima Antlers, representante local no torneio, o time colombiano sofreu com um gol de Doi de pênalti no primeiro tempo. Apesar da pressão em busca do empate, abriu espaços e tomou mais dois gols no fim do jogo, com Endo e Kanakazi.

6. Brasil 0 x 1 Peru (12/06/2016): nota 4,0714

Copa América Centenário
Jim Rogash/AFP

O Brasil chegou à terceira rodada do Grupo B da Copa América Centenário dependendo apenas de si para avançar às quartas de final do torneio. Pela frente, teria a seleção do Peru. Jogo fácil? Não foi: o Brasil acabou se complicando e foi derrotado por um gol irregular de Raúl Ruidíaz, que escorou com o braço um cruzamento. Dunga não sabia, mas aquele acabaria sendo seu último jogo à frente da seleção brasileira.

5. México 0 x 7 Chile (18/06/2016): nota 4,1666

Copa América Centenário
Reprodução

O México foi eliminado nas quartas de final da Copa América Centenário, mas não foi com qualquer derrota: 7 a 0 diante do Chile. O protagonista da derrota, pelo menos no Brasil, foi o técnico Juan Carlos Osorio, ex-São Paulo. De um lado, quem criticou a “torcida contra” Osorio, conhecido por se dedicar aos estudos sobre o futebol; do outro, quem apontou a goleada como um momento “pés no chão” para os fãs do técnico.

4. Liverpool 4 x 3 Borussia Dortmund (14/04/2016): 4,1904

Liga Europa 2016
Clive Brunskill/Getty Images

O Liverpool foi o vice-campeão da Liga Europa, perdendo o título para o Sevilla, mas foi o vencedor do jogo mais emocionante do torneio na temporada 2015/2016. Pelas quartas de final, foi à Alemanha e empatou com o Borussia Dortmund em 1 a 1. Assim, só avançaria se vencesse ou empatasse em 0 a 0 em casa. Pior: o Borussia chegou ao intervalo vencendo por 2 a 0. Divock Origi diminuiu no começo do segundo tempo, Marco Reus fez 3 a 1 aos 12 min da etapa final. Tudo decidido? Que nada! Philippe Coutinho diminuiu aos 21 min e Mamadou Sakho empatou aos 33 min. O 3 a 3 daria a vaga ao Borussia, graças aos gols fora de casa, mas Dejan Lovren virou o jogo nos acréscimos e classificou o Liverpool.

3. Guarani 6 x 0 ABC (23/10/2016): nota 4,2619

Reprodução

O Guarani já havia sofrido um bocado nas quartas de final da Série C: derrotado pelo ASA por 3 a 1 no jogo de ida, só conseguiu a vaga nas semifinais ao vencer o jogo de volta por 3 a 0. Aí, nas semis diante do ABC, perdeu por 4 a 0 em Natal e precisaria de outra virada emblemática para ir às finais. Sabe o que aconteceu? O Bugre deu show novamente em Campinas e conseguiu uma virada história, batendo o time potiguar por 6 a 0, com três gols de Fumagalli.

2. França 0 x 1 Portugal (10/07/2016): nota 4,5952

Euro 2016
Instagram/Uefaeuro

Anfitriã da Eurocopa 2016, a França parecia favorita à conquista de seu terceiro título no torneio. Na decisão do título, teria pela frente a seleção de Portugal. Tudo parecia caminhar para um título francês. Para ajudar, Cristiano Ronaldo, principal referência ofensiva portuguesa, se machucou nos primeiros minutos da final. Só que, mesmo assim, os lusitanos fizeram jogo duro e garantiram o 0 a 0 nos 90 primeiros minutos. Na prorrogação, um chute rasteiro de Éder, da entrada da área, surpreendeu o goleiro Hugo Lloris. Ao fim, os portugueses venceram por 1 a 0, calaram o Stade de France e conquistaram o mais importante título de sua história.

1. Brasil 1 (5) x 1 (4) Alemanha (20.08.2016): nota 4,6904

Rio 2016
Danilo Borges /Brasil2016

Talvez nem mesmo o melhor dos escritores bolasse um roteiro tão dramático para a primeira medalha de ouro olímpica do futebol brasileiro. Questionada na primeira fase após dois empates em 0 a 0, a seleção brasileira masculina embalou, venceu os três próximos jogos com direito a duas goleadas (4 a 0 na Dinamarca e 6 a 0 em Honduras) e chegou à final contra a Alemanha. Na decisão, o Brasil abriu o placar com Neymar, mas Max Meyer empatou para os alemães. Nos pênaltis, Weverton defendeu a cobrança de Nils Petersen, cabendo a Neymar converter a última cobrança e dar início à festa no Estádio do Maracanã.

QUEM VOTOU

Adalberto Leister Filho (Máquina do Esporte), Allan Brito (Goal.com Brasil/UOL/Última Divisão), Allan Farina (Goal.com Brasil), Ana Cláudia Cichon (Jovem Pan), André Donke Tenreiro (ESPN Brasil), Arthur Chrispin (escritor e cronista), Bruno Guedes (EFE), Diego Freire (Última Divisão), Diorgnes Saldanha (Prefeitura de Blumenau/Última Divisão), Dominique Cavaleiro (TV Tapajós/GloboEsporte.com), Evandro Furoni (freelancer), Fabio Chiorino (ESPN Brasil), Fabio Marcondes (Rádio Esporte na Rede), Felipe Lobo (Trivela), Fernando Cesarotti (ESPN FC), Fernando Duarte (BBC), Francisco de Laurentiis (ESPN Brasil), Gabriel Ribeiro (UOL), Guilherme Moreira (Lance!), Hugo Vecchiato (Rádio Bandeirantes), Igor Nishikiori (Última Divisão), João Paulo di Medeiros (O Popular), José Edgar de Matos (UOL), Julio Cesar Cardoso (FutDados.com), Julio Simões (Última Divisão), Leandro Santiago (TV Anhanguera Tocantins), Leonardo Bonassoli (Futebol Metrópole), Lucas Mello (Placar), Luís Augusto Símon (Blog do Menon/UOL), Luís Felipe dos Santos (Puntero Izquierdo), Luiz Castro (Veja.com), Luiz Teixeira (Rádio BandNews FM), Matheus Schenk (Non Sense Football/UOL), Michel Castellar (Jornal Extra), Napoleão de Almeida (BandSports/UOL), Olga Bagatini (Lance!), Rafael Alves (Planeta Futebol Feminino), Rafael Luis Azevedo (Verminosos por Futebol), Rodrigo Gasparini (Jornal Cruzeiro do Sul/Trivela), Sérgio Oliveira (AllTV), William Correia (freelancer) e Yuri Casari (Do Rico ao Pobre).